Categorias Vida de Mãe

Papai Noel não existe! O ano em que contei a verdade…

Este ano contei ao Pedro e a Catarina que Papai Noel não existe! Sim, tive que fazer isso! E antes que vocês achem que eu sou uma doida detonadora de sonhos infantis, deixa eu explicar…

Nos último 3 ou 2 natais, Pedro e Cacá têm ficado cada vez mais curiosos sobre o bom velhinho e como ele faz certas coisas…

Apesar de todas as minhas “enroladas” sobre como ele entra em lareiras e em casas que não têm lareira, sobre o porquê de haverem tantos comerciais de brinquedos na TV se o Papai Noel não compra presentes e sim, fabrica em sua fábrica mágica; ou sobre como ele tem renas mágicas e mais velozes que o The Flash que conseguem entregar todos os presentes para TODAS as crianças do mundo em apenas uma noite… a verdade é que eles já estavam grandinhos e não queriam mais “se fazerem enganar”…

Quando eu escutei algumas amigas com filhos mais velhos contando como e quando haviam contado aos seus filhos que o Papai Noel não existe, eu achei aquilo um exagero!

Disse para mim mesma e para todos que quisessem ouvir que, eu jamais contaria para os meus filhos! Simplesmente porque não via necessidade disso!

Quer dizer, eu mesma não me lembro de a minha mãe ter me contado nada sobre isso! Não lembro nem quando foi que percebi que o Papai Noel não existia, pra mim estava muito claro que eu simplesmente cresci e entendi a verdade e pronto! Sem conversas longas, sem necessidade de explicações!

Mas tive que fazer ao contrário!

Além das desconfianças e da investigação C.S.I. que a Cacá estava orquestrando, havia um outro porém…

Todos os anos as crianças faziam suas cartinhas para o Papai Noel, e nas cartinhas tinha de tudo! Todo tipo de brinquedo e todo PREÇO de brinquedo!

E apesar de eu sempre explicar que, ás vezes, o Papai Noel não conseguia trazer exatamente o que estava na cartinha, porque ele tinha muitas crianças pra atender, e apesar de o Pedro e a Cacá serem crianças bem tranquilas com relação a isso e ficarem felizes com qualquer brinquedo que ganhem, a verdade é que nós como pais estávamos sempre fazendo verdadeiros sacrifícios para conseguir atender os desejos das cartinhas!

E ás vezes, estes desejos acabavam parcelados por todo o novo ano que estava chegando, ou a gente deixava de comprar coisas pra gente pra comprar o que estava na lista deles e eu percebi que isto estava muito errado!

E estava errado porque o Natal não é consumir! Porque apesar de eu viver dizendo isso, e ser super criteriosa com as compras e gastos do ano todo, me deixava levar pelo “espírito consumista do Natal” e ficava sofrendo se não conseguia realizar os desejos das crianças, sabe como é?

Além disso, esta coisa toda de “desejo de Natal” era muito mais minha do que deles! Como eu disse antes, eles sempre foram bem tranquilos com relação aos presentes e brinquedos. Sem xiliques, sem exigências…E se eles são assim todos os dias, por que não seriam no Natal?

Conversei com o marido e decidimos que contaríamos a eles A VERDADE sobre o Papai Noel, com a maior sinceridade possível e explicando que a gente manteve esta história viva porque queríamos vê-los felizes!!

Ia dar tudo certo, né? Quase…

Chamei o Pedro e a Cacá no meu quarto e disse pra eles que precisava contar uma coisa “séria”! Comecei contando a verdadeira história do Santa Klaus, um bom senhor que nasceu lá na Idade Média, há muito anos atrás e que distribuía presentes para as crianças. As pessoas acharam esta uma ótima idéia e foram copiando a idéia, se revezando entre ser o Papai Noel nas regiões onde moravam até que os pais e mães decidiram manter e repassar a tradição do bom velhinho contando a história para seus filhos e fazendo os embrulhos e entregas escondidos…

Que lindo, né? Bem fácil de entender… Só que não!

Catarina começou a chorar! Eu perguntei por que ela estava chorando e ela disse:

– Por quê você mentiu pra mim TODOS ESTES ANOS??? Por quê?? EU TE PERGUNTEI! E VOCÊ ME ENGANOU!!!

Fui pega de surpresa!!! Nunca esperei uma reação destas da minha filha e o pior, eu não tinha o que dizer! Ela estava certa! Por que eu havia mentido? Por que havia contado e perpetuado esta mentira? Por que??

Pedi desculpas! Disse que fiz isso porque era o que os pais normalmente faziam! Contavam a história de pai para filho, repassavam a tradição para manter a história viva, para ver as crianças acreditarem em magia e ficarem felizes na noite de Natal!

