Gravidez Mulher Saúde

TUDO o que você precisa saber o exame de curva glicêmica

Há uns dias, eu não andava me sentindo bem. Mal estar como se a pressão estivesse baixa, dor de cabeça, irritação e sensação de desmaio. Fui ao médico e para minha surpresa ele me indicou uma avaliação que eu já conhecia, o exame de curva glicêmica.

Durante a minha gestação, como muitas outras gravidinhas, eu também me submeti ao teste. Na época, para ver se eu não tinha diabetes gestacional. E agora para avaliar se estava diabética ou se andava tendo crises de hipoglicemia.

Quando comentei com minhas amigas, vi que várias tinham dúvidas sobre esse exame de curva glicêmica – e algumas até tinham deixado de fazê-lo por medo!

Então, eu achei que esse era um bom tema para trazer aqui no blog. E já adianto, pode ir sem medo algum, porque o exame é super tranquilinho e extremamente importante. Veja as informações que eu separei!

O que é o exame de curva glicêmica?

O exame de curva glicêmica também pode ser conhecido como teste oral de tolerância a glicose, ou apenas TOTG. Ele pode ser solicitado quando o médico suspeitar de algumas condições, como diabetes tipo 2, pré-diabetes, resistência à insulina ou outras alterações (como a hipoglicemia no meu caso).

Basicamente, o teste irá avaliar a capacidade do seu organismo de metabolizar a glicose. Quem tem algum tipo de diabetes, geralmente tem uma habilidade comprometida, assim como as pessoas que têm alterações no metabolismo dos carboidratos ou tem alguma doença pancreática.

Para que serve o exame de curva glicêmica?

O exame de curva glicêmica é extremamente importante, já que ele ajuda a diagnosticar todas essas condições que falei acima, além da diabetes gestacional.

Lembrando que nem sempre os diabéticos têm sintomas. Ou seja, você pode estar com a glicose lá em cima, correndo vários riscos de saúde e nem ter ideia disso, porque não apresenta nenhum sintoma grave.

Durante a gestação, ele é super importante, já que a diabetes em grávidas pode causar uma série de complicações. Não é à toa que ele faz parte dos exames obrigatórios do pré-natal.

Normalmente, o médico solicitará essa avaliação caso a sua glicemia em jejum esteja alterada ou caso você tenha alguns fatores de risco relacionados à diabetes. Para as grávidas, quando a glicemia em jejum variar entre 85 a 91 mg/dl, o médico poderá solicitar o exame, investigando o risco da diabetes gestacional.

Quanto tempo dura e quanto custa esse exame?

O tempo de duração do exame dependerá do que o seu médico solicitar, porque existem variações no período total da avaliação e também na quantidade de coletas de sangue.

O exame clássico de curva glicêmica tem duração de 2 horas, mas existem alguns que podem se prolongar por até 6 horas. Então, é sempre importante conferir certinho com o seu médico antes para se preparar adequadamente.

Ao contrário de outras avaliações médicas, esse não é um exame caro – e é possível encontrá-lo em vários laboratórios, com preço médio de R$ 30.

Como o exame é feito?

A ideia do exame é simular os níveis de açúcar no sangue depois que nos alimentamos. Assim, é possível que os médicos entendam como está a nossa taxa de glicose e o funcionamento do pâncreas.

Para fazer essa avaliação é bem simples. Primeiro, você deverá estar em jejum (no tempo indicado pelo laboratório, que varia de 8 a até 12 horas). Ao chegar no laboratório, será colhida a primeira amostra de sangue, para avaliar como está a sua glicemia em jejum.

Na sequência, você receberá um líquido açucarado para beber. Antes de fazer esse exame pela primeira vez, eu ouvi muitas pessoas falando que era horrível, dava ânsia de vômito etc. A minha experiência foi super tranquila. A moça do laboratório fez o preparo com água gelada, então ficou parecendo um refrigerante. Eu nem achei muito doce como falaram (talvez eu seja um pouco formiguinha rsrs).

A quantidade de glicose desse preparo varia de acordo com o paciente e as especificações do médico. Em geral, é em torno de 75 g de glicose para pacientes adultos e 1,75g para cada quilo do peso em crianças.

Depois de tomar a glicose, você terá que ficar sentadinha (ou deitadinha, como preferir), aguardando a próxima coleta de sangue. O intervalo dependerá do seu médico. Em geral, dentro de 1 hora será feita a coleta e depois de novo dentro de 2 horas. Em alguns casos pode haver uma terceira coleta, depois de 3 horas da ingestão.

Existem alguns médicos que também pedem para coletar urina. Esse foi o meu caso. Então a cada 1 hora, mais ou menos, eu também tinha que fazer xixi no potinho. E aí o pessoal do laboratório fazia a medição da glicose no sangue e na urina. Mas isso depende do pedido médico e do laboratório.

