Categorias Literatura Infantil

Livros Infantis: Os Melhores Para Seus Filhos

Aqui em casa estimular a leitura sempre foi uma questão bem importante. O hábito de contar histórias antes de dormir começou cedo, então eu me tornei praticamente uma especialista em vasculhar a internet e as livrarias atrás dos melhores livros infantis para renovar o meu repertório rs.

Caso você queira pular o texto e ver AGORA minhas recomendações basta clicar aquiSe quiser avaliar todas opções basta seguir com a leitura ;)

Imagino que por isso, mesmo quando as crianças ficaram um pouco maiores e a histórias antes de dormir foram perdendo popularidade aqui em casa, o interesse pelos livros de maneira geral continuou firme. Ainda bem!

Tanto o Pedro como a Juju estão sempre buscando alguma história interessante, e por isso eu estou sempre pesquisando livros juvenis que sejam adequados para a faixa etária deles e mantenham aceso esse interesse pela leitura.

livros infantis

Sempre que eu posso, busco títulos que estimulam a reflexão e o senso crítico. Claro, nem sempre dá certo, e têm dias que tudo que eles querem é um livro de ação ou um conto de fadas bem clássico. E tudo bem também, porque leitura tem que estar ligada ao prazer, não é mesmo?

De qualquer modo, sempre busco histórias que não estimulam nem a violência e nem o consumismo exagerado. Afinal, se eu estou sempre de olho no que eles estão vendo no YouTube e na TV, não teria como ser diferente com os livros.

crianças lendo livro

Pensando nisso, fiz uma lista com aqueles que eu considero os melhores livros infantis em todas as faixas de idade. São títulos que ajudam a estimular o interesse pela leitura e a capacidade de reflexão dos pequenos sem perder a graça e a leveza.

Dá uma olhada! Espero que gostem!

Os melhores livros infantis de todas as idades

Livros de Literatura Infantil

Os livros dessa categoria são perfeitos para crianças menores, a partir dos 4 anos, que costumam ter um interesse acentuado pelo mundo da fantasia, mas também adoram ouvir histórias com enredos ligados o seu dia a dia. Todos eles são leves, mas passam uma mensagem importante e estimulam a reflexão.

1. As aventuras de Pinóquio

A tocante história do boneco de madeira que queria ser um menino de verdade é um clássico que sempre agrada as crianças. Muito mais rico em detalhes e situações que o filme, o livro diverte os pequenos com as peraltices do Pinóquio sem deixar de fazer com que eles reflitam sobre as consequências que cada ação provoca.

2. 365 histórias para dormir

Que atire o primeiro livro a mãe que já não ficou sem ação diante de um pedido de “conta mais uma história?”. Por maior que seja o seu repertório, de vez em quando a memória falha e a imaginação não colabora.

Nessas horas, é uma boa ideia ter o 365 histórias para dormir sempre à mão. Um dos melhores livros infantis para crianças pequenas traz uma história do universo Disney para cada dia do ano e já me salvou várias vezes em noites de  pouca inspiração.

3. O menino que tinha medo de errar

A história de Pedro, um garoto que prefere ficar confinado em casa sem aproveitar a companhia dos amigos porque tem medo de fazer alguma coisa errada nas brincadeiras pode servir como um gancho sensível para conversar com pequenos que estão se sentindo inseguros diante de mudanças de escola ou cidade, por exemplo.

4. A menina da cabeça quadrada

Aqui em casa, eu sou bem criteriosa quando o assunto é uso da internet. Ainda assim,  o livro sempre está nas minhas recomendações porque ajuda os pequenos a descobrirem o prazer das brincadeiras tradicionais e dar um tempo nos eletrônicos.

A história de Cecília, a menina que acordou com a cabeça quadrada de tanto utilizar a TV e o celular, faz as crianças refletirem sobre a importância de tirar o olho da tela e ver o mundo lá fora.

5. O livro com um buraco

O livro com um buraco tem, literalmente, um buraco no meio das páginas, o que faz dele um dos melhores livros infantis bem pequenas, a partir dos 2 anos. Divertido e interativo, ele conta com pequenos textos de orientação, que propõem atividades diferentes relacionadas ao buraco, como pintura, colagens e recortes. Aqui em casa, a Juju me pedia para ler e depois usava pendurado no braço ou como cesta de basquete. rs

Livros Infanto Juvenis

Pelo menos aqui em casa, nessa fase em que eles não são nem crianças, nem adolescentes, fazem mais sucesso os livros de aventura e aqueles que falam sobre as descobertas típicas dessa etapa da vida. Algumas sugestões legais:

1. Breve história de um pequeno amor

No livro de Marina Colasanti, uma escritora acha um ninho com dois filhotes de pombo e usa esse encontro como ponto de partida para fazer as crianças refletirem sobre sentimentos comuns, como saudade, preocupação e ciúme.

2. 20 mil léguas submarinas

A obra-prima de Júlio Verne, um dos pais da ficção científica, conta a história do professor Aronnax e Ned Land, que vivem a bordo do submarino Náutilus como prisioneiros do capitão Nemo. Apesar de longa, a narrativa prende as crianças maiores ao apelar para a imaginação e mostrar a riqueza do mundo marinho.

3. As aventuras de Huckleberry Finn

Inteligente, malandro e contestador, o jovem Huck Finn é um dos personagens mais famosos do universo de Mark Twain. As histórias são divertidas e prendem as crianças maiores pela agilidade e riqueza de detalhes com que são contadas.

4. A bailarina fantasma

Escrito pela jornalista cearense Socorro Acioli, o livro tem feito sucesso entre os pré-adolescentes ao contar a história de Anabela, uma menina que faz uma viagem pelo passado do Theatro José de Alencar, em Fortaleza, ao encontrar o fantasma de uma jovem bailarina que vive por ali.

Livros para educação infantil

Aqui eu coloquei aquelas obras mais indicadas para crianças maiores, que já começaram a ler por conta própria e têm uma certa intimidade com os livros. São aquelas obras perfeitas para introduzir autores mais adultos de maneira leve e garantir que o interesse pela literatura chegue firme na adolescência.

1. O livro dos porquês

Crianças não nos cansam de surpreender com sua curiosidade sobre a vida e o mundo. Apesar do nome que remete a fase dos porquês, por volta dos 3 ou 4 anos, esse é um dos melhores livros infantis para criançonas mais velhas, que estão iniciando no mundo da leitura por conta própria. Além de responder perguntas comuns dessa fase com poesia e bom humor, a obra estimula os pequenos a pesquisarem por conta própria e a exercitarem o senso crítico.

2. E se eu fosse outros?

Através da história do menino Fernando, o livro introduz de maneira leve o universo poético de Fernando Pessoa. Sem a pretensão de ser uma biografia, é um dos melhores livros infantis que demonstram curiosidade sobre autores consagrados, mas ainda não têm maturidade para a leitura do original.

3. Rosa

Um dos melhores livros infantis para humaninhos a partir dos 10 anos, a obra exige um pouco mais de repertório dos pequenos e alguma familiaridade com a leitura. O texto de Odilon Moraes sobre paternidade conversa com um dos contos mais famosos de Guimarães Rosa, A Terceira Margem do Rio. É um excelente primeiro contato com um dos autores mais importantes da literatura brasileira e ajuda a estimular a curiosidade por obras mais complexas.

Livros de Romance Juvenil

Nessa etapa, manter o interesse pela leitura é sempre um desafio. As amizades, os primeiros amores, o colégio, a descoberta da vida adulta… Tudo parece contribuir para a literatura ficar meio de escanteio.

Por isso, coloquei sugestões de títulos que se aproximem bastante dessa fase que eles estão vivendo, sem serem didáticos ou longos demais.

1. A culpa é das estrelas

O livro de John Green que fez sucesso nas telas de cinema conta a história de um casal de adolescentes que se conhece — e se apaixona — em um grupo de apoio para pacientes com câncer. A trama surpreende pela delicadeza e poesia com que retrata temas tão delicados e tem um final inusitado.

2. Nuvens de ketchup

Por meio da história de Zoe, uma adolescente que conta o seu dia a dia com a família em cartas enviadas a um prisioneiro sentenciado à morte, a autora traça um panorama franco e bem humorado do turbilhão de sentimentos que surgem com a chegada da adolescência.

3. Três coisas sobre você

O romance conta a história de Jessie, que se vê obrigada a lidar com a vida em uma nova escola e uma nova cidade após a morte da mãe e a fuga do pai. Os dilemas típicos dessa fase da vida são relatados em um enredo ágil e engraçado, que entretém sem ser fútil.

4. A Droga da Obediência

O clássico de Pedro Bandeira que eu li na adolescência segue atual e figura na lista dos mais recomendados para essa faixa etária até hoje. A história de um grupo de amigos que se concentra em desvendar crimes e descobre um plano de dominação da humanidade por meio da aplicação de uma droga poderosa na juventude provoca reflexões sem ser entediante ou moralista.

Melhores livros de literatura infantil: as minhas recomendações

Por último, mas não menos importante, separei o meu top 10 da literatura infantil. Na verdade, a minha lista é uma mistura de clássicos que ficaram marcados na minha  memória afetiva com outros que eu só fui conhecer quando tive as crianças, mas que me encantaram por trazerem mensagens importantes sem perder a magia que os livros infantis precisam ter. Dá uma olhada!

 1.  Cinderela

livro cinderela

Um dos meus livros infantis favoritos, a Cinderela é aquele conto de fadas clássico, que as crianças menores, a partir dos 4 anos, sempre adoram. A história da garota que é maltratada pela madrasta e, graças a sua fada madrinha, vai ao baile real e se apaixona pelo príncipe fez parte da minha infância e segue encantando as meninas ano após ano. O melhor versão desse livro eu achei nesse link.

2.  O patinho feio

o patinho feio

O conto do dinamarquês Hans Christian Andersen sempre esteve entre os meus favoritos e é recomendado para crianças a partir dos 4 anos. A história de um cisne que é chocado em um ninho de pata e sofre várias humilhações por ser diferente dos demais, além de bonita, é um excelente gancho para conversar com os pequenos sobre o respeito ao próximo e a necessidade de entender as diferenças. Achei um bom preço nessa loja.

3.  Alice no país das maravilhas

alice no país das maravilhas

As aventuras da pequena Alice junto a criaturas mágicas como a Lagarta Azul e o Chapeleiro Maluco costumam agradar mais às crianças maiores, de 8 a 12 anos. Pura fantasia nonsense, o livro de literatura infantil de Lewis Carroll é um dos melhores livros infantis para as que são criativas e que adoram passar horas mergulhadas no mundo do faz de conta. O melhor preço eu achei aqui.

4.  Até as princesas soltam pum

até as princesas soltam pum

Eu adoro esse livro infanto juvenil do Ilan Brenman porque ajuda a desconstruir de maneira bem leve aquele ideal de perfeição que rondam os contos de fada e dá uma humanizada nas personagens, sabe? A trama gira em torno de Laura, uma garotinha que quer saber se as princesas soltam pum e se surpreende ao descobrir a verdade. Recomendado para crianças a partir dos 3 anos. Você encontra esse livro aqui.

 5.  A menina do narizinho arrebitado

Primeiro livro infantil de Monteiro Lobato, autor de alguns dos melhores livros infantis da nossa literatura, a história apresenta as personagens Narizinho e Emília. Mais tarde, a obra tornou-se o primeiro capítulo do livro de literatura infantil Reinações de Narizinho, que acabou dando origem ao Sítio do Picapau Amarelo.

Fácil de ler e divertida, a história transporta os pequenos de 3 a 6 anos para o mundo mágico de Lobato e é um excelente primeiro contato com as aventuras da boneca que virou gente e da menina doce e curiosa que adora dar asas à imaginação.

 6.  Contos de Grimm

os contos de grimm

As livrarias físicas e virtuais estão cheias de coletâneas que apresentam para os pequenos  entre 4 e 12 anos as histórias clássicas dos irmãos Grimm. Algumas reúnem apenas as mais conhecidas, como Branca de Neve, Rapunzel e A Bela Adormecida, mas eu acho que vale super a pena se aventurar também pelos contos menos famosos, como Os Quatro Irmãos Habilidosos, As Três Folhas da Serpente e O Ouriço do Mar. Pesquisei bastante sobre as opções disponíveis e achei essa aqui a melhor coletânea.

