Gravidez Saúde

Ultrassom morfológico: quando fazer e como é?

Quando a gente se descobre “mamãe”, são várias as dúvidas e inseguranças que surgem, não é mesmo? Qual será o sexo do meu bebê? Como vai ser seu nome? Será que está tudo bem com ele? E inúmeras outras expectativas. Entre todas essas dúvidas, uma bem comum é sobre o ultrassom morfológico.

Nem todas as mulheres sabem exatamente qual é a diferença dele para o ultrassom tradicional – e nem quando esse exame é indicado, os resultados que ele mostra e como é feito.

Eu também tive essas dúvidas durante a minha gestação da Ariel e estava super ansiosa para fazer a primeira ultra, para garantir que estava tudo certinho com a minha “cria” e também para poder vê-la antes do grande dia.

Se você tem dúvidas sobre o ultrassom morfológico, veja quantas informações bacanas eu separei e que podem te ajudar a ficar mais segura e tranquila sobre esse exame!

O que é o ultrassom morfológico?

O ultrassom morfológico é um exame de imagem que avalia a formação e o desenvolvimento dos órgãos internos e externos do bebê.

Ele é extremamente importante porque permite que o médico identifique de forma precoce possíveis malformações, síndromes fetais e outras condições que exijam acompanhamento.

Por isso, esse exame faz parte do pré-natal, junto de outros que ajudam a avaliar a saúde da criança, diagnosticando precocemente inúmeras condições como Síndrome de Down, lábio leporino, pé torto etc.

Ultrassom morfológico x ultrassom comum

Durante a gravidez, são muitos os exames de ultrassom que vamos fazer, os chamados “ultrassons obstétricos”. Mas nem todos usam o mesmo aparelho, por isso, a finalidade de cada exame será diferente.

Ultrassom transvaginal

É um tipo bem comum – e que muitas mulheres, mesmo as que não estão grávidas, já se acostumaram a realizar nos exames de rotinas.

Nesse caso, ele serve para mostrar o tempo de gravidez, indicar se o bebê está realmente alojado no útero (em alguns casos pode haver uma gravidez ectópica, por exemplo com o feto nas trompas, exigindo intervenção médica) e ainda indicar como está o crescimento do baby.

Normalmente, o ultra transvaginal é feito a partir da quinta semana, quando os médicos já conseguem visualizar o saco gestacional.

3D e 4D

O ultra 3D vai além da versão tradicional, e permite que os papais vejam uma espécie de imagem do bebê. Já o 4D é ainda mais moderno e consegue capturar até mesmo os movimentos do bebê dentro do útero.

Com esses dois tipos de ultra, dá para ter uma noção mais exata de como será seu bebê, vendo a boquinha, o nariz, os olhinhos, enfim, é algo muito mais emocionante.

Para os médicos, não há tanta diferença, já que o que eles querem avaliar é a estrutura interna da criança. Mas para nós, é a chance de ficarmos babando e de levar para casa uma espécie de fotografia do nosso filho ainda no útero.

Translucência nucal (TN)

Esse é um exame também realizado com o aparelho de ultrassom, mas que faz a medição de líquido na nuca do bebê. Essa medição é feita com o ultra posicionado na vagina ou no abdômen da mamãe e é super importante porque consegue detectar se existe risco elevado do bebê ter alguma anomalia cromossômica ou Síndrome de Down, por exemplo.

O indicado é que a medida esteja abaixo de 2,5 mm e o exame deve ser feito entre a 11ª e a 14ª semanas, já que, depois dessa fase, o volume do líquido passa por alterações e o exame não se torna mais válido.

Dopplervelocimetria

Também é feito pelo abdômen da mamãe, mas o objetivo é analisar o fluxo de sangue que está correndo pelas veias e artérias do bebê. Ele ainda consegue verificar as condições da placenta, o peso do seu filho e como está o líquido amniótico. Esse exame precisa ser feito em todas as ultras que forem realizadas durante o pré-natal.

Qual a indicação e para que serve o ultrassom morfológico?

