Categorias Vida de Mãe

O Pedro tem uma Nerf

Gente, preciso contar uma coisa para vocês: O PEDRO TEM UMA NERF! Tá, vocês podem pensar, e daí? Daí, que pra mim, isso significa uma cuspida na testa daquele tipo FENOMENAL, sabe?

brinquedo nerf

Vou me explicar…

Eu sempre, sempre, sempre fui contra qualquer tipo de brinquedo que fizesse qualquer tipo de alusão a armas e assemelhados. Mesmo arco e flecha, nunca achei legal estimular nas crianças este tipo de brincadeira, tanta coisa mais saudável pra brincar!

Quando eu conheci as Nerfs, ainda não tinha filhos, e pensei: aff, que coisa mais estúpida! Pra quê meodeos? Pra quê?

Claro que, durante a minha própria infância eu brinquei sim de arco e flecha, tive estilingue pra arremessar mamonas e tive até uma arminha de xerife que era de metal, bem pesadinha e tinha munição de espoleta. Juro!

Brincar destas coisas, não me transformou em nenhuma psicopata e eu nunca tive vontade de matar nada nem ninguém (quer dizer, até tive/tenho mas nunca de verdade) só que, quando a gente se torna mãe, quer para os nossos filhos tudo de mais bonito e lindo da vida e a verdade é que, brincar com as arminhas de brinquedo não me transformaram em psicopata mas, também não me ensinaram nada de super positivo então, risquei da lista de coisas que o meu filho teria!

Acontece que, desde muito pequeno o Pedro sempre foi apaixonado por 2 coisas: carrinhos e explosões! Ele nunca teve nenhum brinquedo que fizesse barulhos de armas e explosões, mas brincava com os carrinhos batendo uns contra os outros e causando explosões.

Eu cuidei muito para que, durante a primeira infância (até os 3/4 anos) ele só assistisse desenhos bacanas e educativos, sem temáticas de violência e mesmo assim, ele adorava brincar de explosões e lutas.

Não vale a pena agora, nesta altura do campeonato, ficar procurando saber onde foi que ele recebeu estas inspirações/influências, também acho que não cabe dizer que eu “errei”. Só sei que ele sempre curtiu estas brincadeiras mais de “lutinhas” e “inimigos” e quando entrou na fase dos super heróis, isso se acentuou.

Aos 6 anos ele conheceu a Nerf, um amiguinho tinha no playground, ele pediu pra brincar, o amiguinho deixou, eu não gostei mas, deixei ele tocar, experimentar. Ele adorou! Eu jamais compraria!

Ele sabia disso! Tentou me convencer, me perguntou POR QUÊ? mas eu desconversei e, como ele ainda era muito pequeno, ele desencanou de me pedir. Daí, ele começou a brincar com a irmã de heróis e mocinhos e, como eu não comprava nada de arminhas para brincar, ele desenhava suas armas em papelão, recortava, reforçava com durex e vinha me mostrar dizendo:

– Mãe, eu sei que você não gosta de armas mas, é só de brincadeira, tá?

Ou seja, a criança estava mostrando mais maturidade do que eu para este assunto! /0\

Mesmo assim, ainda achava ele muito novo para este brinquedo. Mesmo sabendo que o brinquedo era seguro, que não “atirava” em ninguém de verdade e era praticamente incapaz de ferir, a verdade é que eu não queria pensar nisso!

Não queria ter estes brinquedos na minha casa, não queria estimular este consumo! Não queria que ele brincasse com isso com a irmã! Não queria e pronto!

Como vocês já sabem, o Pedro completou 10 anos este (ele fez até um post fofo aqui no blog, já viram? Clica AQUI e morra de amor!) e quando eu perguntei o que ele queria ganhar, ele não sabia o que pedir. Uma fofura este menino que, não queria nada porque já tem de tudo! Morroooo de amor!!

Resolvi levar ele para passear numa loja de brinquedos para ver se ele se animava com alguma coisa e daí, ele quis uma NERF!

Primeiro, eu torci o nariz! Depois, peguei uma das benditas (são vários modelos) e resolvi inspecionar! Pedi ajuda do vendedor da loja que foi me explicando o mecanismo, como brincava, como era a munição…

Pra quem também não está muito familiarizada com o brinquedo, as Nerfs são de todos os tipos, tamanhos, cores, temáticas e preços. Tem desde modelos bem simples e pequenos que custam a partir de R$ 69,00 até “metralhadoras” gigantescas com recursos de laser, mira, e suporte para guardar as munições.

tipos de nerf

As Nerfs também são intercambiáveis entre si! Você compra uma pequena e depois, vai comprando acessórios, novos “canos”, novas munições e ela vai ficando maior.

Tem Nerf que atira água e tem Nerf que atira meleca com o tema de zumbis, também tem Nerf com a temática Star Wars e outros personagens. O Pedro quis uma que eu achei bem legal porque, vem com bastante munição, uma tabela de alvo e tem um recurso de laser.

As munições são realmente bem inofensivas. Feitas com espuma, elas podem ter 3 tipos de ponta: com borracha de vácuo para grudar na tabela de alvo, janelas, parede, etc. Com a ponta reta de borracha e com a ponta com velcro para grudar na roupa:

munição de nerf

munição de nerf

Ainda que acerte alguém (sem querer) no rosto, a munição é bem molinha e leve, não machuca mesmo! Eu testei em mim! rs

Depois de entender como funcionava, eu disse que sim para o Pedro desde que ele seguisse as seguintes regras:

  • Não pode atirar dentro de casa! Vai que…
  • Não pode atirar no rosto de ninguém!
  • Não pode atirar em quem não está na brincadeira!

A Nerf é um brinquedo para crianças maiores de 8 anos e isso também foi decisivo para poder trazer o brinquedo para casa! Claro que, a Cacá iria querer brincar com o irmão então, ter esperado ele completar 10 anos foi ideal porque, agora a Cacá também já está na faixa etária do brinquedo e eu não me preocupo.

As brincadeiras rolaram soltas por aqui nestas férias! Depois que eu comprei a primeira Nerf, a tia deu para eles outras que ela tinha guardadas e assim, a Cacá também tem a dela agora.

Ela até veio com um papo sobre uma tal de Nerf Rebelle que eu fui investigar e fiquei chocada com a babaquice!

nerf rebelle

A tal da Nerf Rebelle é um tipo de de Nerf “para meninas”, com cores “de menina”, desenhos “de menina”… Afff, um brinquedo que imita uma arma eu até engulo mas, um brinquedo sexista, tô fora!

Quando descobri o que era, perguntei pra Cacá se por acaso ela sabia de policiais ou soldados mulheres que usassem armas diferentes dos homens. E que, dizer que as cores têm gênero é uma coisa ridícula e absurda e que ela já estava cansada de me ouvir dizer isso!

Acho que ela nem precisava desta “bronca” mas, saiu, né? Ela acabou dizendo que entendia e que não ligava pra isso, só achava as Nerfs decoradas mais bonitas, mas que tudo bem! Ela estava feliz com a Nerf laranjinha que ganhou da tia…

Olha gente, eu não estou aqui pra dizer pra vocês que super aprovo e recomendo o brinquedo. Não! Eu ainda acho que existem mil outros brinquedos mais bacanas para as crianças mas, também queria compartilhar com vocês que este brinquedo não é o “demônio” que eu imaginava e que, as crianças crescem e mudam de fases e não há como criá-los em redomas.

O Pedro já havia tido contato com o brinquedo que eu não queria que ele brincasse, ele já fabricava suas próprias armas de papel e uma hora, ou outra, ele iria comprar ele mesmo o tal do brinquedo então, optei por me informar, ter certeza da segurança do brinquedo e trazer pra casa eu mesma.

Além de ganhar pontos com o filhote #soudessas ainda fico mais segura porque sei exatamente como e porque este brinquedo está por aqui!

Desci com eles numa destas tardes de férias e o Pedro levou toda a sua “artilharia” para brincar com os amigos, fiquei de longe observando. Eles montaram times e começaram a brincadeira de super heróis.

Toda vez que algum amigo “desvirtuava” a brincadeira acertando alguém, o Pedro ia lá e dizia que não era assim, que não podia. Sempre zeloso e preocupado com que ninguém se machucasse ou magoasse, isso me encheu de orgulho!

A importante lição que eu aprendi com esta cuspida na testa é que, a gente precisa confiar nos nossos filhos, confiar no bom trabalho que estamos fazendo como mães e, respeitar a faixa etária dos brinquedos!

Ah, e é claro, sempre estar atenta! O brinquedo mais inofensivo de todos também pode machucar se não for “brincado direito”. Com esta indústria tão poderosa de produtos de consumo bombardeando os nossos filhos a todo tempo, o que nos resta é estarmos muito seguras de nossas decisões e só conseguimos isso com informação e confiança em nós mesmas!

Então, é isso! O Pedro não é mais uma criancinha, e ele tem uma Nerf! E tá tudo bem!

Agora me contem, vocês também são super contra este tipo de brinquedo ou acham exagero tudo isso?

Bjs! ;)

Deixe seu comentário

Comentários

2 comentários via blog

  1. Gabriela comentou em

    Nossa! Acho que esse post foi pra mim! rs
    Meu filho, que tem 5 anos, sempre pede uma. Ele fala que os amigos dele tem e porque ele não pode ter também. Eu falo pra ele que nunca compraria uma porque não gosto de nada que gera violência, ele fica triste mas compreende. Eu sei, lá no fundo, que um dia vou ter que me render também, um dia… depois que ele completar 8 anos… talvez, rs.
    BJos.

    1. Loreta Berezutchi respondeu Gabriela em

      é complicado né, Gabriela? Mas olha, eu não acho que errei por não ter dado antes e nem acho que ele perdeu nada! Tenho certeza que agora, ele é maduro o suficiente para brincar com este brinquedo e também sabe muito bem a diferença entre realidade e ficção, o que é violência, o que é brincadeira… Eu sempre fico nesta corda bamba entre proteger demais e dar liberdade, mas penso que se a gente não supervisionar sempre e direcionar, o “contágio” do mundo toma conta!! Fácil não é, mas a gente faz o nosso melhor, né? Bjo! ;)