Durante todo esse período, você não poderá comer, nem realizar esforço físico, só beber água. Mas fique tranquila, porque o preparado de glicose vai dar uma sensação de saciedade.

Como ele é feito em gestantes e por que é importante?

Nas grávidas, o preparo poderá ser diferente, sendo que alguns médicos solicitam até 100g de glicose e a coleta pode ser feita até 4 horas depois de beber o líquido.

Mas, via de regra, será o mesmo esquema dos demais pacientes. Porém, como quando estamos grávidas ficamos mais sensíveis, é comum que muitas mulheres sintam enjoos, tonturas, diarreia e outros tipos de mal estar.

Então, uma boa dica é ir acompanhada, assim caso aconteça algum problema, você terá a quem recorrer. E nada de dirigir depois do exame, ok? Afinal, você estará há horas em jejum e, como eu disse, algumas pessoas podem ter mal estar. Eu não tive, mas isso não quer dizer que será igual para todos os pacientes, não é?

Normalmente, esse exame é solicitado quando a gestante está entre 24 e 28 semanas ou a qualquer momento que haja alteração nos níveis de glicose.

Diabetes gestacional

A principal indicação do exame de curva glicêmica em grávidas é para diagnosticar a diabetes gestacional. Quando diagnosticada logo no início, essa condição pode ser controlada e reduzir os riscos a que expõe a mamãe e o bebê.

Os sintomas mais comuns dessa condição são: cansaço, infecções recorrentes, sede e xixi em excesso, visão turva e perda de peso repentino.

Em tese, todas as grávidas podem vir a sofrer com a diabetes gestacional. Porém, ela é mais comum em quem ganhou muito peso durante a gravidez, quem já estava acima do peso antes de engravidar e também em mulheres com casos de diabetes na família. Ah, e claro, em quem já é diabética.

Quais os preparativos? Pode beber água antes do exame de curva glicêmica?

Antes de fazer o exame de curva glicêmica é necessário ficar em jejum. Esse tempo varia de acordo com cada laboratório, podendo ser de 8 a até 12 horas. Por isso, sempre converse antes para saber como é o preparo.

Durante esse período, você poderá beber água. Mas não é indicado fazer nenhuma atividade física extenuante e nem fumar.

Qual é o padrão de referência?

Os valores de referência variam para gestantes e não gestantes.

Não gestantes

Caso o seu exame retorne um resultado de glicose em jejum entre 60 e 100 mg/dl, então o resultado será considerado normal. Assim como valores menores que 200 mg/dl na primeira hora do exame e menores que 144 mg/dl nas duas primeiras horas.

Agora, se a sua taxa de glicose em jejum for entre 100 a 125 mg/dL, isso pode indicar uma situação de pré-diabetes. O diagnóstico será confirmado se, durante a curva glicêmica, houver um valor entre 140 e 199 mg/dL nas duas horas depois da ingestão da glicose.

Para o diagnóstico de diabetes tipo 2, é preciso ter uma taxa de glicemia em jejum maior que 125 mg/dL. Nesses casos, o exame da curva glicêmica nem é indicado, porque pode colocar em risco a vida do paciente. Mas, se mesmo assim o exame for feito e ele vier com um resultado superior a 200 mg/dL após duas horas da ingestão da glicose, então é considerado que o paciente está diabético.

Gestantes

Para gestantes, são considerados valores normais aqueles inferiores a 140 mg/dL. Caso o valor seja entre 140 e 199 mg/dL, diz-se que a grávida está com a tolerância diminuída a glicose (como se fosse um estado pré-diabético e também requer atenção).

Já os valores acima de 200mg/dL confirmam o diagnóstico de diabetes gestacional.

Se os valores vierem alterados, tanto para gestantes como não gestantes, o médico poderá solicitar que o exame seja refeito após alguns dias para a confirmação do resultado.

O que mais preciso saber?

Como você viu, o exame de curva glicêmica é super importante tanto para as futuras mamães como para qualquer outra pessoa que possa estar sofrendo com diabetes ou outras doenças relacionadas à glicose.

Apesar de as pessoas falarem relativamente mal desse exame, ele é super tranquilo e pode ser feito sem medo. Então, se o seu médico lhe indicar essa avaliação, não hesite: faça tudo certinho. Afinal, tanto a diabetes tipo 2 como a gestacional são bem perigosas e precisam ser tratadas.

Em relação ao meu exame, o resultado foi dentro do esperado para a curva glicêmica. Outros vieram alterados e agora estou me alimentando melhor para tratar a hipoglicemia – mas isso é assunto para outro post.

Espero que você tenha tirado todas as suas dúvidas sobre o exame de curva glicêmica e agora esteja mais segura para fazer essa avaliação. Qualquer coisa, é só deixar um comentário, ok? Ah, e não se esqueça de ajudar seus amigos, compartilhando essas informações nas suas redes sociais!

Beijinhos!