7.  A casa sonolenta

a casa sonolenta

Mais voltado para os menores, a história de Audrey Wood faz parte da coleção Abracadabra, que tem alguns dos melhores livros infantis pequenas, de até 6 anos. Colorida e bem ilustrada, a obra tem enredo acumulativo e tom sonolento, perfeita para ser lida para os menores antes de dormir. Você encontra o livro em um bom preço nesse link.

8.  O menino do dedo verde

o menino do dedo verde

A história de Tistu, o menino que não consegue ficar na escola por “ser especial” e que com o seu dedo verde faz crescer flores em canhões traz um final sensível e surpreendente, o que faz dele um dos melhores livros infantis de de 6 a 12 anos. A obra de Maurice Druon consegue provocar reflexões nos pequenos sem deixar a magia e o encantamento de lado. Por ser um livro bem popular você o encontra em várias lojas, mas o melhor preço eu vi aqui.

9.   O sítio do seu Lobato

o sítio do seu lobato

Indicado para crianças de até 8 anos, O Sítio do seu Lobato é um daqueles livros capazes de fisgar até os menos interessados por literatura. Um dos melhores livros infantis para crianças criativas, a obra faz os pequenos sonharem acordados ao mostrar porcos que voam e ovelhas que praticam esqui aquático. Com enredo simples e cativante, é uma excelente pedida para a hora de dormir. Este livro está em promoção na loja online da Amazon.

10.  Pocotó

pocotó

Esse livrinho jamais poderia ficar de fora da minha lista de melhores livros infantis porque ele cumpre sua função de divertir os pequenos sem ser pretensioso. A história do cavalo Trovão, que sonha em trabalhar na Guarda Real, mas acaba selecionado para ser bichinho de estimação da princesa Pipoca, costuma fazer o maior sucesso entre as crianças de até 6 anos. Você encontra ele nesse link.

E então, o que achou da minha lista com os melhores livros infantis para crianças de todas as idades? Se você gostou, compartilhe agora mesmo nas suas redes sociais para inspirar outras mães!

Aproveite também para deixar nos comentários as suas sugestões de leituras para os pequenos. Assim, podemos abastecer constantemente as nossas listinhas!

Bjs!  ;)

Categorias Literatura Infantil

Literatura Infantil: O que é e Sua Importância

Mesmo sabendo que não há como evitar e que cedo ou tarde a internet,  a TV e outras atividades acabam por ocupar uma parte do dia da criançada, os livros de literatura infantil brasileira sempre tiveram um espaço de destaque aqui em casa.

literatura infantilSabe aquela história de que é de pequeno que se cria o hábito? Eu acredito tanto nisso que para mim sempre foi uma prioridade buscar títulos interessantes para apresentar para a Juju e para o Pedro.

Mais do que uma maneira de entreter as crianças quando elas estão super agitadas ou de ajudá-las a pegar no sono no fim do dia, a literatura infanto juvenil brasileira exerce um papel muito importante no desenvolvimento dos pequenos.

A importância da literatura infantil

Isso porque além de estimular o hábito da leitura, essencial para que eles tenham uma formação sólida, a literatura infanto juvenil contribui positivamente para o desenvolvimento cognitivo e emocional dos pequenos.

É por meio das histórias que eles têm oportunidade de ter um primeiro contato com novas culturas, situações e pontos de vista e aprendem a expressar melhor suas próprias emoções e ideias.

Como é comum que a crianças se coloquem no lugar dos personagens, a literatura infanto juvenil pode servir como um excelente gancho para conversar sobre assuntos ou sentimentos que elas ainda não são capazes de elaborar completamente ou não se sintam à vontade para falar em outro contexto.

literatura para crianças

Além de facilitar o processo de compreensão do mundo à sua volta, a literatura infantil ainda ajuda no desenvolvimento da criatividade e melhora a capacidade da criançada de organizar e reter informações.

Como se não bastasse tudo isso, eu também acho uma maneira super gostosa de estreitar vínculos com os filhotes.

Pelo menos para mim, que adoro ler, sempre foi um  ótimo programa passar horas deitada no chão do quarto com o Pedro e a Juju contando histórias e ouvindo as opiniões deles sobre os personagens, o enredo, finais alternativos… Pena que eles crescem rápido e essa fase passa voando!

O que é literatura infantil?

A literatura infanto juvenil é um termo usado para designar livros dedicados às crianças, podendo ser: biografias, poemas, textos folclóricos, histórias de ficção, desde que, estejam adequados à idade do leitor ou ouvinte.

Sempre que eu falo desse meu entusiasmo pelo assunto, alguma leitora pergunta sobre o que é literatura infantil brasileira “de verdade” — e o que não encaixa muito nessa classificação.

Acho que isso acontece porque muitas vezes a expressão parece associada  às aulas de literatura que a gente tinha na escola, e dá a impressão de que é preciso ler Machado de Assis para os pequenos rs.

Os menores adoram aqueles super coloridos, que têm histórias curtinhas e muitas figuras coloridas. Conforme eles vão crescendo e a capacidade de concentração aumentando, dá para apostar em textos maiores e com menos figuras.

literatura para meninasAssim, mais acostumados, eles chegam à adolescência sem torcer o nariz para histórias mais complexas e sem fotos — assim, quando a escola pedir para ler aqueles clássicos com linguagem mais formal, não é aquele drama.

Para chegar lá, lembre-se da importância da literatura infantil com títulos que sejam divertidos e despertem a curiosidade. Resumindo: livros de literatura infanto juvenil só não podem ser monótonos!

Pensando em ajudar as mães que estão em busca de sugestões, fiz essa listinha com alguns livros de literatura infantil brasileira que costumam agradar até os menos interessados nesse universo. Dá uma olhada!

Literatura infantil brasileira

Se você está em dúvida de por onde começar, a minha dica é priorizar os autores nacionais. Histórias conectadas à realidade e a cultura dos pequenos ajudam a criar uma identificação importante com a literatura infantil para quem ainda não tem o hábito da leitura e costumam despertar o interesse mais facilmente. Algumas opções:

A bolsa amarela

a bolsa amarela

A obra de Lygia Bojunga é composta por livros de literatura infantil brasileira que vem agradando diversas gerações  (eu mesma li quando estava no colégio e vivia procurando novidades na biblioteca, vocês também?).

A trama conta a história de Raquel, uma menina que deseja crescer e tornar-se escritora. Criativa, ela encontra em uma antiga bolsa amarela de sua tia o suporte ideal para externar esses desejos e contar histórias que são uma mistura encantadora de realidade e faz de conta.

 

A bruxinha atrapalhada

A bruxinha atrapalhada

Perfeito para crianças menores, o livro de literatura infantil escrito por Eva Furnari usa somente imagens para apresentar uma bruxa que quer realizar seus desejos com uma varinha mágica, mas acaba mesmo é cometendo divertidas trapalhadas.

Composto por 10 histórias — algumas com final feliz e outras nem tanto —, a obra também abre espaço para que a criançada crie seus próprios enredos e conclusões.

Bastante premiado, o livro infantil costuma ser recomendado por especialistas em educação para crianças que vão iniciar o processo de alfabetização.

Chapeuzinho amarelo

chapeuzinho amarelo

O livro de literatura infantil escrito por Chico Buarque (sim, o cantor e compositor!) conta a história de uma menina com tanto medo da realidade que não brinca, não come, não dorme e chega a ficar “amarelada de medo”.

Um dia, ela resolve enfrentar o Lobo e assim começa a superar suas fobias e reencontrar o prazer nas coisas simples. Sensível e engraçado, a trama também é um ótimo ponto de partida para conversar com pequenos sobre medos e inseguranças.

Literatura de cordel infantil

Um dos gêneros literários mais tradicionais da cultura brasileira, especialmente da região nordeste do país, a literatura de cordel tem sua origem no século XVI, quando o Renascimento tornou a impressão dos relatos orais um hábito comum.

O nome surgiu na maneira como esses versos eram colocados à venda, geralmente pendurados em cordéis ou barbantes. Além de ser uma maneira de iniciar os pequenos em um gênero com contornos tão brasileiros, os livros podem ser lidos acompanhados de violão ou declamados, o que certamente vai garantir momentos de muita diversão.

 

Alice no país das maravilhas em cordel

Embora seja possível encontrar diversas adaptações de clássicos para a literatura de cordel infantil Alice no país das maravilhas em cordel— além de ótimas histórias originais —, o livro de João Gomes de Sá é um dos meus favoritos.

Perfeito para crianças maiores, a partir dos 10 anos, a obra mistura o texto clássico de Lewis Carrol com referências bem brasileiras. As aventuras em  castelos de rapaduras, rios de leite e montanhas de goiabada fazem a imaginação da criançada voar e não deixam espaço para a monotonia.

 

O quebra-nozes em cordel

Essa clássica história de Natal de Alexandre Dumas que deu origem ao ballet de Tchaikovsky serve O quebra-nozes em cordelcomo base para o cordel que a autora Mariane Bigio escreveu e que mistura sonho e realidade em um enredo encantador. A história é perfeita para ser lida para os pequenos antes de dormir e garantir que a imaginação deles ganhe asas até que o sono chegue.

 

Clássicos da literatura juvenil

Na medida em que vão crescendo as crianças passam a se interessar por histórias mais elaboradas, especialmente aquelas que estão relacionadas ao seu cotidiano ou que estão repletas de aventura.

Por outro lado, embora tenham maior capacidade de concentração, os adolescentes também se aborrecem mais fácil. Por isso, é a hora de apostar em títulos dinâmicos e com enredos movimentados e deixar para um outro momento as narrativas muito detalhadas e com histórias que demoram a engrenar. Algumas ideias:

A ilha do tesouro

A ilha do tesouro

Um clássico da literatura juvenil, o livro escrito em 1883 por Robert Louis Stevenson já foi adaptado para o teatro e para o cinema e segue agradando gerações de jovens que adoram aventuras.

A história do garoto Jim Hawkins, que leva uma vida tranquila com os pais em uma cidade do litoral da Inglaterra e acaba embarcando em um navio para buscar um tesouro prende a atenção da garotada com um enredo cheio de ação.

As aventuras de Tom Sawyer

Outro clássico da literatura juvenil, o livro narra a história de um órfão que mora com o irmão mais As aventuras de Tom Sawyerjovem na casa da tia e que vive pregando peças nos moradores da região ao lado do seu amigo, Huck Finn. Um dia, a diversão dos rapazes é interrompida por um  assassinato.

Cheia de mistério e ação, o clássico de Mark Twain é fácil de ler e costuma interessar até mesmo aqueles pré-adolescentes menos entusiasmados com a literatura.

Os meninos da rua Paulo

Os meninos da rua PauloCurto — são cerca de 70 páginas —  e de leitura leve, o livro de literatura juvenil do húngaro Ferenc Molnár agrada também os adultos ao usar as brigas de rua de garotos de Budapeste no século XIX como pano de fundo para narrar com graça e honestidade o universo dos meninos nessa fase da vida.

 

 

Os melhores livros de literatura infantil: recomendações

Além disso, eu aproveitei para fazer uma espécie de “top five” dos meus livros de literatura infantil favoritos.  São aquelas histórias que moram no meu coração e que sempre me vem à cabeça quando alguma mãe me pede uma sugestão bacana. Olha só:

1. Cinderela

Esse é o meu livro de literatura infantil favorito, talvez porque me traga lembranças da época em que a minha mãe lia pra mim. A história da garota maltratada pela madrasta que se apaixona pelo príncipe no baile real funciona super bem para crianças a partir dos 4 anos e é um clássico que jamais sai de moda.

2.  O patinho feio

O livro de Hans Christian Andersen — que conta a história de um cisne chocado em ninho de pata que sofre uma série de humilhações por não ser parecido com os demais —, é perfeito para crianças a partir dos 4 anos e uma ótima maneira de falar desde cedo com os pequenos sobre respeito ao próximo e empatia.

3.  Alice no país das maravilhas

Se você tem em casa uma criança com a criatividade a mil, dessas que passam horas brincando de inventar histórias cheias de detalhes divertidos e absurdos, não deixe de ler com ela esse que é um dos livros de literatura infanto juvenil mais importantes do mundo.

