Categorias Receitas

Pick eater: ela só come amarelo!

imagem: Pinterest

imagem: Pinterest

Aqui em casa a questão da alimentação sempre foi um problema, por mais que eu tentasse fazer tudo sempre “certinho”, a verdade é que, o Pedro e a Cacá sempre me deram um baile!

Começou com o Pedro, sempre beliscando, nunca comendo de maneira “substancial” e me deixando apavorada! Só depois de muitas consultas com pediatra, nutricionista, exames de sangue e tudo mais que eu consegui aceitar que, ele comia de pouquinho, mas várias coisas e isso era bom, ele é uma criança que topa experimentar e isso é o mais difícil de se conseguir.

Com a Cacá, as coisas são ao contrário, ela sempre foi de “bater um pratão”, desde que este pratão fosse composto apenas por: arroz + feijão! É desesperador ver esta criança recusar qualquer tipo de outra coisa: carne, frango, legumes, verduras…

Aos poucos consegui incluir nas refeições dela legumes como: batata, milho, chuchu e espinafre (a única coisa verde que ela topa) e descobri que a minha filha é uma pick eater de primeira!

Crianças pick eater são aquelas que têm preferência por cores e texturas e só comem assim, por exemplo, a Cacá só come legumes amarelos e em pedaços, ela ama batata mas, não come purê, ela não gosta da textura, ela come milho em grãos, mas não come creme de milho e por aí em diante.

Ter uma criança pick eater não é nada fácil, por mais que possa parecer ok ela amar arroz e feijão, ela precisa das vitaminas e nutrientes que só se encontra em um prato diversificado e então, por mais que eu odeie pensar que estou “enganando” a minha filha, a única forma que encontrei para fazê-la comer as outras coisas que ela precisa foi, disfarçando os alimentos ou, tornando-os lúdicos.

Já contei pra vocês neste outro post AQUI as receitas que fazem sucesso aqui em casa, todas simples, fáceis e baratas e hoje, vou contar pra vocês como eu estou disfarçando os temperos na comida. Aqui em casa eu optei pelos temperos naturais, além de serem obviamente mais saudáveis, acho importante que as crianças aprendam a reconhecer aromas e sabores e fico em pânico com o teor de sódio dos temperos prontos.

A Cacá não come nada verde ou que faça “creck” ao morder, o que praticamente todos os temperos fazem, né? Por isso, olha só os meus truques:

Disfarçando temperos:

  • Alho: eu uso muito aqui em casa o alho amassadinho in natura ou, o alho desidratado. No caso da Cacá o alho tem a vantagem de ser “branco-amarelado” mas, para evitar que ele faça “creck”, eu amasso bem amassadinho pra ela não ouvir o barulhinho.
  • Cebola: eu amooo cebola, para conseguir fazer as crianças comerem a cebola nas comidas eu ralo! Passo a cebola inteira no ralador e pronto! Quando quero sentir o sabor bem acentuado, eu faço a parte pra mim com rodelas inteiras.
  • Verdinhos: eu evito usar os verdinhos (orégano, salsinha, cebolinha) em coisas brancas, tipo, arroz, macarrão, molhos brancos e etc. Coloco apenas nas comidas onde eles ficam “camuflados” como, o feijão, molho vermelho, molho de carne e etc.

A questão dos temperos foi até relativamente fácil de resolver, mas fazê-la topar comer legumes e verduras é um pouco mais complicado…

Olha só os legumes e verduras que eu consegui fazê-la comer e como:

  • Espinafre: é o único verdinho que ela topa quando eu faço o “Espinafre do Popeye” (receita AQUI)
  • Chuchu: ela come ele refogadinho na cebola e alho amassadinhos com sal, deixo picadinho bem pequeno e molinho, na verdade, ela confunde com batata! hehehehe
  • Cenoura: ela topa se estiver raladinho e cozido junto com o “Arroz de Coelho” (receita AQUI)
  • Abobrinha: consigo fazê-la comer quando eu descasco (tirando a parte verde) e pico bem pequeninho e refogo junto com a carne moída.

Por falar em carnes, olha como eu consegui fazê-la comer algumas:

  • Carne vermelha: ela só come carne moída então, eu aproveito para colocar na carne o chuchu ou a abobrinha e deixo cozinhar bem pra ficar super molinhos. Ela também topa almôndegas e hamburguinhos caseiros (receita AQUI) quando fazemos juntas, acho que a parte de “colocar a mão na massa” desperta a vontade de comer o que ela mesma criou.
  • Carne branca: frango nunca foi um problema tão grande, como ele é “branco” ela topa comer picadinho, desfiado ou grelhadinho. Para os peixes, ela só come o Saint Peter à milaneza (receita AQUI) porque fica tudo “amarelo” e também aceita o atum no macarrão (receita AQUI) porque o molho branco disfarça a cor amarronzada dele.

Não é fácil ter que adaptar todo o cardápio da casa por causa das preferências de uma criança mas, optei por ter refeições tranquilas e sem dramas tentando contornar esta fase dela. Claro que, eu só topei isso porque tenho certeza que ela está bem: dentro da faixa de crescimento e peso adequadas, livre de anemia e qualquer outra coisa.

Descobrir se você também tem um pick eater em casa, pode te ajudar a planejar as refeições e acabar com as brigas em casa. Para descobrir isso, observe as preferências alimentares do seu filho, vá anotando o que ele recusou, o que aceitou e depois, cruze as informações. A preferencia pode ser por cor, textura, aparência…

Aqui no blog, já fizemos um post bem completinho com todas as informações sobre o que é um pick eater, se você está desconfiada, dá uma olhada AQUI.

A hora da alimentação precisa ser um momento de prazer e descobertas, mesmo disfarçando as coisas na comida dela, eu não abro mão de oferecer os alimentos coloridos e principalmente, de comer os alimentos coloridos na frente dela. Observar a família toda comendo de maneira diversificada também faz parte do aprendizado dela e é muito importante.

Tenho fé que isto é fase e, daqui a pouco ela já começa a aceitar experimentar as outras coisas, vamos lá amigas, segura na minha mão, respira fundo e mantra comigo: vai passar, vai passar, vai passar…

Bjs ;)

 

Deixe seu comentário

Comentários