Do alto de seus 8 anos de idade ela me respondeu:

– Mãe, eu não preciso que você minta sobre o Papai Noel para que eu acredite em magia! Tem magia em todo lugar! E eu já ia ficar feliz sabendo que era você quem me dava um presente especial de Natal! Não precisava ser outra pessoa! Você podia só me presentear que eu já ia ficar feliz!

Então, né? Por que mesmo que a gente insiste em achar que somos nós que ensinamos alguma coisa para as crianças?? :(

Diante de tudo isso, eu apenas pedi desculpas de novo e expliquei pra ela que só queria vê-la feliz, e que eu ficava muito feliz em fazer a festa do Natal mas, que ela estava certa! Que era errado inventar uma história ainda que fosse para deixar outra pessoa feliz. Que a verdade era sempre melhor, apesar de talvez não ser tão mágica e bonita!

E o Pedro?

Ele só perguntou de novo pra ter certeza, confirmamos a verdade! Ele perguntou sobre as vezes em que ele desconfiou, confirmamos e então, ele disse que tudo bem! Que ele entendia que a gente só queria que eles ficassem felizes e que pra ele tanto faz quem dava os presentes do Natal, a única coisa que importava era que quem presenteia outro alguém faz isso com carinho e amor! Tudo certo!

Depois de tanta verdade e de tanta lição a ser aprendida com as crianças, disse a eles que podiam fazer suas cartinhas/listinhas mas, que agora que sabiam que quem comprava éramos nós, eles precisavam entender que a carta tinha que ser simples! Que não dava pra atender tudo!

Me dei bem, certo? Não!

Catarina apareceu com uma lista que continha nada menos que 31 itens!! Quando perguntei se ela estava “maluca”, ela disse que estava me dando muitas opções pra eu escolher com mais facilidade aquilo que eu pudesse comprar! ATA! :D

Enfim, neste Natal além da ceia mais simples e sem glúten por causa da minha recém descoberta intolerância, também não teremos Papai Noel e vamos trocar presentes sem o intermédio do bom velhinho!

Vou confessar que depois que contei pra eles a verdade, senti uma pontinha de dor no coração ao perceber que eles estão tão grandinhos e que a fase da infância está indo embora mais depressa do que eu gostaria!

Mas faz parte!! E a notícia boa é que sim, depois da “bronca” que eles deram em mim e no papai, eles entenderam tudo e ainda adoram o Natal, a decoração, a magia real que deixa a cidade mais bonita, as pessoas mais felizes e amorosas e é claro, as tradições da ceia e dos presentes!

No final deu tudo certo! E se eu pudesse voltar no tempo, não teria nunca insistido nesta história de Papai Noel! Teria contado a história do Santa Klaus assim como  fiz agora, e mantido a tradição de presentear e desejar boas coisas sem a necessidade de uma mentira para deixar as crianças felizes!

Se você anda na dúvida se conta ou não, o que eu posso te dizer é que de um jeito ou de outro, as crianças vão compreender que tudo o que você fez foi por amor. Mas para o seu coração, dizer a verdade deixa a gente mais leve e tratar as crianças como os seres inteligentes que são, é respeito por eles e por você também!

Afinal, como eu aprendi agorinha com a minha pequena “A magia está em todo lugar!” não precisa de mentiras e histórias inventadas, ainda que bem intencionadas!

Feliz Natal! ;)

crianças no natal

Deixe seu comentário

Comentários

4 comentários via blog

  1. Camila Simões comentou em

    Vim aqui por causa do desodorante infantil com leite de magnésia e acabei resolvendo um questão que me bateu bem ontem a noite, noite de Natal. Ano que vem não quero mais que o Miguel seja enganado, quero pro meu filho coragem, verdade e sabedoria, sei que infantilidade demais ele, pra eu me sentir melhor, puro egoísmo. Eu vou contar pra ele este ano e sei que pela inteligência dele, assim com a da Caca, eu vou levar um pelo tapa na cara, mas prefiro assim. Obrigada!! ? Camila @elescrescem

  2. Rodrigo Araujo comentou em

    Foi tão cruel contar para a Gabi que ele não existia :(

  3. Atelier Tassia Silveira comentou em

    Olá, boa tarde!
    Tudo bem?
    Adorei seu blog e o conteúdo muito interessante, vou indicar para minhas clientes!
    Beijos e um bom final de semana!

  4. Jaqueline comentou em

    Nossa que missão complicada. Apesar de toda a tecnologia e o acesso a ela e várias formas de descobrir, adoro quando as crianças ainda acreditam no bom velhinho. O meu ainda não entende isso muito bem, mas minha hora vai chegar rs. Beijos.