As aventuras da pequena Alice ao lado de criaturas mágicas, como o Coelho Branco e o Chapeleiro Maluco, estimulam a imaginação e funcionam também com crianças maiores, de até 12 anos.

4.  Até as princesas soltam pum

Você sempre fica um pouco incomodada com as histórias que mostram princesas que são ideais de beleza e perfeição? Então vai amar o texto de Ilan Brenman.

Um dos livros de literatura infantil brasileira que mais ajuda a desconstruir esse mito, a obra ajuda a humanizar um personagem tão presente no  imaginário da criançada.

Perfeita para crianças a partir de 3 anos, a história tem como ponto central o dia a dia de Laura, uma garotinha que está determinada a descobrir se as princesas soltam pum e fica bem surpresa quando se depara com a verdade.

5.  A menina do narizinho arrebitado

Considerado por especialistas um dos melhores livros de literatura infantil brasileira, o clássico de Monteiro Lobato apresenta personagens famosas do Sítio do Picapau Amarelo, como a curiosa menina Narizinho e a sempre cativante boneca Emília. Ótimo pretexto para relembrar da própria infância e embarcar na história com crianças de 3 a 6 anos.

Ah! Além desses, tem um outro post aqui no blog bem completo sobre os melhores livros infantis: lá, além de mais 5 livros que adoro, tem também sugestões de romances juvenis, livros de educação infantil e outras ideias para socorrer mães em momentos de pouca inspiração. Separei também 10 sugestões que livros que todas crianças DEVEM ler. Para acessar, basta CLICAR AQUI.

Espero que você tenha gostado das minhas dicas de livros de literatura infanto juvenil. Se você curtiu, compartilhe o post agora mesmo em suas redes sociais para que a gente possa falar mais sobre a importância da literatura infantil na formação dos nossos pequenos por aí!

Aproveite também para deixar nos comentários suas sugestões de livros de literatura infantil brasileira para crianças de todas as idades. É sempre ótimo trocar experiências e conhecer as novidades apresentadas por vocês!

Bjs!  ;)

Categorias Saúde, Sem categoria, Vida de Mãe

Desenvolvimento Infantil: As 5 fases de acordo com a Psicologia

psicologia-freud-piajet

Como mães amorosas estamos sempre preocupadas com o desenvolvimento de nossos filhotes, não é mesmo? Ficamos de olho em cada fase para saber se tudo está caminhando bem e se nossos grandes amores estão amadurecendo e apreendendo ao longo do tempo.

Porém, pra que possamos nos acalmar diante de cada fase precisamos saber ao certo quais fases são essas, para que assim possamos identificar o comportamento dos nossos pequenos, certo?

Pensando, nisso e buscando informação de qualidade, a mamãe aqui foi a fundo saber quais são as 5 fases do desenvolvimento infantil que nossos filhos passarão de acordo com a Psicologia. Acompanhe a leitura e perceba ao no comportamento do seu filhote em que fase ele se encontra neste momento! Vamos lá?

O desenvolvimento infantil na visão de Freud e Piaget

Antes de falar sobre as 5 fases, vamos falar dos psicólogos que as defendem. Cada um deles possui uma forma de explicar o comportamento infantil e nós vamos desvendar os dois modos.

Freud é bem conhecido por explicar que o desenvolvimento humano acontece pela evolução da psicossexualidade. Ele afirma que a sexualidade molda o comportamento humano e que isso começa desde a infância.

Piaget diz que a cognição da criança possui estágios específicos e é totalmente diferente da forma de aprendizado dos adultos. Segundo ele a criança aprende construindo e reconstruindo o seu pensamento, por meio da assimilação e acomodação das suas estruturas.

1. Fase oral ou sensório motor

Essa é considerada a primeira fase na etapa de conhecimento e aprendizado dos pequenos. Segundo Freud o bebe de 0 a 1 aninho concentra todo seu prazer no paladar. Isso fica visível né mãezinhas? Já notou que tudo que ele vê e pega leva diretamente a boca? Pois é, nesse caso Freud explica que é pela boca que a criança identifica todas as coisas. E é claro que é um momento em que a gente fica preocupadíssima, tirando tudo da mão deles!

Piaget por sua vez fala sobre o estágio sensório motor que é a fase em que a criança aprende a diferenciar os objetos externos das partes do corpo, é a parte em que ela começa a conhecer a própria coordenação motora.

2. Fase anal ou estágio simbólico

Essa fase particularmente considero engraçada ao mesmo tempo que significativa. Segundo Freud a criança começa a aprender a ir ao banheiro fazer suas necessidades. É basicamente dos 2 aninhos a 4.

Ela tem o controle agora para segurar xixi e cocô e por isso fica muito eufórica quando vai ao banheiro e faz tudo direitinho. Isso pode parecer engraçado e muito simplista, porém, neste momento Freud explica que a criança está se dando conta de que fez sua primeira “obra prima” e por isso merece atenção dos pais.

Lembra aquela frase “mãe, acabei!” ou “mãe, vem ver!”, pois é, é engraçado, mas há quem diga que repreender a criança nesse momento por nojo ou seja lá o que for pode desenvolver certos traumas. Ou seja, um “Parabéns meu amor! Fez certinho” é muito mais benéfico.

Na concepção e estudo de Piaget, a fase simbólica vai dos 2 aos 7 anos e consiste em uma centralização da criança nela mesma. É um momento mais egocêntrico, onde ela aprende mais sobre si mesma e o próprio corpo, sendo só isso que importa no momento.

3. Fase fálica ou estágio conceptual

Na fase fálica a partir da visão de Freud a criança se choca quando percebe que existem dois gêneros. Que os órgãos genitais são diferentes para meninos e meninas. Os meninos começam a achar que as meninas tiveram seus órgãos cortados e que todo mundo é anatomicamente da mesma forma.

Essa fase vai dos 4 aos 6 anos e também é conhecida por haver um apego maior dos meninos com a mãe e das meninas com o pai. Já para Piaget o estágio Conceptual é uma continuação do egocentrismo infantil, onde ela não se importa muito com o mundo e as pessoas ao redor, com um pouco de dificuldade de se colocar no lugar do outro. Algumas mães podem achar semelhanças naqueles momentos em que insistem para a criança ser gentil com adultos, emprestar brinquedos e brincar com outras crianças.

4. Fase de latência ou estágio das Operações Formais

Nesta fase a criança começa a canalizar a libido para atividades sociais. Freud diz que ela começa a moldar o ego e superego. Ela entra na escola e interação com os colegas é muito importante para ela.

É um período que vai dos 6 aos 11 anos e é uma ótima fase para desenvolver habilidades e a autoconfiança da criança. E por fim, o ultimo estágio de Piaget é esse, a “Operações Formais” que consiste em amadurecimento, criar ideias e se tornar um adulto de fato. Por isso esse período é longo pois vai dos 11 anos até a fase adulta.

5. Fase Genital no desenvolvimento infantil

Para Freud ainda não acabou. Iremos pra fase final, a fase genital. É a fase psicossexual que acontece quando ela começa a desenvolver a atração pelo sexo oposto ou pelo mesmo sexo. Freud explica que anteriormente o foco sempre foi nas necessidades individuais, agora, se as outras fases foram concluídas sem muitos problemas, neste momento ela começa a desenvolver esse querer bem para o outro. Ela começa a partir dos 11 anos e é o momento de estabelecer bases para a vida adulta.

Sei que esse assunto desperta interesse e boas conversas entre pais e psicólogos. É inegável poder perceber as fases e estágios no desenvolvimento infantil acontecendo na vida dos nos pequenos. E o que fazemos enquanto isso acontece?

A gente se prepara, reconhece e orienta o melhor que puder, pois, já dizia a velha frase que “filho não tem manual” não dá para prever certas situações, talvez uma ou outra, mas cada filho é único, assim como cada mãe. Por isso meus amores, leiam, conversem com médicos e psicólogos e no fim formem a opinião para uma educação repleta de cuidado e amor por seus filhos.

Se você se interessou pelo assunto, deixe seu comentário! Nós queremos saber o que você achou do post, das fases e desse universo tão complexo para nós e nossos filhos. Aproveita e curte a nossa página!

Categorias Vida de Mãe

Guia completo: como (e quando) lavar as roupinhas do bebê

lavar as roupas do bebe

imagem: Cloud Dust

Uma das dúvidas mais comuns que eu recebo aqui no blog é sobre como lavar as roupas do bebê. Isso porque se você for fazer uma busca na internet, vai achar muita informação desencontrada: afinal, precisa lavar tudo mesmo, até as peças novinhas? Dá para usar amaciante e deixar aquele cheirinho gostoso ou nem pensar?

Sim, são muitas dúvidas! Antes de ser mãe, eu nunca tinha parado para pensar que até para lavar as roupas do bebê eu precisaria de um passo a passo e um método. Mas acredite, é muito mais simples do que parece. Na verdade, é uma questão de hábito e com o tempo isso passa a fazer parte da nossa rotina de uma maneira que fica automático. ;)

A pele do recém-nascido é super sensível e suscetível a alergias e reações químicas das menores partículas de produtos e bactérias que possam estar presentes no tecido ou nos produtos de limpeza que você for utilizar. Por isso, é essencial tomar uma série de cuidados na hora de lavar e preparar a roupinha do bebê.

Para facilitar, fiz um passo a passo com as dúvidas mais comuns sobre o assunto:

1. Quando lavar as roupinhas?

Isto depende muito da sua disponibilidade, mas o ideal é que você esteja com tudo pronto até o sétimo mês de gestação. Afinal, a gente nunca sabe quando podem acontecer imprevistos!

Com essa data em mente, você pode definir se prefere ir lavando a medida que compra ou ganha ou se prefere acumular tudo e lavar de uma vez. Como eu disse, depende da sua disponibilidade.

Eu escolhi lavar à medida que fui comprando. Depois, pude escolher com calma quais peças eu queria que fossem comigo para a maternidade e não precisei me preocupar em lavar roupas (além, é claro, daquelas que ele foi sujando) nos primeiros 30 dias do bebê.

2. Quais peças precisam realmente ser lavadas?

Como eu disse, tem que lavar todas as peças que vão entrar em contato com a pele do bebê: macacões, meias, gorros, luvas, fraldas… Inclusive toalhas, fronhas e lençóis. Resumindo: tudo mesmo. ;)

Até mesmo aquele kit berço novinho e com ar inofensivo, que acabou de chegar da loja, pode ter acumulado poeira e ácaros por lá. É um cuidado simples, e que pode evitar uma série de desconfortos chatinhos e alergias no recém-nascido.

3. Do que eu vou precisar?

As roupas do bebê precisam ser lavadas totalmente separadas das roupas do restante da família. Isso porque, como eu já disse, a presença de qualquer resquício de sabão ou amaciante comum, ou mesmo a transferência da água “suja” das outras roupas pode causar algum tipo de reação no recém-nascido.

Para garantir a segurança na lavagem e posterior uso da roupinha pelo bebê, você vai precisar de baldes novos e exclusivos para a roupa do recém-nascido.

Parece excesso de zelo, mas os baldes antigos da casa podem conter restos de produtos como cloro, alvejantes e sabão, que podem se misturar na água da lavagem da roupa do bebê. Por isso sim, você precisa de baldes novinhos!

Dica importante e que eu gostaria que alguém tivesse me dado: para lavar roupas do bebê compre baldes de cores iguais, mas que sejam bem diferentes daqueles que você já utiliza na casa.

Tem um monte de balde azulzinho, verdinho e transparente para o dia a dia? Balde vermelhão para as roupinhas do bebê pode ser uma excelente ideia. Acredite, o pós-parto é uma loucura e se você não fizer essa diferença, é bem capaz de começar a confundir já na primeira semana. ;)

4. Preciso lavar as peças à mão?

Você não precisa lavar as roupinhas do bebê à mão, pode sim usar a máquina de lavar para isso.  No entanto, antes de começar, deixe a máquina de lavar rodar um ciclo completo apenas com água para eliminar qualquer resquício de produtos da lavagem anterior.

Pronto, máquina liberada para lavar só as roupinhas do bebê! Não se esqueça de usar o menor ciclo de lavagem ou o ciclo de roupas delicadas, para evitar esfregar demais e danificar as peças.

