Gravidez

Concha de Amamentação: O que é e para quê serve?

A amamentação é um dos momentos que mais causam dúvidas nas mamães. Afinal, por mais que nos preparemos, não sabemos exatamente como é amamentar até lidar com a situação. Mamilos rachados, dores e dificuldades para o bebê conseguir mamar são problemas bem comuns. E para tentar resolvê-los, muitas apelam para a concha de amamentação.

Feito em silicone, esse produto pode ser usado por debaixo do sutiã e promete ajudar as mamães com bico invertido a darem de mamar com mais facilidade aos seus nenéns.

Mas, será que esse item realmente ajuda ou atrapalha? Quais cuidados tomar ao escolher a concha e usá-la?

Eu também fiquei com essas dúvidas na amamentação da Ariel e por isso achei bacana trazer alguns dados que descobri, compartilhando essas informações com vocês.

A importância da amamentação

Antes de mais nada, gostaria de fazer um adendo lembrando da importância da amamentação. A gente sabe que ela envolve uma série de cuidados – e que nem sempre será um “mar de rosas”, sendo uma tentação usar a mamadeira bem cedinho.

Mas, apesar disso, vale a pena insistir mais um pouco. Afinal, o leite materno contém nutrientes e minerais indispensáveis para seu filho crescer bem e com saúde. Além disso, ele reduz as chances de: infecções no ouvido, alergias, eczemas, asma, vômitos, diarreia, pneumonia, diabetes juvenil, obesidade durante a adolescência ou idade adulta e síndrome da morte súbita infantil (SMSI).

Existem estudos, ainda, que fazem uma ligação entre o leite materno e o desenvolvimento saudável do cérebro do bebê.

Para a mamãe também há benefícios (olha só, não é apenas dor e sofrimento rs). Primeiro, porque amamentar torna mais forte o laço entre mãe e filho, já que estimula a liberação do hormônio ocitocina (chamado de “hormônio do amor”), além de ajudar o útero a voltar ao tamanho normal de antes da gravidez.

Amamentar também é um aliado contra o câncer de mama, já que pode diminuir o risco de desenvolvimento da doença, além de câncer de ovário e diabetes tipo 2. Quem está sofrendo para perder os quilos a mais da gestação, pode investir na amamentação, pois, para produzir o leite, seu corpo usará uma parte da gordura acumulada.

Bicos invertidos

Um dos problemas mais comuns que muitas mamães enfrentam na hora de amamentar é o bico invertido. Ou seja, quando ele é voltado para dentro e não para fora, o que pode tornar um pouco mais difícil a pega do bebê.

É nesses casos que muitas mulheres investem na concha de amamentação ou nos bicos de silicone.

Os médicos afirmam que o bico invertido não é um impeditivo para a amamentação. Mas é claro que nos primeiros dias o processo vai ser mais difícil, porque o bebê não vai conseguir manter a pega. Por isso, uma dica é ajustar a postura, colocando o seu filho bem pertinho e usar recursos extras como as massagens.

O que é a concha de amamentação e como ela funciona?

A concha de amamentação é um acessório super comum no enxoval de várias futuras mamães. Ele é um item de silicone que promete ajudar a proteger os mamilos durante a amamentação, além de melhorar a mamada para quem tem bicos invertidos ou planos, tornando mais fácil para o bebê conseguir começar a mamar.

Outra função da concha é coletar o leite materno que fica “vazando”, impedindo que ele acabe manchando as roupas. E também existem casos de mulheres que investem nesse produto para usá-lo antes do bebê nascer, buscando a correção do mamilo invertido.

Esses aparelhos devem ser usados por baixo do sutiã e o tempo máximo de uso é por até 3 horas por dia ou de acordo com a orientação do especialista.

Quais os tipos de concha de amamentação?

No mercado, você encontrará uma variedade bem grande de conchas e cada uma delas é indicada para um uso diferente.