Ufa! Quantos tipos de ultrassom a gente faz durante a gravidez, não é? E todos eles são extremamente importantes, já que possuem uma função diferente.

No caso do ultrassom morfológico, ele é indicado para avaliar a anatomia do neném, sendo responsável por identificar até 85% das más-formações. Por isso, ele deve ser feito quando os órgãos já estão mais desenvolvidos e definidos, para que o médico consiga detectar alterações nas mãos, nos pés, na coluna, no coração, na face, no diafragma e no trato urinário.

Esse também é o ultrassom mais usado na hora de definir o sexo da criança, com uma taxa de acerto de quase 70%.

Não é à toa que muitas mamães ficam super ansiosas para fazer o exame, né? Afinal, ele pode indicar se a saúde do seu filho está ok – e também se você será mãe de menina ou menino!

Resumindo, o ultrassom morfológico é indicado para:

  • descobrir o sexo do bebê;
  • confirmar a idade gestacional;
  • acompanhar o crescimento e o desenvolvimento do feto;
  • avaliar o tamanho da criança (medindo o tórax, a cabeça, o abdômen e o fêmur);
  • monitorar os batimentos cardíacos (sim! É nesse exame que você ouvirá o coração do seu filho batendo – um momento extremamente emocionante);
  • localizar a placenta;
  • avaliar os riscos para possíveis doenças, malformações ou anormalidades, como Síndrome de Down, doenças congênitas do coração, espinha bífida, hidrocefalia, anencefalia, hérnia diafragmática etc.

Quantidades de exames

De acordo com as recomendações da Sociedade Brasileira de Pediatria são indicados apenas dois exames de ultra morfológico para as grávidas: um no primeiro e outro no segundo trimestre.

O primeiro pode ser realizado entre a 11ª e a 14ª semanas, sendo usado principalmente para a medição da translucência nucal, TN, (que expliquei no tópico anterior). Além do TN, o médico avaliará as imagens e a saúde da mamãe para indicar se há ou não risco elevado de anomalias, por exemplo, considerando o histórico familiar e a idade da mamãe.

Já o segundo exame é feito entre a 18ª e a 20ª semana, quando o médico avaliará as estruturas do bebê, principalmente o cérebro, a calota craniana, o tórax, os rins, o estômago, os membros, a coluna vertebral, a genitália e os ossos de uma maneira geral.

Dependendo do resultado, o seu médico poderá solicitar outros exames mais detalhados. É nesse momento, também, que você terá uma ideia da data provável do parto.

Sexo do bebê

Descobrir o sexo do bebê é um momento de muita apreensão para os pais. Em geral, na primeira ultra morfológica é possível ter uma ideia, porém a confirmação só é feita perto da 17ª semana, ou seja, só no segundo exame.

E, atenção, porque nem sempre essa indicação é 100% confiável, já que é possível que outros fatores impeçam o médico de ver o sexo da criança com clareza, como quando parte do cordão umbilical fica entre as perninhas do bebê.

Quais as dicas e orientações para esse exame?

Por ser um exame extremamente importante, é normal ficar ansiosa, certo? Porém, saiba que não é necessário nenhum preparo especial, já que esse é um ultrassom bem tranquilo de ser feito.

A única exigência é estar com a bexiga bem cheia para melhorar a qualidade das imagens e elevar o útero.

E, claro, se possível, ir acompanhada de alguém especial para dividir esse momento mágico!

Já deu para notar que o ultrassom morfológico é um exame indispensável para a saúde do seu bebê, não é? Então, não dê vacilo, agende o acompanhamento desde o início com o seu obstetra, garantindo que está tudo em ordem com a saúde do seu pequeno!

E se você está tentando engravidar, mas ainda não tem certeza de que conseguiu, eu tenho uma dica bem bacana: esse conteúdo mara sobre nidação, com os 5 sintomas clássicos que vão lhe ajudar a confirmar se o seu baby está chegando!

Espero que esse conteúdo tenha te ajudado a tirar todas as dúvidas sobre ultrassom morfológico!

Beijos!!