Afinal, as roupas não estão sujas, e só serão lavadas para ficarem livres de poeira e bactérias. Se tiver peças muito sensíveis, considere usar sacos protetores próprios para lavadoras.

Se ainda assim você preferir lavar a mão cada roupinha — cabeça de grávida tem seus mistérios e há quem ache uma verdadeira terapia — é importante não exagerar na hora de esfregar para não danificar o tecido (a ideia é só se ver livre da poeira e dos ácaros) e dar aquela caprichada extra na hora de enxaguar as peças.

Isso evita que elas fiquem endurecidas, o que pode incomodar o bebê e, principalmente, que sobre algum resquício de sabão nas peças, uma das principais causas de irritações na pele nessa fase.

Nessas horas, o nariz é um bom guia. Lavou as peças e elas ficaram com um cheiro de sabão forte demais? Geralmente isso é sinal de que o excesso de produto segue nas roupinhas, e repetir a operação não é má ideia.

Como as roupas são muito delicadas, fica complicado torcer com muita força quando se está lavando a mão. Por isso, uma boa ideia é colocar as peças mais sensíveis dentro de uma toalha de banho e torcer a toalha. Dá um trabalhinho extra, mas é muito melhor do que estragar aquela roupinha incrível que você ganhou de uma pessoa super querida, não é mesmo?

Na hora de escolher o sabão para lavar as roupinhas, fique atenta ao tipo. Ele precisa ser neutro, para minimizar qualquer risco de reação e de preferência, ser testado dermatologicamente e hipoalergênico.

A maioria das marcas de lava roupas do mercado possuem uma versão “baby”, o que facilita muito na hora de escolher. Além disso, é muito comum que as pessoas mais velhas (ou até mesmo o pediatra) indiquem o uso do sabão de coco. Aqui estão os tipos que eu usei e gostei:

sabão para roupas de bebê

O meu predileto é o Sabão de coco em pó Roma, usei nas roupas de bebê e uso até hoje. Além dele, também usei o Vida Macia, o Coquel e o sabão de coco em barra da Minuano para tirar manchas e lavagens à mão. São todos igualmente bons e não deram nenhuma reação nas crianças. As novidades do mercado são as versões OMO em pó Baby e OMO delicadas, peguei para testar pois, o Pedro é extremamente alérgico e o produto é mais barato do que o sabão em pó de coco, aprovados também!

Quem lava roupas sabe que o sabão de coco (em pó ou em barra) não é lá muito cheiroso, e por isso mesmo é recomendado para bebês e pessoas alérgicas, já que cheiros muito fortes podem desenvolver alergias também.

Mas olha, eu confesso que adoro uma roupinha bem cheirosa, especialmente a roupa de cama e as toalhas. Por isso, é bom saber que é possível usar amaciantes nas roupas de bebê sim, desde que você escolha produtos específicos para peles sensíveis e que tenham um perfume suave.

No entanto, por maior que seja a tentação nesse momento de caprichar no amaciante para deixar tudo ultra cheiroso, resista. Além de só usar produtos específicos para os bebês e para peles sensíveis, nunca ultrapasse a quantidade recomendada pelo fabricante.

Além do risco de causar problemas na pele do bebê, o excesso de amaciante cria uma espécie de película invisível sobre o tecido, que deixa a peça praticamente impermeável. E essa, definitivamente, não é uma boa ideia, especialmente se a gente for pensar em fraldas e paninhos de boca.

Lembre-se que melhor que o cheiro do amaciante, é o cheirinho de bebê que você vai sentir quanto a roupa estiver sendo usada e não exagere. <3

Se não fizer questão daquele cheirinho de amaciante nas peças, você também pode enxaguar as roupinhas com vinagre.

Além de deixar as fibras mais macias, o vinagre elimina qualquer resíduo do sabão, diminuindo as chances de que as roupinhas provoquem irritações e alergias.

Quando me falaram dessa dica, imaginei que poderia deixar algum cheirinho estranho nas peças, mas acredite, não fica. O ideal é usar o vinagre no penúltimo enxague. Use sempre 25 ml (ou meia xícara) para cada litro de água.

Estes são os amaciantes que eu testei e aprovei:

comfort puro cuidado

Quando eles eram bebês, eu usava o amaciante OLA. Ele tem um perfume bem suave e deixa a roupinha bem cheirosa e macia. O Pedro tem dermatite atópica severa (ja falei sobre isso por aqui) e por isso, até hoje tomo muito cuidado com os produtos que uso para lavar as roupas dele, conheci este lançamento da Comfort, o Puro Cuidado, estou usando e amando! Ele é especial para bebês e pessoas com peles super sensíveis, tá aprovadíssimo por aqui!

5. E na hora de secar? É preciso tomar algum cuidado especial?

Você não precisa se preocupar em secar apenas em secadora ou apenas em área coberta. A secagem pode ser feita como você sempre fez, no varal (ou máquina) que costuma usar.

Tome apenas os cuidados comuns para os tipos de tecido, como evitar a alta exposição ao sol, que pode manchar ou endurecer as peças e secar naturalmente roupinhas que não suportam secagem à máquina. Cheque sempre as etiquetas!

Ah! Se for secar na secadora, sempre deixe as peças “descansando” por duas ou três horas antes de guardar na gaveta ou no armário, para evitar que o vapor do aparelho embolore as peças.

6. Depois de lavar roupas do bebê, acabaram os cuidados?

Ainda não, mas quase! Antes de guardar, você vai precisar remover todas as etiquetas das roupinhas para evitar que o atrito incomode a pele do bebê. Lembre-se: se ele estiver com uma etiqueta incomodando, não terá como te dizer o que está acontecendo e vai chorar, chorar e chorar até você descobrir o que está acontecendo.

Além disso, o contato de alguns tipos de etiquetas pode até mesmo provocar lesões na pele super fininha do bebê, causando brotoejas e até pequenas fissuras.

Um jeito de eliminar este problema é, na hora de escolher as peças do enxoval, atentar para este detalhe na confecção da peça. Muitos fabricantes já optam por colocar as informações gravadas em locais específicos (como na gola interna) com uma tinta especial, que pode ser passada e lavada, não apaga e não causa alergias ou incômodos!

Depois de remover as etiquetas, você deve passar as roupinhas todas pelo avesso. Isso servirá para matar qualquer tipo de bactéria que ainda esteja por aí no tecido. Nessa etapa, é importante não utilizar nenhum tipo de “passa fácil”, apenas o vapor do ferro.

Ah! Se você é uma mamãe super prevenida, que vai lavar roupas do bebê muito antes do parto, guarde as peças em saquinhos plásticos ou naqueles saquinhos de TNT. Assim, você evita que elas embolorem ou peguem poeira novamente.

Pronto! Roupinhas prontas para irem para a mala da maternidade ou o armário do bebê. Veja neste post AQUI dicas para organizar o armário do bebê e AQUI uma lista de mala de maternidade  que pode te ajudar a se organizar. ;)

Quando o bebê entrar na fase das papinhas, ou quando acontecer um acidente com a fralda em dia de diarreia, é bom saber que não dá mesmo para usar o tira manchas ou alvejante comum, aquele que você costuma usar nas suas roupas. Para estes casos, também existem produtos específicos para a pele do bebê.  Eu experimentei e gostei deste aqui:

tira manchas baby

Dermatologicamente testado, hipoalergênico o Vantage tem me ajudado muito com o uniforme da escola!

7. Até que idade do bebê devo manter essa rotina?

Você pode manter este cuidado com as roupas do bebê até a idade em que for mais prático para você. No entanto, além de o sabão e o amaciante específicos serem mais caros, às vezes é muito mais rápido (e econômico) lavar toda a roupa da família de uma vez, certo?

Se você não vê a hora de fazer isso, espere pelo menos até os 24 meses do bebê antes de o expor aos produtos comuns. Quando chegar nessa fase, faça um teste. Pegue algumas peças dele e lave separado com o sabão e amaciante do resto da família. Deixe a criança usar e observe se acontece algum tipo de reação.

As reações podem ser: bolinhas avermelhadas pelo corpo, coceira, brotoejas, vermelhidão e manchas na pele. Se você notar algo deste tipo, saberá que seu bebê provavelmente tem a pele sensível e suscetível a alergias. Nesse caso, é preciso manter os cuidados com produtos específicos.

Aqui em casa, o Pedro é super alérgico, e por isso eu prefiro cuidar das roupas dele e da Catarina separadas das minhas e do marido. Isso facilita a minha vida e, como eu disse, acaba virando hábito.

Então, pra simplificar, olha o passo a passo resumido e curto:

1 – Comprar balde e produtos específicos para peles sensíveis (ou baby);

2 – Lavar todas as peças (na mão ou na máquina, se escolher lavar na máquina, lembre-se de garantir que ela esteja livre dos resíduos da lavagem anterior);

3 – Secar da maneira usual, tomando os cuidados específicos para cada tipo de tecido;

4 – Remover etiquetas;

5 – Passar pelo lado do avesso.

Lavar as roupas, passar, dobrar, guardar, organizar, deixar tudo limpinho e cheirosinho é também um gesto de amor, que começa lá na escolha dos produtos, das roupinhas, do quartinho…

Eu acredito muito que o amor está nestes pequenos gestos do dia a dia, no carinho que transferimos para cada uma das coisas que tocamos e fazemos por eles e para eles. eu tenho certeza que eles percebem isso desde os primeiros dias, sim! <3

E vocês, que outros cuidados tomam na hora de lavar as roupinhas do bebê? Divida as suas dicas e macetes com as outras mães aqui no nosso espaço! Não se esqueça também de curtir a página do Bagagem de Mãe no Facebook!

Categorias Vida de Mãe

Desodorante Infantil Caseiro com Leite de Magnésia de Phillips

desodorante infantil caseiro

Já comentei com vocês algumas vezes aqui no blog que o Pedro tem uma dermatite atópica bem severa, e a pele dele é super sensível.

Já comentei com vocês algumas vezes aqui no blog que o Joaquim tem uma dermatite atópica bem severa, e a pele dele é super sensível.

Recentemente, estive às voltas procurando por um tipo de desodorante infantil seguro para a pele dele, eficaz e não custasse super caro. E me deparei com o Leite de Magnésia de Phillips que, além de ser laxante e antiácido é super conhecido das nossas mães e avós, também tem outras mil utilidades!

A dermatite atópica faz com que a pele fique muito seca e produz muita coceira nas regiões das dobras dos braços e joelhos. O uso de qualquer desodorante comum não só pode irritar ainda mais a pele dele como o perfume pode provocar um odor diferente por causa da dermatite.

A causa exata da dermatite atópica ainda é desconhecida, mas os médicos em que eu levei o Joaquim acreditam que seja mesmo uma combinação de pele seca e irritável com um mau funcionamento no sistema imunológico do corpo. Essas são as causas mais prováveis.

Eu fui atrás para conhecer mais sobre o assunto e descobri também que, a maioria dos especialistas também crê que a dermatite atópica tem base genética. Imagina? Aí, o que acontece, as causas deste tipo de eczema estão relacionadas às causas de asma e da rinite alérgica.

Porém, essa manifestação é bem variável, isso quer dizer que, nem todas as pessoas com dermatite atópica vão apresentar asma ou rinite alérgica, e nem todas as pessoas com essas doenças desenvolverão dermatite atópica. O que é importante observar é se essas doenças estão presentes na família. Se estiverem, talvez a criança possa ter a dermatite atópica, infelizmente.

Nessa minha busca por algo que resolvesse o problema eu tento incorporar a super mãe, na tentativa de fazer o melhor sempre! Por isso, descobri que não é só quem tem algum problema de pele como meu Jojo que vai gostar da receitinha que encontrei.

Algumas crianças podem apresentar um odor forte desde muito cedo, até mesmo bebês podem passar por isso. Dessa forma, sei que muitas mães, como eu, não querem passar um desodorante infantil feito de  qualquer coisa na pele dos seus pequenos né? Por isso, olha só o que eu descobri sobre o odor forte em crianças pequenas.

Primeiro, não é normal isso acontecer com seu filho ou filha antes que ele entre na puberdade, por isso, se você notou esse incomodo pode consultar o pediatra pra saber o que está acontecendo.