As mais comuns são:

  • base flexível, indicada para coletar o leite e proteger os seios com mamilos rachados;
  • base rígida, ajuda na correção do mamilo invertido, também é mais usada no final da gravidez;
  • orifício pequeno, se for muito pequeno, ele poderá ferir e machucar, então cuidado com esse modelo;
  • orifício grande, nesses casos, a concha não corrige o bico, só coleta o leite e protege a mama.

De uma maneira geral, é indicado que esse produto seja feito de um material transparente, permitindo que a mamãe consiga facilmente avaliar se o item está bem conservado e limpo, contar com orifícios para a ventilação, o que favorece a respiração do mamilo e evita infecções (especialmente quando o bico está machucado ou rachado) e o furo onde o mamilo é colocado não deve ser muito pequeno, assim, o ideal é que ele permita que o bico e uma parte da aréola fique dentro do aparelho.

Além disso, é preciso ter atenção redobrada com a limpeza. A higienização precisa ser feita TODOS os dias, inclusive fervendo a concha de amamentação.

Para usar, basta colocar a concha debaixo do sutiã, lembrando de vesti-la um pouco antes de cada mamada. Se a concha for de um material muito rígido ou o orifício para o bico for muito pequeno, evite usá-la por mais de 3 horas.

Leite coletado

Outro cuidado fundamental é que o leite coletado NUNCA deverá ser usado, porque ele não está apto a ser consumido, com um altíssimo risco de contaminação.

Quais os prós e os contras da concha de amamentação?

Apesar de todas essas informações que eu citei, é importante alertar que muitos especialistas contraindicam o uso da concha de amamentação. Principalmente porque ela impede o contato do bebê com a pele da mãe, o que pode confundir o recém-nascido.

Outro ponto é que, para mamar, mais do que o bico, o neném precisa da aréola. Então, se ele mamar apenas pelo bico, é possível que a mãe sofra com dor e fissuras ao amamentar. Por isso, que a pega correta é tão mais importante do que qualquer outro acessório.

Riscos da concha de amamentação

Os especialistas que são contrários a esses itens, dizem que a concha de amamentação deixa a região dos mamilos mais úmida e abafada – o que cria um ambiente favorável a proliferação de bactérias e fungos. O resultado é o surgimento de candidíase mamária e até de mastite!

Outro risco é a pressão que o aparelho pode causar nas mamas, impedindo a correta circulação sanguínea e trazendo sérios problemas às mamães.

Benefícios da concha de amamentação

Apesar disso, existem mulheres que não abrem mão do acessório e que dizem que ele traz muitos benefícios, como: ajudar a corrigir o mamilo invertido, evitar as dores causadas pelos bicos machucados, evitar que o leite acabe vazando e manchando as roupas, entre outros.

Será que eu devo usar?

Se depois de ler essas informações, você ficou na dúvida entre usar ou não a concha de amamentação, a melhor dica é conversar com seu médico. Afinal, é ele que poderá lhe orientar de maneira mais precisa e de acordo com a sua realidade e as suas necessidades.

Eu não usei durante a amamentação da Ariel, mas conheço quem já usou e não teve problemas. De qualquer forma, existem outras alternativas para continuar amamentando sem usar esses acessórios.

Por exemplo, se você estiver com um dos bicos machucados, poderá oferecer o outro ao bebê. Se estiver com os dois, retire o leite e ofereça ao bebê de outras formas, como com copos e colheres (e não com a mamadeira que poderá confundir o neném).

Para tratar esses machucados, a orientação é hidratar com o próprio leite materno, que conta com nutrientes capazes de sarar essas fissuras.

Agora, se o bebê está com dificuldades para mamar, é possível avaliar como está sendo a pega – e conversar com o seu médico se você está fazendo isso de maneira certa ou se existem outros métodos mais indicados (principalmente caso você tenha o mamilo invertido).

De qualquer forma, uma coisa é certa, com concha de amamentação ou sem concha, é preciso bastante paciência, cuidado e amor para transformar a amamentação e, claro, para oferecer o melhor que seu filho precisa.

Espero que você tenha tirado todas as suas dúvidas sobre a concha de amamentação. Para te ajudar, eu separei este conteúdo com um guia completo da amamentação, com várias outras dúvidas e dicas bacanas!

Até mais :)