Categorias Saúde

Mitos da amamentação

por Paola Preusse,

mitos da amamentação

 

Amamentação sempre vem junto com alguns mitos, medos, angústias, alegrias, conforto e desconfortos. Muito se fala e muitas vezes, o exagero ou os famosos mitos da amamentação tomam conta da nossa cabeça, todo mundo conhece um “remedinho”, uma dica, uma receita e não é bem assim que as coisas funcionam.

Antes de seguir qualquer pitaco ou palpite, a mãe precisa acreditar que seu leite é sim suficiente e é o melhor alimento para o seu bebê até os 6 meses. O fato de ele chorar, nem sempre está associado a “fome”, ele pode estar chorando simplesmente porque quer colo, está assustado ou qualquer outro incomodo.

O único sinal de que o leite materno pode não estar sendo suficiente é o bebê não estar ganhando peso (muito peso) e crescendo. Vejo muitas mães desesperadas porque, ao invés do bebê ter ganhado 1 quilo, ganhou “apenas” 500g e muitas vezes, o próprio pediatra dá o aval para este desespero!

Para acabar (ou tentar acabar) com todas estas “neuras” de mãe sobre a amamentação, vou tentar responder as principais dúvidas, baseada em minha experiência de mãe que amamenta há 2 anos.

Livre demanda ou de 3 em 3 horas?

O leite é produzido durante a mamada enquanto o bebê suga, ou seja, quanto mais o bebê mama, mais leite nós temos. Por isso, adotar a livre demanda é tão importante, além do fato de que ninguém nunca perguntou pro bebê de quantas em quantas horas ele sente fome pra estipular que, assim como nós, eles precisam se alimentar a cada 3 horas.

O tamanho do peito influencia na capacidade de amamentar?

Ao contrário do que dizem, o tamanho do peito da mãe não significa a sua capacidade de amamentar. O peito não precisa parecer que vai explodir, vazar leite pra significar que temos leite. Pasmem, meu peito nunca vazou ou pareceu explodir e amamento faz 2 anos. Pensa assim, nosso peito é uma fábrica de leite e não um “armazenador” de leite.

Existe algum “remédio” que aumenta a produção de leite?

Além da mamada em livre demanda o único “remédio” natural e sem contra indicação é água! Beba muita água, hidrate-se bem e voce verá que a sua produção só vai aumentar. Já tive casos de pacientes que só conseguiram ordenhar o leite após a ingestão de 2 litros de água.

E aqueles remédios de farmácia que muita gente indica? Funcionam? Fazem mal?

Quando estamos amamentando é preciso tomar muito cuidado com qualquer tipo de medicação. A maioria deles tem contra-indicações e reações, para ter certeza do que estou falando, leia sempre a bula e nunca se auto medique! Pode fazer mal tanto para você quanto para o seu bebê.

E a “cerveja preta”, aumenta mesmo o leite?

Gente, cerveja tem álcool e álcool não combina com amamentação, pois ele impregna no leite materno e cai no organismo do bebê rapidinho. Quanto mais cedo o contato do bebê com o álcool, mais chances dele ter problemas com tal substância no futuro, como por exemplo, problemas hepáticos e de alcoolismo.

E canjica?

9 entre 10 pessoas antigas corre fazer canjica pra mãe que está amamentando, mas estudos não mostram que alimento algum tem influência na produção do leite e no seu aumento.

De novo, corre beber água, amamenta em livre demanda que seu peito fica cheio de leite.

Para sua amamentação ser sucesso, você precisa beber bastante água (no mínimo 2 litros por dia, o que é fácil porque amamentar dá sede) ficar relaxada e descansada. Ok, eu sei que esta parte é mais difícil, mas tente deitar junto com seu bebê em algumas sonecas e esqueça um pouco das outras tarefas e amamente em livre demanda, pois quanto mais o bebê suga, mais leite é produzido!

Gostaria de deixar claro que independente de amamentar ou não, todas nós somos mães excelentes para os nossos filhos porém, informação correta precisa ser transmitida. Caso você tenha optado por não amamentar ou não conseguiu amamentar, não se martirize! Só não caia nestas orientações equivocadas que existem por aí! ;)

Pra quem quer mais informações, estes links são super úteis:

Como Amamentar
Aleitamento Materno Solidário
Beijos,

 

Deixe seu comentário

Comentários