E em segundo, existem alguns fatores que podem provocar esse tipo de reação. Verifiquei dois deles. Um desses pode acontecer quando a criança ingere alimentos muito fortes, tipo o alho mesmo. Em grande quantidade ele pode ser expelido pelos poros.

Outra situação que pode provocar um odor mais forte em uma criança é se ela for diabética. Tendo diabetes o organismo tem dificuldade em digerir os açúcares e por isso o pequenino pode apresentar um odor forte e enjoativo.

E por fim, também há aquela doença que não é só de crianças, mas qualquer um pode ter. A hiperidrose. Acontece por causa da hiperatividade das glândulas sudoríparas. Aí acredito que o pediatra vá receitar um tratamento especial para criança.

Talvez você esteja se perguntando porque eu optei por uma receitinha caseira para o desodorante infantil? Então, como a pele do meu pequeno é sensível, por causa da dermatite, é preciso evitar os ingredientes mais agressivos, como alumínio e parabenos que aumentam as alergias cutâneas, envelhecimento precoce da pele e possível câncer de pele.

É tão nocivo que as marcas destes produtos, aos poucos estão tentando se livrar do uso de parabenos. Você já pode ver nas embalagens, algumas que dizem serem livres deste composto, o que é algo bom pra inicio de conversa. Mesmo assim, os desodorantes comuns, tanto de adulto quanto os infantis ainda possuem agentes agressivos à pele.

Ou seja, a melhor ideia foi fazer algo com produtos naturais, sabendo que resolveriam o problema de uma maneira eficiente sem agravar ainda mais a pele do Pedro né?

Contei tudo em detalhes e mostrei como usar o leite de magnésia como desodorante infantil neste vídeo aqui embaixo.

(para evitar o reload do site, clique para ir ver direto no YouTube!)

Dá um play e depois, vem me contar se você também já sabia deste “segredo” simples, barato e eficaz! ;)

Bem simples, né? Prático fácil e resolve o problema. Nada de gastar horrores com produtos caríssimos, agora que posso fazer esse desodorante infantil sempre que precisar.  Quis mostrar e contar todos os detalhes porque sei que alguma mãe pode estar desesperada com algum tipo de problema desses que citei, por isso eu ando super feliz com estas descobertas naturebas e tô sempre compartilhando tudo que encontro de mais bacana!

Quem tiver mais dicas e ideias com o leite de magnésia ou até mesmo outras receitas, testadas e comprovadas, chega aqui nos comentários ou nos comentários lá do Facebook! Quero muito saber novas dicas e compartilhar ideias com vocês!

Bjs! ;)

Categorias Receitas

Como fazer bolo Kit Kat

Se você andou zapeando as redes sociais e sites de festas por aí, já deve ter se deparado com o famoso bolo Kit Kat.

Com uma montagem super simples, ele pode decorar qualquer tema de festa e não exige muita habilidade na cozinha (ebaaaa! rs). Eu usei a receita para fazer o bolo do aniversário da Juju e virei fã, então achei que seria uma boa deixar um passo a passo aqui para quem quiser tentar também.

Aprenda a fazer o famoso bolo Kit Kat passo a passo

Para fazer um bolo Kit Kat você vai precisar de:

  • bolo pronto do sabor que você preferir (chocolate, cenoura, laranja, baunilha, banana e etc), redondo;

  • pacotes de Kit Kat suficientes para cercar o bolo;

  • ganache de chocolate em quantidade suficiente para cobrir o bolo e “grudar” o Kit Kat;

  • confeitos de chocolate, que podem ser M&Ms ou Confetti;

  • fita de cetim para enfeitar.

Primeiro passo

Asse o bolo que você escolheu da maneira que você sempre faz, não tem segredo! Só precisa ser um bolo redondo sem furo no meio. Desenforme o bolo e reserve.

Se você adora cozinhar e é capaz de fazer bolo de chocolate de olhos fechados, mas está sempre em busca de uma receitinha nova, vai adorar essa que eu encontrei no blog The Cookie Shop. Apesar de não levar nenhum ingrediente muito diferente, ela se destaca por ser levinha e macia.

bolo kit kat

Você vai precisar de:

  • 3 xícaras de farinha de trigo;

  • 1 e 1/2 xícara de chocolate em pó;

  • 1 e 1/2 colher de sopa de fermento em pó;

  • 2 e 1/2 xícaras de açúcar;

  • 6 ovos;

  • 1 e 1/4 xícara de óleo;

  • 1 e 1/4 xícara de leite.

Unte duas formas redondas de 20 cm com manteiga e chocolate em pó e reserve. Antes de começar a receita, já deixe o forno ligado, preaquecendo a 180 graus.

Em uma tigela grande, misture a farinha de trigo, o chocolate em pó e o fermento. Reserve. Em outra, misture o leite e o óleo e reserve também. Bata os ovos com a açúcar na batedeira até que a mistura fique bem clarinha e dobre de volume.

Quando chegar nessa fase, acrescente aos poucos a mistura de leite e óleo e por fim os ingredientes secos, sem parar de bater. Distribua a massa nas duas assadeiras e leve ao forno por mais ou menos 30 minutos.

Como os fornos costumam ter temperaturas e regulagens um pouco diferentes, a melhor maneira de saber se já está na hora de retirar é fazendo o bom e velho teste do palito. Espete um palito de madeira na massa: se ele sair limpinho, seu bolo já está pronto!

Para evitar que a massa quebre, deixe esfriar completamente antes de tentar desenformar para iniciar a montagem, ok?

Segundo passo

Enquanto o bolo esfria, faça a ganache de chocolate para a cobertura e recheio. Se você não sabe fazer uma ganache, aqui vai uma receita “express”:

  • 2 barras de chocolate para culinária (aquelas barras grandes e grossas, sabe?)

  • 2 latas de creme de leite

Pique o chocolate e coloque em um pote. Aqueça o creme de leite em fogo baixo e vá colocando o chocolate e mexendo. O creme de leite quente deverá derreter o chocolate aos poucos, por isso não pare de mexer para não grudar nem empelotar. Desligue o fogo e continue mexendo até ter um creme liso. Reserve.

Terceiro passo

Se você também vai rechear o bolo, corte ele ao meio e espalhe a ganache. Recoloque a parte de cima e cubra o bolo todo (centro e laterais) com a ganache ainda quente, assim fica mais fácil de espalhar sem quebrar o bolo.

Dica: eu uso a espátula de silicone porque facilita muito para espalhar a cobertura, mas como sou muito atrapalhada para cortar o bolo ao meio e rechear, prefiro fazer dois bolos baixinhos e colocar um em cima do outro.

Quarto passo

Solte as barrinhas de Kit Kat e vá “colando” nas laterais do bolo. O ideal é que o bolo tenha ficado um pouco mais baixo do que as barrinhas, para que os confeitos que você ainda vai colocar fiquem mais ou menos na mesma altura. Se não tiver ficado, cuidado na hora de colocar o confeitos.

Quinto passo

Coloque os confeitos escolhidos na parte de cima do bolo, passe a fita de cetim para decorar e pronto!

Para facilitar, olha uma foto do passo a passo:

bolo kit kat parede.com Lori Lange

Este bolo eu achei no Pinterest e quem fez foi a Lori Lange!

Dicas extras para facilitar a sua vida

Eu sou fã do bolo Kit Kat porque mesmo quem tem habilidade zero na cozinha (acontece nas melhores famílias! rs) consegue fazer verdadeiras obras primas usando essa técnica.

Se pra você não rola nem mesmo fazer o bolo de caixinha, sem problemas! Dá para usar aquele pão de ló comprado pronto que também que fica uma delícia! Nesse caso, pode ser uma boa ideia umedecer a massa com um pouquinho de leite, suco de laranja ou mesmo com uma misturinha de água, essência de baunilha e um pouquinho de açúcar para garantir que ele esteja molhadinho na hora de cortar.

Caso a ideia seja não sujar nenhuma panela mesmo, você pode ainda improvisar com recheios comprados prontos, como  brigadeiro ou doce de leite com morangos picados e focar só na montagem. Pessoalmente, eu prefiro a ganache feita em casa, que fica uma delícia e é bem simples de fazer, mas depende da sua pressa!

O bolo Kit Kat é tão versátil que nem o próprio Kit Kat é insubstituível! rs Quando eu fiz a minha experiência para o aniversário da Juju, não consegui encontrar o chocolate e usei barras de chocolate Hersheys. Fiquei apreensiva, mas deu super certo, olha só:

bolo kit kat branca de neve

Este fui eu quem fiz! Usei chocolate Hersheys ao leite e M&Ms e decorei com a Branca de Neve

O legal deste bolo é que você pode usar para qualquer festa, com qualquer tema! Basta acrescentar a decoração ou as cores que estejam de acordo e pronto!

Olha só quantas idéias bacanas usando o bolo Kit Kat:

bolo kit kat mega colorido

Aqui a versão mais tradicional com uma fita super colorida! Dá pra fazer assim para festas com tema Circo, Jardim, Detona Ralph e etc.. Este veio do Pinterest!

bolo kit kat capitão america

Aqui os M&Ms foram selecionados e dispostos para formar o escudo do Capitão América! Imagem: PInterest

bolo kit kat porquinho twopointfivekids.com

Aqui, ao invés de colocar confeitos, apenas a ganache com porquinhos de biscuit. Bolo lindo para uma festa com tema fazendinha! Esta idéia é do blog kidstwopointfive.com

bolo Kit Kat Bagagem

Nesta versão que a gente já mostrou por aqui para a festa Yellow Submarine, foram utilizados Kit Kats brancos e M&Ms alinhadinhos! Bolo lindo!!

Agora você também já pode soltar a imaginação e deixar a festa do filhote linda e com cara de que deu “o maior trabalho” rsrsrs.

Se ainda sobrou alguma dúvida sobre a montagem do bolo de aniversário, eu deixei no final do post um tutorial bem didático para que você possa ver “na prática” o que você já leu por aqui (e de quebra ainda tem algumas outras ideias de recheio e cobertura)

Este ano, para a festa de Harry Potter do Pedro, estou pensando em um bolo bem bacana usando a mesma técnica, depois eu mostro!

E você, já tentou fazer o bolo Kit Kat em casa? Faltou alguma coisa na receita? Tem alguma dica para dar? Comente aqui e curta nossa página no Facebook!

Bjs ;)

Categorias

Como usar o Colikids? Funciona? Tire suas dúvidas!

Dá sempre uma sensação terrível de impotência ouvir o bebê gritar de cólica e não conseguir fazer nada para aliviar aquele desconforto. Ao mesmo tempo, rola uma pontada de culpa e medo — sim, cabeça de mãe é uma confusão — só de pensar em medicar um recém-nascido.

Por isso, é bem comum que as mães, especialmente as de primeira viagem, fiquem com aquele sentimento de “Deus me livre, mas quem me dera” ao ouvir falar de remédios que ajudam a minimizar as cólicas, como o Colikids.

Aqui em casa, eu tive duas experiências bem diferentes quando o assunto são as temidas cólicas. O Pedro não teve nem mesmo uma vez, já a Juju… minha filha tinha cólicas terríveis, que não deram trégua até os 4 meses e foram responsáveis por muitos momentos de pura aflição.

Se você der uma olhada nesse post AQUI, vai ver que eu já disse uma vez que os remédios disponíveis no mercado atuam somente como paliativos, já que o desconforto nada mais é que um processo normal de amadurecimento do sistema digestivo do bebê.

No entanto, como o Colikids tem lactobacilos que atuam justamente no equilíbrio e fortalecimento da flora intestinal do recém-nascido e não é um composto químico cujo o objetivo é aliviar as dores, achei que valia a pena fazer um post para explicar um pouco melhor o assunto. Vamos lá:

Afinal, o que é o Colikids?

colikidsRelativamente recente no Brasil, já que só começou a ser vendido por aqui em 2014, o Colikids é um composto feito a base de probióticos, espécie de bactérias “do bem” que   vivem no intestino e ajudam a melhorar a saúde do corpo.

No caso específico desse medicamento, o probiótico utilizado na formulação é o Lactobacillus Reuteri DSM 17938, microrganismo que também está presente no leite materno e que, uma vez integrado ao sistema digestivo, ajuda a fortalecer a flora intestinal dos bebês.

Por se tratar de um medicamento à base de probióticos que, como eu já disse, existem naturalmente no leite materno, o Colikids não oferece nenhum risco em potencial de prejudicar o delicado sistema digestivo dos bebês e é considerado bastante seguro para eles.

No entanto, mãe é mãe, e eu sempre vou achar automedicação um risco que não vale a pena ser corrido. Por isso, se você quiser experimentar no seu bebê, converse antes com o pediatra e veja o que ele acha da ideia. E se você ainda não “encaixou” legal com um, tem um post AQUI para ajudar você a escolher.

E funciona?

Entenda bem: como tudo nessa vida, depende. Isso porque, como eu já disse, diferente das medicações habituais para cólicas dos bebês, como o Colic Calm ou o Luftal, ele não tem efeito paliativo.

Então se a ideia é usar o medicamento naquele momento de desespero, quando o bebê está berrando e você não sabe o que fazer, não funciona, já que a função dele não é aliviar as cólicas, mas fortalecer a flora intestinal e evitar que elas reapareçam no futuro .

Em geral, o probiótico costuma levar entre 7 e 20 dias para fazer efeito, mas como toda mãe bem sabe, cada criança é única e pode reagir de maneira diferente ao tratamento. Tem muitas mães que relatam que em 10 dias as cólicas já dão uma boa amenizada e em 15 dias o problema praticamente desaparece. Outras, não têm essa mesma sorte. Na dúvida, só testando mesmo.

Uma coisa que é importante saber é que as chances de sucesso são maiores se o seu bebê se alimentar com fórmula, já que ele passará a receber os lactobacilos que estão presentes no leite materno. No entanto, isso não quer dizer que eles não funcionam com mamães que amamentam, ok?

Quanto devo dar para o bebê?

É o tal negócio: como você sempre deve conversar direitinho com o pediatra ANTES de testar o medicamento no seu recém-nascido, ele provavelmente vai te orientar sobre a dosagem correta.

Em geral, são indicadas 5 gotas por dia, e o melhor é sempre misturar no leite ou em outras bebidas que estejam em temperatura ambiente. Nunca coloque o probiótico em bebidas quentes, já que elas podem danificar as bactérias presentes no composto.

Dica importante: como o remédio acaba fazendo com que o bebê faça cocô em algumas horas, o ideal é misturar com alguma mamadeira da manhã ou do início da tarde. Deixar para fazer isso mais à noite é pedir para acordar uma vez extra pra troca de fralda. ;)

Tem que ter algum cuidado especial para armazenar?

Não dá pra esquecer que o principal componente do probiótico são lactobacilos vivos que, se não preservados, não farão qualquer efeito na flora intestinal dos bebês. Então, guarde sempre na geladeira para garantir que eles chegarão intactos no intestino dos pequenos.

Ops, exagerei na dose, e agora?

Ainda que seja um produto natural, sem potencial de causar riscos à saúde do seu bebê, superdosagem é assunto sério, que precisa ser examinado pelo pediatra.

Por isso, se por algum motivo qualquer você acabou exagerando na dose, fique calma e vá direto para o pronto-socorro com o pequeno, sempre levando a embalagem com você.

Não faça nenhuma tentativa de provocar o vômito e nem dê água ou leite para tentar contornar a situação, ok?

Uma coisa que poucas mães sabem é que você também pode ligar para o Ceatox, o Centro de Assistência Toxicológica do Hospital das Clínicas de São Paulo,  no número 0800 148 110, de qualquer cidade do país.

A ligação é gratuita e a equipe é treinada para orientar sobre o que fazer em caso de intoxicação provocada por qualquer tipo de produto, de medicamentos a material de limpeza.

Eu sempre fui paranoica com essas coisas e nunca passei por nada de grave, mas acidentes domésticos acontecem e é sempre bom ter o número à mão, não é?

Existem casos em que o probiótico não é indicado?

Como eu já disse aqui, o produto costuma ser bastante seguro, já que esses lactobacilos estão presentes naturalmente no leite materno.

Mas pode acontecer (em se tratando de maternidade, tudo pode acontecer, não se esqueça) de o seu bebê ter uma alergia ao Lactobacillus Reuteri. Nesse caso, não vai rolar de usar o probiótico mesmo. Portanto, nunca é demais repetir: converse sempre com o seu pediatra antes.

O que mais dá para fazer para evitar a cólica dos bebês?

A cólica dos bebês é uma espécie de mal necessário, já que trata-se de um processo normal de amadurecimento da flora intestinal do recém-nascido.

Por isso, chás, remédios homeopáticos como o Colic Calm, ou para gases, como o Luftal, até podem aliviar os sintomas, mas são realmente paliativos, ou seja, aliviam aquele desespero e choro agudo aqui, para que ele reapareça logo ali na frente.

Quando o sistema digestivo do bebê estiver realmente fortalecido, o que acontece em geral, lá pelo terceiro mês (ou no quarto, como foi comigo), ela vai embora e a paz volta a reinar (ou ao menos aquela agonia de ver o bebê gritando de dor some).

Para mim, ainda não inventaram remédio melhor para cólica dos bebês que colinho de mãe. Aqui em casa sempre foi assim: quando a Juju começava a chorar de cólica, eu colocava ela na minha barriga, e enchia de carinho: apesar de cansativo, nunca teve solução mais eficiente e eu confesso que morro de saudades dessa época. <3

Gostou de saber um pouco mais sobre o Colikids? Então compartilha o texto nas suas redes sociais para que outras mães possam saber mais sobre o tema! :)

 

Categorias Decoração

Idéias para uma festa com o tema Circo #CircodaJuju

Este ano a Juju me surpreendeu mais uma vez, mudou de ideia com relação ao tema da festa de aniversário dela (como sempre! rs) e ao invés de trocar uma princesa por outra, decidiu que queria comemorar seus 6 aninhos com festa tema circo!

Fiquei surpresa com a escolha dela pois, ela sempre fez mais o tipo superfeminina, delicada e romântica, sabe? E pra mim, na minha cabeça, um tema circo é muito mais despojado, alegre, colorido, descontraído…

Mas, ao mesmo tempo, fiquei feliz de a minha pequena sair um pouco deste mundinho de princesas e mais feliz ainda, de saber que ela sabe dosar tudo isso é, acima de tudo, criança! Sem preconceitos e neuras!

E como aqui em casa, as crianças sabem que, se tem uma coisa que eu amo fazer por eles e com eles, é festa de aniversário #partiu procurar ideias e inspirações para fazer uma festa linda para a minha pequena!

Antes de começar a pesquisa, eu já tinha pré-definido 3 coisas: queria uma festa vintage, delicada e sem animais! Eu vivo ensinando para as crianças que, atrações que exploram os animais são erradas, não faz sentido encher a festa dela de animais amestrados, certo?

Quero uma festa cheia de palhaços, malabaristas, mágicos, trapezistas… Uma coisa meio vintage, meio Cirque du Soleil, meio romântica… Já viram que não vai ser assim tão simples deixar a festa como eu quero, né? hehehe

Mas achei algumas ideias aqui e outras acolá, alguns fornecedores bacanas e tenho certeza que vou conseguir chegar no resultado que eu tô imaginando. Dá uma olhada nos meus achados!

Os convites

Pra começar, vamos aos convites! Vou convidar os amiguinhos a participar das festividades com um convite com tema de ingresso. O que acham? Farei eu mesma. Para isso selecionei algumas opções de ingressos interessantes.

Para uma alternativa inteligente de envelopes, vou inserir os ingressos em sacolas clássicas de papel com listras vermelhas. Listras vermelhas são o clássico de qualquer circo, não é mesmo?

As riscas vermelhas e brancas serão, evidentemente, a principal combinação de cores decorativas, mas, ao incluir outras cores vivas, como azul, verde, amarelo e rosa, a possibilidade de sobrecarga diminuirá.

O branco que estará em todo lugar servirá também para quebrar a explosão de cor e dar aos olhos uma visão fantástica.

As cores predominantes da festa

Falando em cores, não vamos fazer uma miscelânea de cores só porque é festa, né? Pra não baixar o clima e cortar a alegria as cores precisam ser vibrantes. A base, como já disse anteriormente são as listras vermelhas e brancas.

A partir daí podemos adicionar o amarelo que também é uma cor quente e vibrante, um pouco de azul, verde e rosa, como já mencionado. É preciso cuidado pra não quebrar a harmonia com tons fechados e frios como marrom, cinza, roxo, lilás, coisas desse tipo.

Dicas para as “comidinhas”

Ir ao circo não é só para ver atrações incríveis, mas também para se deliciar na comida que é oferecida! Mostrarei aos convidados uma infinidade de guloseimas de circo tradicionais, juntamente a opções mais “saudáveis”. Vou tentar agradar a todos, rs.

Segue meu cardápio circense diversificado:

  • Pirulitos coloridos, caixas de pipoca cheias, marshmallow, alcaçuz vermelho são especialmente atraentes;
  • os cachorros quentes e o centro de algumas taças com frutinhas, em um carrinho de pirâmide de tendas de circo, ficará suculento;
  • amendoins, tanto as variedades com casca como os salgados e os açucarados são obrigatórios, além de algodão doce e chicletes;
  • biscoito passatempo de bichinho ainda existe? Se tiver, vai ser uma boa opção;
  • cupcakes de “pipoca”, vi uns na internet e achei perfeito para o tema;

Roupas para festa tema circo

O circo também possui uma vestimenta própria né? Então é óbvio que a turma que me ajudará também pode se vestir assim. Imaginem! As opções são muitas, porém, o que predomina são calças largas, como as de palhaço de mesmo, ou calças curtas com suspensórios.

Gravatas borboleta, camisa branca, ou de poá! Que luxo! Muito colorido (não esquecendo de optar por predominância das cores quentes) muito vintage, e muitos chapéus! É, isso mesmo! Chapeuzinhos vão trazer aquele charme nas roupas.

Obviamente que a Juju também se vestirá de acordo, né? haha. Temos algumas opções para que ela possa escolher, e se sua festa for para um garotão, achei essas outras opções para ele arrasar no seu próprio circo. Avise aos convidados, por meio do convite, que eles podem vir a caráter, deixando-os a vontade para se vestirem ou não.

Alguns truques e ideias em geral

  • use um tubo de PVC para construir uma impressionante tenda de mesa;
  • balões são quase que uma obrigação;
  • continuando ao longo dessas linhas temáticas, recortes de sinal de recuo de circo com placa de cartaz branco cortado em formas de bilhete de grandes dimensões;
  • sinais para identificar as estações de festa diferentes;
  • não tenha medo de misturar padrões e escala, bolinhas e dois tamanhos de listras impedem que a decoração fique estagnada;
  • de formar bem caprichada vou adicionar nariz de palhaço aos canudos de papel listrado antes de pôr nos copinhos de bebida, assim, quando se coloca o canudo na boca o nariz de palhaço fica no nariz do convidado;

Entrada da festa

Estou decidida a fazer uma parede que imita uma entrada de circo, ainda não sei se vou fazer isso com tecido ou papel, mas, gostei muito destas ideias aqui:

Porém, não vamos nos prender a uma opção só, não é mesmo? Eu poderia fazer também uma cabine, tipo bilheteria para a entrada!

Adorei a moldura toda rococó com a inicial do aniversariante. Parece bem simples de fazer! As bandeirolas segurando a cortina também são uma ótima idéia!

Neste fundo, papel crepom para o formato “tenda”, tecido para a cortina, e papel listrado para o fundo. As luzinhas deixaram com ar delicado. Amei!

Este aqui era um backdrop para os convidados tirarem fotos, mas também pode ser usado atrás da mesa do bolo. Gostei da idéia de montar a “tenda” com rosetas multicoloridas e estampadas!

Mesa do Bolo

Outra coisa importante é como “vestir” a mesa! Dependendo do estilo da mesa e da festa, dá pra deixá-la “pelada” mesmo porque já fica super bacana, eu sou do tipo “menos é mais” e evito muitas saias e babados, mas gostei destas 2 idéias aqui que, dão uma cara festiva e low para a mesa:

Ideia linda usando tecido listrado e gravatas vermelhas! Bem simples e fácil de fazer em casa aliás, a mesa toda está super linda, bem no “meu jeitinho” hehehe

Esta saia de fitas multicoloridas e estampadas também é bem fácil de fazer e dá uma leveza e alegria para a festa!

Bolo

O bolo da festa precisa ser super colorido, alegre e fácil de fazer, já que eu vou colocar a mão na massa de novo, né? Apesar de achar lindos os bolos com pasta americana, a Juju não gosta (e eu também não sei fazer) e por isso, tô pensando em uma coisa mais simples, quase naked cake (ensinei AQUI).

Já fiz a experiência de usar bandeirinhas para decorar e sei que é bem simples de fazer, gostei deste aqui

Já que a festa permite se jogar em cores e estampas, estou pensando em usar muitos docinhos e papelaria colorida e estampada! Achei umas idéias bem bacanas e fáceis de fazer em casa:

Cupcakes com pirulitos coloridos como toppers! Fica parecendo balões! <3

Pirulitos de algodão doce! Estes algodões doces de pote são super simples de moldar, e com 2 cores assim, ficou mega fofo!

Forminhas de cupcake estampadas com confetes! Simples e dá um efeito visual lindo!

Adorei estas latinhas transparentes e decoradas no topo! Bem simples de fazer também!

Um cachepô vermelho, tiras de cartolina azul e botões amarelos e pronto: potinho lindo que imita a calça de palhaço! Fácil e barato!

Entretenimento Circense

E aí, vamos manter essa turminha ocupada? É claro que vamos. E para isso separei algumas brincadeiras que lembrarão o circo, e outras que já são tradicionais de festinhas de crianças, e elas adoram.

Tiro ao alvo

Sempre tem nos filmes aquele stand de tiro ao alvo onde alguém ganha um ursinho de pelúcia se acertar o tiro. Pois é, podemos montar algo fácil e prático com bolinhas de borracha coloridas e o alvo pode ser copinhos virados de cabeça para baixo em um caixote de madeira, ou alguns recortes de com alvos vazados para que a bolinha possa passar por dentro dele. O que acham? Temos outras opções mais elaboradas também, tudo depende do seu gosto.

Prendendo a cauda no burrinho

Outro jogo de festa que pode ser adaptado para se adequar ao tema de circo é o velho clássico “Prendendo a cauda no burrinho”. Aí você pode inventar né, pode fixar o nariz no Olaf, fixar a estrela no escudo do Capitão América, ou fixar ou fixar o nariz no palhaço.

A ideia é vendar o convidado e dar umas voltinhas com ele (ou não), deixando o livre para tentar fixar o acessório o mais próximo que conseguir (a gravata do papai funciona bem pra vendar).

Estátua!

Essa é outro clássico que sempre funciona nas festinhas. É outra grande brincadeira para queimar excesso de açúcar e excitação da garotada. Levar as crianças para o centro da festa tocar suas músicas favoritas, e quando a música parar, eles devem congelar.

Achamos que este jogo funciona melhor se você mantiver todos dentro de um “perímetro” e presentear, com um adesivo, ou colar de pipoca, as melhores poses. Isso impede que as crianças se afastem dos principais eventos do grupo. As crianças com mais adesivos ou colares no final ganham um prêmio.

Corrida com ovos na colher

Tradicionalmente pensado para a Páscoa, mas adequado durante todo o ano, é a corrida de ovos e colher. Uma brincadeira muito popular, tanto para os pequenos, quanto para os adultos.

Você pode deixar mais fácil ou mais difícil, depende do seu público. Pode colocar obstáculos ou não, e chamar os adultos para fazer uma rodada com eles. Ah, não esquece de cozinhar esses ovos, viu? Se algum deles cair e quebrar o cheirinho pode estragar a festa rsrs.

Mesa dos convidados

Eu realmente estou apaixonada pela facilidade e multi-utilidades das rosetas de papel! Amei esta ideia de enfeite para a mesa dos convidados, que usa as rosetas combinadas com cata-ventos coloridos!

Para dar o clima “vintage” que eu tô querendo, é tudo uma questão de detalhes, sabe? Um enfeite retrô, uma coisa mais boho e vai ficando tudo lindo! Olha estas ideias:

Amo o carrinho de pipoca na mesa, o letreiro de fundo, a roda gigante e a fonte das letras

Tô apaixonada por estas luminárias na parede, o chapéu de magico com pirulitos, os palhaços, flores…

O palhaço e os docinhos mais de perto! <3

Olha a pipoqueira aí de novo! Apesar de serem lindos estes elefantes completamente vintage, eu não usaria, mas amei a composição de cores e gosto da idéia de usar louça colorida!

perfeito: roda gigante, palhaço, molduras, bandeja…

O balde de alumínio cheio de amendoins e os mini baleiros com certeza deram a “pegada” vintage da festa e ainda, um efeito lindo na decor da mesa!

A fantasia

A Juju já avisou que quer se vestir de “palhacinha bailarina” então, gostei muito destas idéias aqui, com tutu de tule colorido mega fácil de fazer (já ensinei AQUI) e muita delicadeza na make!

Com tudo o que você tem em casa, uma fantasia linda assim: tutu colorido, camiseta branca, suspensório, meia estampada, tenis, luva e make suave! <3

Eu e a Juju dispensamos o laquê no cabelo (hehehe) mas o chapéu e todo o resto está muito lindo!!

Mega delicada esta apresentadora de circo!! <3

Tô simplesmente apaixonada pela explosão de cores que esta festa permite, pela mescla de estampas e por toda a alegria contagiante que ela com certeza trará!

Já estou com vários projetinhos na cabeça e, assim que eles forem saindo, eu vou postando lá no Instagram (@bagagemdemae) pra vocês acompanharem e claro, vou postando aqui os passo a passo e os “faça você mesmo”!

www.shopfesta.com.br

www.bossinha.com.br

www.ricafesta.com.br

Para alugar material de decoração (bandejas, enfeites, madeiras, banquinhos e etc.):

www.fetes.com.br

Quem souber mais lugares bacanas para pesquisar, ou tiver outras fotos e referências, me ajuda aí, comenta! Me conta o que achou de todas as dicas e se você quer conhecer outros temas de festas, dá uma olhadinha nesse cardápio de festa junina e nessa festa Frozen que temo aqui no blog! ;)

Bjs de luzes estrelares ;)

Categorias

Prateleiras para quarto: como economizar no quarto do seu filho

Na hora de pensar a decoração do quarto do filho, qual mãe não fica sonhando acordada e navegando por sites e fotos lindíssimas com ideias extremamente elaboradas e mirabolantes? Mas, se a intenção é dar aquela economizada, é melhor deixar de lado aquelas pastas surreais do Pinterest e se focar em opções mais práticas, como as prateleiras para os quartos.

Elas são ótimas escolhas porque permitem organizar vários itens, além de serem abertas (diferente dos armários), dando uma sensação de amplitude maior – o que é super bem-vindo no caso de quartos pequenos, como de apartamentos.

Aqui em casa, nós usamos bastante as prateleiras e nichos e como elas estão em alta, resolvi montar este post bem bacana dando todas as dicas para você deixar o quarto do seu filho com uma decoração interessante, sem ficar com o bolso vazio (e nem descabelada de preocupação)!

Planeje antes

Se a ideia é economizar, você precisa conter os impulsos consumistas (ou seja, deixar de fazer “aloka” comprando tudo que vê pela frente, hehehe). A dica é planejar antes onde as prateleiras serão instaladas, qual uso elas terão, a quantidade ideal para o ambiente, o modelo mais indicado, etc.

Comece pelo básico: meça o quarto do seu filho e preste atenção aos móveis. Analise as paredes onde as prateleiras podem ser usadas e meça o tamanho disponível para elas.

Saiba também o que você irá organizar nessas prateleiras, como livros, brinquedos, fotografias, etc. Esse é um ponto importante porque muitos modelos têm limite de peso – e você não quer que a prateleira despenque no meio da noite, colocando em risco a segurança do seu filho, não é mesmo?

Se você for colocar objetos mais pesados (como os livros, por exemplo), vale à pena ficar atenta também a forma de instalação. Alguns modelos são mais reforçados, com mão francesa, e podem ser mais indicados para suportar cargas mais altas.

A profundidade é outro dado super importante. Se você vai colocar sobre as prateleiras apenas objetos de decoração, opte por modelos com no máximo 20 cm de profundidade (para não sobrecarregar o ambiente sem necessidade). Já no caso de uso para eletrônicos, como videogames, prefira os modelos com, no mínimo, 30 cm de profundidade.

Somente depois de ter todas essas informações, é que você poderá começar a pesquisar os modelos e os preços, evitando comprar itens que não terão uso.

Preste atenção aos móveis

Ambientes pequenos precisam de um cuidado redobrado no planejamento. Ainda que as prateleiras “pesem” menos visualmente do que os armários, por serem mais abertas, elas ainda podem deixar o quarto com um aspecto sufocante, se forem usadas em excesso.

Então, tente balancear a sua decoração. Ou seja, preste atenção na quantidade de móveis do quarto, onde eles estão dispostos e no espaço que existe livre para a circulação. Não conseguir passar em um trecho do quarto por ficar batendo a cabeça ou espetando o braço nas prateleiras é algo horrível (e você não quer passar por isso, certo?).

Cuidado com a altura

Onde posicionar esses itens é outro cuidado. O seu filho terá acesso aos objetos colocados nas prateleiras ou eles são apenas decorativos? Essa informação é crucial para definir a altura.

Por exemplo, caso a ideia seja montar um cantinho do quarto destinado à leitura, com os principais livros dos seus filhos, você não pode colocar as prateleiras extremamente altas. Afinal, isso vai dificultar para que as crianças interajam com os livros, tornando o ambiente sem graça e sem uso (e fazendo você jogar dinheiro fora).

Agora, se você quer que as prateleiras funcionem apenas como itens decorativos e vai colocar uma luminária, um abajur ou até um daqueles letreiros com o nome da criança (que são muito fofos <3), o ideal é que ela não consiga alcançar esses objetos (evitando que eles se quebrem e que aconteça algum acidente).

Opte por versões multifuncionais

prateleiras para quartosPensou que as prateleiras para quarto serviam apenas para colocar itens na parte superior? Pensou errado, rá! Hoje já existem versões super legais com ganchos na parte debaixo.

Essas prateleiras permitem que você adicione outros itens pendurados, como bolsas e mochilas, favorecendo a organização. É possível ainda incluir um cabideiro na parte debaixo da prateleira e você poderá pendurar casacos, blusas, etc. Não é bacana?

Pense na segurança

Na hora de economizar, muitos papais acabam escolhendo os modelos mais baratos. Cuidado! Isso pode colocar em risco a segurança do seu filho, com prateleiras despregando da parede ou suportando menos peso do que o indicado no manual.

Não faça economias sem sentido. Opte por materiais de qualidade, com instalação reforçada e com certificado de segurança. Fique atento ainda às quinas das prateleiras, principalmente se elas forem instaladas em uma altura próxima à cabeça das crianças.

Se houver quinas pontiagudas, durante as brincadeiras ou até no dia a dia, as prateleiras podem ocasionar acidentes bem graves. Por isso prefira aquelas mais arredondadas nas laterais.

Nichos também são bacanas

Quer dar uma variada e evitar aquela parede maçante e cheia de prateleiras para quarto? Vá de nichos! Eles são super fofos, permitem organizar vários objetos e ainda dão um “up” na sua decoração.

Você pode montar um esquema com prateleiras e nichos ou fazer uma parede apenas com nichos, colocados em alturas diferentes.

Brinque com as cores

prateleiras para quartosPara dar destaque na parede onde as prateleiras ou os nichos ficarão, nada melhor do que um pouco de cor ou de estampa. Como esses itens são vazados, você poderá optar por colocá-los em apenas uma parede e usar um tom diferente das demais ou até um papel de parede.

Sem gastar muito, é possível transformar totalmente a decoração, e ainda deixar o ambiente mais divertido. Os papéis de parede, por exemplo, podem ter estampas escolhidas pela criança, como super-heróis, ursinhos, arco-íris, unicórnios, etc.

Só tome cuidado para não escolher uma cor ou uma estampa muito infantil. Porque conforme o seu filho for crescendo, você terá que investir em uma nova pintura para se adequar a idade dele (e aumentar os gastos e o trabalho). Assim, tente escolher uma ideia que “dure” mais tempo.

Caso o quarto seja todo branco, você poderá investir em prateleiras coloridas, criando pontos focais bem bacanas e tornando a decoração mais aconchegante e divertida.

Prateleiras embutidas

Na hora de unir beleza e funcionalidade, as prateleiras embutidas são ideias bem originais. Normalmente, essas peças costumam vir acima da cama e contam com uma estrutura em gesso, dando um ar mais “classudo” à decoração.

Você poderá usar essa ideia para organizar os brinquedos que seu filho mais usa ou até para incluir alguns objetos de decoração.

Faça você mesmo

Nada melhor para economizar com as prateleiras para quarto do que colocar a mão na massa e soltar seu espírito de artesã! Na internet, é possível encontrar uma infinidade de tutoriais que ensinam a fazer modelos diferentes de prateleiras.

Dependendo do seu grau de habilidade manual, é possível produzir itens personalizados para o quarto do seu filho, gastando bem pouco. Existem ideias de modelos com cordas, reaproveitando pallets e até com caixas de madeira (daquelas usadas para transportar frutas ou outros produtos nas feiras).

O resultado é uma decoração personalizada, mais rústica e que não pesa no seu bolso. Nada mal, não é mesmo? Mas é claro que você precisa ter um pouco de familiaridade com lixas, furadeiras, verniz e tintas. Caso contrário o resultado poderá não ser assim tão bacana.

Aposte em formatos inusitados

prateleiras para quartosAlém das prateleiras tradicionais, existem formatos bem diferentes e que ajudam a compor um visual único para o quarto (e além disso permitem organizar outros tipos de objetos).

As prateleiras menores e mais inclinadas podem ser usadas para organizar os sapatos das crianças, já os modelos em V ficam ótimos para os livros e para a área de estudos. Ainda existem versões em zig-zag e até transparentes.

Depois de ler essas dicas, já deu para notar que as prateleiras para quarto são ideias muito legais para dar um “up” na decoração, organizar melhor os objetos e acessórios e, claro, economizar, não é mesmo?

Elas são opções bem mais baratas do que os armários, podem ser compradas já prontas em lojas de materiais de construção (tipo Telha Norte, Leroy Merlin e cia) e você mesma pode fazer a instalação. Ou ainda existe a possibilidade de produzir suas próprias prateleiras e nichos, usando materiais reaproveitados.

Assim, você consegue organizar melhor o quarto do seu filho, ter uma decoração diferenciada e garantir uma graninha extra para itens de primeira prioridade!

Só, claro, não se esqueça de pesquisar bastante e comparar preços antes de comprar, ok?

Gostou das ideias que eu trouxe de prateleiras para quarto? Então me dê uma forcinha e compartilhe este post nas suas redes sociais!

Bjs! ;)

Categorias Cinema&Cultura

Foto Tumblr: sabe o que é?

foto tumblr no carro

Foi esta foto aí que eu fui tirar com a Cacá e ela disse: “olha pro lado mãe! Faz foto Tumblr!”

Oi?

Primeiro, de onde ela tirou isso? Eu sei bem o que é Tumblr, mas ela não sabe! Segundo, que diabos de expressão é essa? Agora as fotos têm um “estilo” para cada rede social??

Para digerir a minha “mini indignação”, perguntei para a Cacá se ela sabia o que era Tumblr e de onde tinha tirado esta ideia. Aqui em casa, nenhum dos meus filhos tem acesso ou perfis em redes sociais. Redes sociais são para maiores de 18 anos e eu levo isto muito a sério! (Também já discuti aqui no blog sobre o uso de celulares pelas crianças).

Cacá e Pedro – que entrou na conversa – disseram que na escola deles “todo mundo” fala isso! Que vai fazer uma selfie Tumblr, que faz foto estilo Tumblr e eles nem sabem bem o que é isso mas, de tanto ver os amigos fazerem as poses imaginárias (porque na escola deles é proibido celulares e eletrônicos), já sabiam que a característica principal desse tipo de foto era olhar pro lado e fazer carão!

Tive que rir, né? hehehe

E o pior é que, apesar de eu morrer de rir com as explicações e performances deles, fui dar uma pesquisada para ver qual era e descobri que eles estavam certos! Existe mesmo uma “moda” de foto Tumblr!

E eu faço muita foto assim sem saber!! /o\

Tumblr: o que é isso?

Mas antes de mostrar as minhas fotos nesse estilo, deixa eu dar uma breve explicação pra você que não está sabendo que raios de Tumblr é este!

O Tumblr é uma rede social, assim como o Facebook, o Instagram, o Twitter… A diferença dele é que, por lá, a galera cria “micro blogs”, há mais espaço para escrever, é possível compartilhar fotos, imagens, vídeos, links, textões…

Ele tem um formato meio de wordpress (que é este site aqui) só que simplificado! Eu estou por lá há anos, apesar de não usar muito! Se você nunca viu, nem comeu e só ouve falar, vai lá olhar o meu pra você ter uma ideia! Clica neste link AQUI!

Foto Tumblr: desvendando a gíria desconhecida

Tá, o Tumblr é uma rede social mas, como assim “foto Tumblr”?

Então, é muito complicado de entender essa parte porque, se você partir do princípio de que uma rede social não é uma pessoa e não pode definir um estilo próprio, essa coisa de foto no estilo Tumblr perde o sentido, né?

E outra coisa muito importante a se lembrar é que, o “estilo” das imagens ou conteúdos que você vai ver na sua rede social depende muito dos amigos que você tem por lá, das coisas que você compartilha e curte e da maneira como os algoritmos interpretam tudo isso e criam o seu feed, certo?

Porém, a gente sabe que a maioria das pessoas se “deixa levar” pelo o que a galera tá fazendo e postando e assim as redes sociais acabam meio que seguindo um “padrão de usuário”.

Se você parar para observar, verá que no Facebook há muito mais diálogos sobre vida pessoal, fotos de família, discussões políticas, religiosas e sobre futebol… Da mesma forma, se você entrar no Twitter, vai ver muitas frases engraçadinhas, gifs, memes, gente mal humorada, gente debochada, gente desabafando…

É quase como se cada rede social tivesse um perfil, que todos os usuários acabam seguindo. E o Tumblr se encaixa nisso!

Por lá, você vai ver muito conteúdo mais estético e “aspiracional”, fotografias lindas, ilustrações, poemas, selfies filosóficas… Eu gosto porque acho que por lá tem mais espaço para quem você é por dentro (ainda que com fotos super editadas) do que no Instagram, onde parece haver uma competição pela vida perfeita, sabe?

Como no Tumblr as fotos e conteúdos estão mais focados em inspirar do que exibir, a rede acabou por criar um “padrão” charmoso de mistério, delicadeza, sarcasmo… muito meu estilo! <3

E esta coisa de “olhar pro lado e fazer carão” como as crianças disseram, acontece porque os usuários do Tumblr querem que suas fotos sejam “misteriosas”, que mostrem pouco, que despertem curiosidade… Ou querem apenas compartilhar as cores e formas, sem foco no corpo perfeito, na comida bonita e assim por diante!

Foto Tumblr: será que sei fazer isso?!

Se você também curte este “estilo” e quer dar uma ajeitada no feed do Instagram ou nas suas fotos em geral, as regras para as fotos Tumblr são:

  • valorize expressões e cores;
  • fuja de fotos super posadas e procure ser espontânea;
  • procure novos ângulos para coisas de sempre;
  • use filtros mais “escuros” e minimalistas.

Aliás, minimalismo é o principal aqui! Veja mais dicas legais!

Use o dia a dia como inspiração

Dá pra fazer foto Tumblr de qualquer tema! Moda, comida, crianças, selfie, maquiagem, viagens…

Retrato Tumblr…

Comida Tumblr…

Moda Tumblr…

O que muda, na verdade, é o jeito que você olha para esses momentos cotidianos. Então, a dica é aproveitar os elementos do seu dia a dia para incorporar na sua fotografia.

Por exemplo: você tá deitada na cama, curtindo aquelas pouquíssimas horinhas de preguiça? Coloque uma xícara de café por perto e faça uma foto “inspiradora”, no estilo “pensando sobre a vida” ou ainda inclua um livro e faça uma foto mais intelectual.

As crianças brincando no quintal também podem ser uma inspiração muito bacana, ou ainda dando aquele banho gostoso no cachorrinho da família. Ainda está sem ideia? Deixe as crianças brincarem com o esguicho e faça alguns cliques, ou peça para eles pularem um pouco em cima da cama (além de ótimas imagens, esse momento será super divertido <3).

Fotografe a sua casa

Se você é daquelas que a-d-o-r-a uma decoração bem feita, use o cenário da sua casa para fazer uma super foto no estilo Tumblr. Sabe aquele cantinho que você ama e vive orgulhosa por ter decorado? Dê uma organizada e faça lindos cliques!

Pode ser a mini-horta caseira, as prateleiras do quarto das crianças, o cantinho da leitura e assim por diante. Para a foto ficar mais bacana, tente aproveitar a luz natural, por exemplo deixando uma janela aberta.

Invista em novas poses

Eu falei que a Cacá e o Pedro adoram ficar brincando de fazer “poses Tumblr”, né? É porque essa ideia é super essencial para esse tipo de fotografia.

Pense em ângulos diferentes ou até em posições que fogem do comum, sem aquele típico olhar para a câmera. Uma ideia muito linda e que faz sucesso é a mãe com o filho. Aproveite esses momentos de interação e faça selfies divertidas, com poses diferentes e em ângulos pouco usuais.

Use aplicativos de edição

E pra dar aquela força na edição, eis os meus aplicativos do coração.

Snapseed

Com ele você faz ajustes de luz, saturação, enquadramento, brilho, realces… Ele é gratuito e está disponível para IOS e Android. O mais bacana é que você pode incluir filtros diferentes, dando um “ar” mais sofisticado para a imagem.

Para começar a editar, é só tocar no ícone “lápis”. Lá você verá todas as possibilidades do aplicativo.

Facetune

Uso muito para corrigir a pele, para clarear manualmente partes específicas da foto, para destacar detalhes… Também para IOS e Android, é pago! Ele é um aplicativo bem versátil e mais recomendado para as fotos de perfil e selfies.

O Facetune conta com mais de 10 ferramentas de edição, você pode, por exemplo, suavizar linhas de expressão ou sardas, realçar detalhes do rosto e até alterar o formato da sua face!

VSCO Cam

O melhor aplicativo de filtros do mundo! Tem os filtros mais lindos e permite que você crie o seu próprio filtro com uma combinação de ajustes só sua! Gratuito para IOS e Android.

Esse aplicativo usa ferramentas parecidas com os de editores profissionais de imagem. Isso significa que você conseguirá adicionar mais claridade, modificar a saturação, endireitar a imagem, modificar o tom de pele e muito mais!

PicsArt

Pra fazer aquelas fotos com efeitos coloridos de luz arco-íris, brilhos, foto vintage, sobrepor imagens, incluir texto… Gratuito para baixar e com opção de compras dentro do aplicativo, disponível para IOS e Android.

Busque inspirações

 

Nada melhor para ter novas ideias do que se inspirar com o que os outros estão fazendo e inventando, não é mesmo? Use o Instagram, o Pinterest e o próprio Tumblr para encontrar ideias novas e divertidas.

Separei algumas ideias para você:

Ainda está difícil?

 

 

Separei alguns vídeos com outras dicas. Veja só:

Aqui em casa, a família toda ama fotografia e por isso, acho natural o interesse das crianças por este tipo de coisa. Fico até orgulhosa!

foto-tumblr

Este ano, a Cacá pediu de aniversário uma máquina fotográfica e ela tem feito fotos lindas e incríveis, com um olhar que é só dela. Acho muito legal as crianças se expressarem assim!

Se você também tem pré-aborrescentes ou aborrescentes que chegam em casa cheios de “gírias” e coisas que eles acham que você nunca vai saber o que é, taí!

Foto Tumblr, desmistificada!!

#mãeswin hahahaha

Me conta, o que as crianças andam dizendo por aí e que você não faz nem idéia do que se trata? Vamos descobrir juntas!

Bjs! ;)