Desabafos e Inspirações Vida de Mãe

Profissão: DO LAR

imagem: Pinterest

Quando eu abri mão do meu trabalho formal para realizar o sonho de ser mãe eu tinha um ideal: eu passaria as tardes feliz e sorridente, passando aspirador de pó, criando receitas deliciosas na cozinha, brincando com os meus filhos e ainda teria tempo de ser linda e bem humorada.

Acontece que na prática não é bem assim…
Ninguém me contou que cuidar da casa dá muito mais trabalho do que trabalhar fora, que os filhos não estão sempre felizes e sorridentes, que aguentar noites em claro com criança chorando com certeza faz a gente perder o bom humor e que ser linda seria a última das minhas preocupações.
No dia a dia, a grande verdade é que a casa não fica um brinco, não existe aquela cerquinha branca (e muito menos jardim florido), tem dias que eu não tô a fim de cozinhar e o marido também não chega em casa sempre sorridente e disposto a ouvir sobre como foi o meu dia e como eu descobri uma maneira incrível de tirar mancha de guache ou chiclete dos cabelos das crianças.
Sim, tem dias que eu me sinto irremediavelmente sozinha, que faz falta ter alguém pra conversar, ligações pra atender, prazos para cumprir. Tem dias que eu invejo as pessoas correndo apressadas lá fora, o despertador do vizinho que toca, e a preguiça de escolher o que vestir das mulheres que precisam sair para trabalhar.
Entre os pratos pra lavar, a roupa pra passar e as listas de supermercado, sacolão e contas pra pagar eu já me senti sufocada, eu já me senti inútil, eu já pensei que estava desperdiçando o meu tempo e toda a minha capacidade de força criadora.
Daí eu me dei conta de que realizo o serviço mais difícil, delicado, engenhoso e de maior retribuição do mundo: sou mãe, sou dona de casa, sou pilar de uma família, sou guia de pequenas pessoinhas descobrindo a vida através daquilo que eu digo que é certo ou errado.
Não, eu não tenho férias, não tenho salário, não tenho hora para começar nem terminar, meu turno é sempre integral, estou sempre de plantão, mas o meu pagamento, ah, este é intangível!
Sou rainha do meu lar, sou CEO da minha família, especialista em gestão de pessoas, controle de crises, planejamento financeiro, suprimentos, compras, psicóloga, guia turística, promotora de eventos e recreação infantil.
Daí tenho que me deparar com pessoas que questionam: “mas você não trabalha? cuida das crianças e da casa?” Ooooiii???
Eu cansei de ter que explicar, cansei de ter que me justificar, cansei de preencher as porcarias de formulários que me qualificam como DO LAR, agora eu preencho diferente, vai assim: Profissão? RAINHA do meu lar e da minha vida! ;)

10 comentários

  1. Aaaaaaaah, se a expectativa fosse realidade! Estaríamos de cabelo arrumado, batendo bolo, enquanto as crianças brincam civilizadamente com apenas um brinquedo. ~suspira, e sai do blog da amiga p terminar de arrumar a casa~
    Bjo, Lô, minha companheira de profissão.

  2. Ah como eu queria que as pessoas entendessem e parassem de SEMPRE me perguntar sobre isso e tantas outras baboseiras. Só porque estudamos, pós graduamos temos a obrigação de trabalhar fora ou no ramo? Deixa eu ser o que eu quiser, pelo menos enquanto posso escolher ser “somente” – e isso engloba uma infinidade de coisas – a Rainha do Meu Lar.

  3. Texto lindo e assinado em baixo por mim, Lo! Mas sabe que junto o espanto e tom ironico das perguntinhas: “mas vc nao trabalha? vai ficar até quando com eles?” eu sinto também uma certa invejinha, não da minha condição, mas da coragem de ter feito essa opção, porque vejo que muita gente não faz como a gente porque não tem coragem de arcar com essa resposta para a sociedade: sim, sou do lar, rainha do lar, cuido dos meus filhos, lavo banheiro, e sábado tô linda de unha feita e cabelo chapado, e sou feliz assim, pelo menos por enquanto rs…beijo lindona

  4. Pior é as pessoas olharem para nós como se fossemos ets e escutar: Vc não trabalha?????? Sempre respondo que trabalho e muito, todo dia tem roupa e louça para lavar, comida para fazer (às vezes recorro aos restaurantes perto de casa, delivery, e marmitex, porque não?) e quando acaba o turno das crianças começa o do marido (que precisa de tanta ou mais atenção que as crianças)… O mundo está virado e parece que o que deveria ser normal, que é uma mãe cuidar dos próprios filhos e da sua casa é absurdo. Bom é ter filhos e dar para os outros criar, a babá, a vizinha, as avós, as creches o governo. Pior que tem mulheres que acham que é vergonha ser do lar, existe muito preconceito. Sei que estou fazendo o melhor, cuidando da MINHA FAMÍLIA, que precisa mais de mim do que qualquer empresa…

    1. Ai é tão complicado isso, né?
      Tem uma dose de machismo, feminismo, recalque… eu sei lá!
      Recebo críticas de todos os lados: homens, mulheres, novinhos e velhinhos!! Parece que o maior problema é que as pessoas compreendam que cada um é responsável pelas suas escolhas, né?

      Bjo! ;)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *