Categorias Saúde

Um susto chamado Câncer de Pele

cancer de pele

Estamos no Outubro Rosa, o mês dedicado á informação, prevenção e combate ao câncer de mama e então, pensando sobre este assunto, resolvi criar coragem para contar pra vocês um susto que tomei com o Câncer de Pele há alguns meses atrás…

Quando engravidei da Cacá, apareceram no meu rosto algumas manchinhas que logo foram identificadas pela GO como melasma, super comum em grávidas e que pode ser agravada pela falta de uso do protetor solar.

A Cacá nasceu, as manchas clarearam com o uso de cremes indicados pela dermatologista e eu me mudei para o Recife, terra de sol rachando quase o ano inteiro. Eu nunca fui muito regrada pra usar o protetor solar todos os dias antes de sair de casa, quando lembrava passava e estava tudo bem!

Pra mim, protetor solar meeeesmo, aquele super forte de alta proteção só precisava passar quando eu estivesse tomando sol na praia ou na piscina, ou quando soubesse que estaria exposta ao sol em atividades ao ar livre. Pra levar e buscar filho na escola, ir até o shopping, banco, supermercado, eu nunca pensei que precisaria de protetor solar, sabe?

Acontece que, lá no Recife, a terra do sol rachando o cocoruto, algumas novas “manchinhas” começaram a aparecer no meu rosto e apesar de achar estranho, me auto-diagnostiquei com melasma. E me dei conta de que precisava começar a usar um protetor solar sempre que fosse sair de casa, porque minha pele não estava habituada àquelas altas temperaturas.

Usava um FPS 30 todos os dias, religiosamente, logo após escovar os dentes de manhã e estava tudo bem! Estas novas “manchinhas” ficaram no meu rosto, nunca me incomodaram e a vida seguiu…

Voltamos para SP e aos poucos, este hábito do protetor solar diário foi sendo engolido pela rotina corrida e, como por aqui não é todo dia que vemos o sol brilhando, desencanei de usar!

Eu achava que, com o protetor solar da maquiagem que eu sempre usava para sair de casa, eu já estava protegida e não precisava me preocupar, até o meio deste ano…

Uma série de conturbações aconteceram ao mesmo tempo! Voltamos da nossa linda viagem para Santa Catarina e estava tudo certo para a próxima, iríamos para o Chile esquiar em julho e comemoraríamos o aniversário do Pedro por lá. Passagens compradas, hotel reservado, roupas de inverno separadas e de repente…

Um susto com uma cirurgia de emergência do marido, cancelamento de viagem, Pedro sem festa, crianças de férias, marido de cama e eu percebi que uma das manchinhas que já “moravam” no meu rosto desde a época de Recife, estava estranha…

Ela nunca havia me incomodado, era uma mancha um tom mais escuro que a pele do meu rosto, redondinha, bem na minha bochecha direita, quando eu passava a maquiagem ela sumia e sem a maquiagem, quase imperceptível.

De um dia para o outro, esta mancha começou a inchar, ficou gordinha, avermelhada e coçava muito! Achei estranho e marquei a dermatologista, neste meio tempo, ela passou de avermelhada para marrom escuro, ficou grossa e começou a descamar, além de continuar coçando!

Corri para o Dr. Google para dar uma pesquisada em pintas e manchas e daí, caí em muitos artigos que falavam sobre verrugas, melasmas e por último o tão temido, aquele que não deve ser pronunciado: CÂNCER de pele!

Um mini pânico começou a tomar conta de mim, o dia da consulta parecia que não chegava nunca (e demorou 1 mês) e eu ia mantrando pra mim mesma que não devia ser nada, que estava tudo bem, que eu não deveria ter lido nada no Google…

No dia da consulta, expliquei e mostrei para a dermato a causa de tanto medo e então, ela fez um exame dermatoscópico, que consiste na utilização de um equipamento com luz que aumenta a área a ser observada permitindo que o médico possa diagnosticar e classificar a lesão em: benigna, suspeita ou maligna.

No meu exame, a médica constatou tratar-se de uma Queratose Actínica, que é um tipo de mancha pré-cancerosa, ou seja, um estágio antes de virar um câncer de pele. Pra entender melhor, olha o que diz o A.C. Camargo:

“São lesões pré-cancerosas provocadas pelo efeito cumulativo da exposição aos raios ultravioleta. Caracteriza-se pelo aparecimento de pequenas lesões ásperas, avermelhadas ou cor da pele, no rosto, orelhas, dorso da mão, braços e até na cabeça de homens calvos. É mais comum em pessoas de meia-idade e pele clara. São classificadas histologicamente em cinco tipos: hipertrófica, atrófica, bowenóide, acantolítica e pigmentada. Pode apresentar transformação desenvolvendo o carcinoma espinocelular.”

Quando eu ouvi o diagnóstico, eu entrei em pânico mesmo! Quer dizer, aquilo ali era um tipo de câncer sim! Câncer, aquela coisa que a gente sempre ouve falar que alguém teve mas, nunca imagina que possa acontecer com a gente!

A única coisa que eu conseguia pensar era: ai Meu Deus! E agora? Eu tenho filhos para criar, eu quero estar aqui neste mundo por muito tempo por eles! O que eu preciso fazer para acabar com isso?

Como a lesão estava bem grandinha, a médica achou melhor tirarmos ela, e isso foi feito com uma micro-cirurgia relativamente simples no próprio consultório. O material coletado foi enviado para análise e a médica esperava que o resultado indicasse que se tratava de tumor benigno.

Nem preciso dizer que a minha cabeça estava pirando durante todos estes procedimentos, processos e espera, né? Eu chorava escondido pra não assustar as crianças, tinha medo de sair de casa e tomar sol no rosto, fiquei praticamente entocada, cheia de creme no rosto e rezando pelo resultado do exame.

Na data combinada, voltei ao consultório e fiquei sabendo que o exame não acusou nada de maligno nem na lesão e nem na amostra de tecido saudável que foi retirado ao redor. Ufa!

Como eu ainda tenho outras destas lesões ou “pintinhas” pelo rosto e costas, estou fazendo uso de um creme manipulado para controlar estas intrusas e para amenizar a mancha que ficou no meu rosto após a cirurgia. Serão alguns meses usando este medicamento até voltar ao consultório para fazer uma nova análise e verificar se há evolução de alguma destas lesões ou, se o medicamento funcionou.

Pra vocês terem uma idéia de como está meu rosto, tirei uma fotinho sem make e sem filtro! rs

manchas na pele

De frente, quase não dá pra ver a manchinha, de lado já se percebe ela ali! Alguns mílimetros maior do que a mancha original (por causa da cirurgia) mas bem mais clara e discreta do que antes.

Agora, é claro que estou mais do que nunca aloka do protetor solar! E não é qualquer protetor solar não! O mínimo recomendado é o fator 30, mas eu uso fator 60 e, apesar de a minha dermato ter indicado alguns protetores solares com base que são seguros, eu decidi não confiar mais em maquiagem nenhuma!

Uso o protetor solar fator 60 primeiro de tudo e depois, passo a maquiagem por cima! Escolhi um protetor próprio para o rosto e por isso, ele é mais levinho, não fica oleoso e tem uma finalização meio mate. Só saio de casa lambrecada de protetor!!

Esta experiência toda me fez refletir muito sobre as coisas que “passamos na frente”, sabe? Porque como mães, estamos o tempo todo preocupadas com a saúde das crianças, com o almoço, o jantar, as brincadeiras, a roupa lavada, as notas da escola, os amiguinhos, a birra, o choro…

Se eles reclamam de qualquer dorzinha então, somos capazes de não sentir mais nada em nossos próprios corpos só para estarmos 100% dedicadas na cura e recuperação deles e assim, aquela dorzinha de cabeça, aquela pinta que coça, aquele inchaço no seio, aquela cólica mais forte vão ficando pra trás, vão deixando de ser prioridade…

Sem tempo nem para comer e dormir, quem dirá lembrar de marcar consultas e exames, né? Mas, o tempo vai passando, ele começa a cobrar a conta e ela pode sair muito mais cara do que você gostaria!

Cuidar da saúde dos filhos é importante sim, com certeza! Mas uma mãe que não está saudável consegue cuidar da saúde de alguém? E tem mais, somos exemplos para os nossos filhos em todas as nossas atitudes, inclusive no modo como cuidamos de nós mesmas!

Então, neste mês de outubro eu quero convidar todas vocês a darem uma pausa na correria e prestarem atenção em si mesmas, a marcarem os médicos que vocês estão enrolando para marcar há meses, a ouvirem suas dores físicas e darem importância para estes incômodos!

A gente não gosta nunca de admitir mas, mães também podem falhar, também podem sentir dores, também podem sentir medo e principalmente, podem e devem se cuidar!

Foi um susto! Já passou! Eu estou bem!

Agora vou aproveitar este alerta que a vida me deu para repensar os meus hábitos, minhas prioridades, minha rotina, minha correria…

Pensa nisso você também!

Bjs ;)

Categorias Saúde

Aplicativos para malhar em casa, de graça!

Eu nunca fui do tipo que ama academia, musculação e estas coisas mas, sempre gostei de mexer, sabe? Passei a vida fazendo vários tipos de atividades físicas: natação, jazz, ginástica rítmica, handebol, vôlei, atletismo…

Se eu passo muito tempo sem me mexer, meu corpo parece me cobrar, eu sinto as “juntas” como se estivessem em constante atrito e além disso, fico mal humorada que só por Deus! hehehe

Daí que, neste ritmo, sempre consegui encaixar na minha rotina algum tipo de atividade, nem que fosse só caminhar por 1h na rua, ou jogar bola com as crianças, ou correr na esteira do condomínio mesmo até que, no ano passado (quem me segue no instagram @bagagemdemae deve se lembrar) eu quebrei o pé, e precisei ficar imobilizada por 3 meses!

Depois de o pé “consertado”, ainda não estava liberada para atividades de impacto, o ideal era que eu fizesse aulas de hidroginástica, natação, pilates… Acontece que quando fui na academia procurar por estas aulas, quase caí de costas com o aumento dos preços!

Eu amo as aulas de pilates e hidroginástica, mas gente. tá muito caro!!

Fiquei super desanimada até que o maridón (que é adepto de corridas de rua) me falou de um aplicativo da Nike onde eu poderia montar aulas personalizadas, fazer treinos rápidos, leves, moderados, ter apoio de uma comunidade que treina junto…

Adorei a idéia e fui fuçar neste e em outros e daí, fiz uma seleção de aplicativos para malhar em casa que são ótimos, têm treinos rápidos e o melhor, são de graça!

Estes aqui são os que eu uso:

1 – Nike+ Training Club

nike training club

Neste aplicativo da Nike você encontra aulas criadas por profissionais da Nike e também, por atletas como Serena Williams e outros. Você pode fazer as aulas “avulsas” ou, criar um plano personalizado de acordo com seus objetivos.

Tem planos para emagrecer, para fortificar, para quem vai correr alguma prova, para flexiblidade e mais um monte de outras coisas. O aplicativo utiliza seus dados de saúde (peso, altura e idade) e informações sobre suas condições físicas (se está parado há muito tempo, se está habituado com a academia, etc) para traçar um plano que atenda as suas necessidades sem forçar demais.

Por exemplo, eu estou fazendo um plano de fortalecimento que tem a duração de 6 semanas com 5 treinos por semana, as aulas não ultrapassam 30 minutos e cada dia é diferente do outro, o que não deixa a atividade monótona.

Além de cumprir com os meus dias de treino do plano, também uso o aplicativo para fazer aulas de Yoga nos dias de recuperação e assim, mantenho o ritmo acelerando e desacelerando para que o corpo não se acomode.

É meu aplicativo predileto! Antes de cada exercício há um vídeo rápido da atividade para você ver como se faz, durante o tempo do exercício a “treinadora” vai falando com você e dando dicas, você pode colocar para tocar as músicas do seu celular enquanto se exercita e, se você também tiver o Nike Run instalado, ele unifica os seus resultados dizendo ao final de cada semana o quanto você trabalhou, quantas calorias perdeu, etc.

Você também informa no aplicativo se tem ou não equipamentos de academia disponíveis e onde pretende malhar assim, a aula pode acontecer na sua casa, sem a necessidade de comprar nada!

É gratuito para IOS e Android

nike training club

2 – Sworkit

sworkit

Ele é parecido com o aplicativo da Nike mas, tem uma sessão paga e por isso, a sessão gratuita é mais limitada com menos tipos de aulas e exercícios.

Eu gosto dele porque as aulas de Yoga e Pilates são diferentes das aulas do aplicativo da Nike, você também consegue montar o treino de acordo com o tempo que você tem disponível, você pode programar de 5 minutos a 1 hora.

As aulas também são livres de uso de equipamentos e por isso, basta que você tenha um espaço livre para começar a se mexer!

Gratuito para IOS e Android

sworkit

3 – Passio4Profession

passion4profession

O Passion4Profession é o famoso treino de 4 minutos que, talvez, você já tenha ouvido falar! Há varias versões do aplicativo: treino para o corpo todo e treinos mais localizados. Eu uso as versões com treinos abdominais e de pernas!

Você baixa o treino de 4 minutos semanais, ele monta a sua escala, você determina o horário, ele te manda um lembrete no celular e as aulas são com videozinhos animados, música e contagem própria.

Se você não está habituada com os termos e nomes do exercícios, recomendo que você assista as aulas primeiro e depois, comece a fazer. Uma desvantagem deste aplicativo é que, ele não te dá um prazo legal para visualizar e aprender antes de começar a contagem então, você já tem que estar no ritmo e saber os tipos de exercícios propostos ali.

Uso estes aplicativos como complementares aos treinos da Nike, já que são bem focados em áreas específicas e são super curtinhos e intensos!

Disponível de graça para Android e IOS

passion4profession

4 – Charity Miles

charity miles

Para variar um pouco a rotina de exercícios e sair de casa ou da academia do condomínio, que tal uma corridinha ou pedalada de rua?

Você só precisa dos seus tênis e da sua energia para usar o Charity Miles e transformar seus km percorridos em doações para entidades beneficientes. Super simples de fazer: você baixa o aplicativo, escolhe a instituição que quer ajudar (tem americanas e internacionais), aperta start e começa a correr (ou pedalar), o aplicativo usa o seu GPS para calcular os seus km percorridos e depois, quando você finalizar, converte em dinheiro!

E de onde vem este dinheiro? Aí é que está , o dinheiro vem de anunciantes do aplicativo e apoiadores do projeto por isso, é essencial que você compartilhe seus resultados nas redes sociais, assim mais pessoas vão ficar sabendo do aplicativo e mais apoiadores e anunciantes podem se interessar pela causa!

Gratuito para IOS e Android

charity miles

Além de não custar nada, estes aplicativos permitem que você se exercite em casa, em pouco tempo e na companhia das crianças! A Cacá ama me acompanhar nas aulas de Yoga, e o Pedro adora acompanhar as aulas de cardio, que têm muitos pulos e corridas estacionárias!

Se você está há muito tempo parada, é melhor passar por um check up primeiro e conversar com o seu médico sobre voltar a fazer exercícios físicos e qual a frequência que ele acha ideal. Outra coisa importante, é prestar bastante atenção na postura e movimentos corretos para evitar lesões musculares e dores nas costas!

Fazer exercícios sozinha tem o contra de você correr este risco de exagerar mas, uma boa dica é prestar atenção ao seu corpo! Se no exercício de cardio você está sentindo o coração muito acelerado, diminua o ritmo! É melhor fazer bastante, do que rápido e sofrido!

Nos exercícios de alongamento, vá dentro das suas limitações! Você não precisa se matar para alcançar o dedão, na hora que sentir o músculo “puxando”, este é o seu limite!

O exercício não precisa ser confortável, mas não deve te machucar! É muito mais importante manter a consistência, firmeza e postura no exercício, do que a velocidade ou quantidade de repetições!

Eu acabei de encerrar o meu primeiro mês de aulas com estes aplicativos e vou dizer pra vocês, nas 2 primeiras semanas, tudo doía no final da aula. Eu tinha certeza que não teria forças para continuar no dia seguinte mas, eu insisti e percebi que, assim que eu começava a próxima aula, a maravilhosa endorfina fazia esquecer qualquer dor e querer completar a aula até o fim!

Não tenho a intenção de ser nenhuma Pugliesi da vida, barriga sarada também não é o meu objetivo, mas acho que precisamos estar saudáveis para podermos criar filhos saudáveis, e se isso nos fizer perder uns quilinhos e ter a bunda durinha, que mal há, não é mesmo? hehehe

Mexer o corpo é tudo de bom! Faz bem para a nossa saúde e para a saúde dos nossos filhos, porque somos exemplos! ;)

malhando com criança

Categorias Saúde

É gripe ou é dengue?

 

Em tempos de epidemia de Dengue e as outras doenças que o mosquito inimigo trouxe com ele, não é difícil se desesperar diante de um quadro que inclua: febre, dores nas articulações, dores de cabeça…

Foi o que aconteceu comigo na semana passada! Pedro estava ótimo quando de repente, amuou em um canto, ficou irritado, olhos inchados… Fui checar e senti ele super quente, coloquei o termômetro e, batata! Febrão de quase 39!!! /0\

Ele também começou a se queixar muito de dores nas articulações dos braços, joelhos, fundo dos olhos, dor de cabeça… A primeira coisa que pensei foi: Meu Deus, será que é Dengue?

Sim porque, por mais que eu tome todo cuidado aqui em casa, que tenha repelente elétrico em todas as tomadas e mande eles pra escola com repelente no corpo todo, a verdade é que, o maldito do mosquito voa, né? Portanto, pode estar em qualquer lugar!

Tentei controlar a febre e a dor com antitérmico recomendado pelo pediatra, dei banho mas, não adiantava, a febre não cedia! Quando bateu 12h de febre alta sem conseguir controlar, corri pro PS com ele, rezando forte pra quem não fosse febre, zika ou chikunguya.

Lá no PS, o pediatra de plantão o avaliou, contei o que estávamos fazendo pra amenizar as dores e controlar a febre e ele disse que estávamos agindo certinho, como não havia outros sintomas associados, o pediatra descartou dengue e outras doenças mais sérias e então, eu questionei: como podemos saber quando é dengue e quando não é, já que os sintomas são tão parecidos, inicialmente?

O pediatra me explicou que, somente um médico pode descartar doenças mais sérias, através de avaliação clínica e exames laboratoriais mas, em casa, você pode estar atenta aos seguintes sinais:

  • Há manchas vermelhas pelo corpo da criança?
  • As secreções nasais apresentam pontos vermelhos, de sangue?
  • Há qualquer tipo de sangramento ou outros sintomas como diarreia, vômito, desmaios?

É sempre bom lembrar que, não é só a dengue que apresenta sintomas iniciais parecidos com gripes e resfriados, doenças mais sérias, como a meningite, por exemplo, também podem começar assim e a meningite pode matar em 24h ou deixar sequelas irreversíveis! É de deixar qualquer mãe de cabelo em pé, né?

Felizmente, Pedroca estava apenas com uma gripe bem forte (que acabou passando pra família inteira) e nestes anos de maternidade, tenho adotado as seguintes medidas em casos de pequenos doentinhos por aqui:

  • ao perceber a febre, pergunto se eles estão sentindo qualquer outra coisa;
  • observo se há outros sintomas associados, checo a pele em busca de manchas avermelhadas, verifico rigidez de nuca, observo se há diarreia ou sangramentos, e também olho o aspecto do catarro (se está claro, muito amarelo, se tem presença de sangue etc);
  • observo o estado geral deles, se estão caidinhos, com reações atípicas etc;
  • controlo a febre e dores com o antitérmico e analgésico recomendados pelo nosso pediatra;
  • anoto tudo: a primeira febre, a hora, o remédio, a quantidade etc. para mostrar para o médico;
  • Se a febre não cede em no máximo 12h, vou para o PS!

Somente nós, como mães, podemos dizer se nossos filhos estão com comportamento atípico ou não, e se o seu coração de mãe está preocupado, não espere! Procure logo o seu pediatra ou vá para o PS!

Crianças menores de 5 anos, são as mais vulneráveis a complicações decorrentes de doenças respiratórias e por isso, se você tem um bebê com febrão e outros sintomas, não espere mesmo! Depois de passar por alguns sufocos com os meus pequenos, posso dizer pra voces com muita certeza, é melhor ir pro hospital “a toa” do que esperar em casa!

Agora estamos todos nos recuperando por aqui, a gripe passou de um pra outro e eu espero que vá embora de uma vez mas, nesta época do ano, ninguém está imune, né?

Por isso, bom mesmo é manter aqueles velhos e bons hábitos de higiene e saúde:

  • lavar sempre as mãos ao chegar da rua, antes de comer ou preparar alimentos;
  • beber bastante água;
  • manter o ar em circulação dentro de casa;
  • nao compartilhar objetos pessoais, mesmo entre os irmãos e a família (é difícil, eu sei!) e
  • ingerir muita vitamina C in natura! Laranja, limão, morango, kiwi, algumas verduras escuras como espinafre, brócolis, couve, rúcula e também, bastante tomate!

Que o bichinho da gripe vá embora logo daqui, e nem passe perto por aí! Oremos!!! /\

bjs ;)

Categorias Saúde

Dificuldades para engravidar: a fertilização In Vitro

fertilizacao in vitro

O sonho de ser mãe, é possível! Imagem: Shutterstock

Nem todo mundo sabe mas, antes de engravidar do Pedro, eu sofri 2 abortos espontâneos (falei sobre eles AQUI) como é de se imaginar,eu sofri muito com estas perdas e entre o desespero e a ansiedade, decidi me informar sobre tudo relativo a infertilidade.

Além de procurar bons medicos e realizar uma série de exames, que eu prometo falarei sobre cada um em novos posts, também tive a oportunidade de pesquisar, estudar e me relacionar com outras mães que tinham dificuldades para engravidar.

Entre todas as “candidatas à mães” que conheci nas salas de espera em laboratórios por aí, as histórias que me deixavam mais surpresa e maravilhada eram sempre sobre a fertilização in vitro.

Uma técnica tão avançada, tão incrível e que consegue realizar o sonho de ser mãe de muitas mulheres desacreditadas!

A fertilização in vitro é como um ultimo recurso em questão de “tratamentos” para engravidar, somente após minuciosa investigação da infertilidade do casal é que o medico encaminhará para a fertilização in vitro.

Ao contrario do que muitas pessoas pensam, o índice de sucesso desta técnica é de até 40% e se compara ao índice de sucesso da natureza, já que não é em todo ciclo que a mulher engravida naturalmente.

Uma vez diagnosticada a necessidade deste tratamento, a mulher seguirá um passo a passo que funciona assim:

1 – Indução da ovulação: a mulher recebe medicamento específico via subcutânea (injeções) para estimular a produção de óvulos, esta estimulação é acompanhada por exames de ultrasom que indicam quando os folículos (as bolsinhas que carregam os óvulos) estão em tamanho ideal para serem “colhidas”.

2 – Coleta de óvulos: Após a identificação da maturação dos folículos, a mulher irá para a clínica de fertilidade escolhida e fará a aspiração destes folículos. A aspiração acontece por via intravaginal com a mulher sedada. Leva apenas alguns minutos para início e fim do procedimento.

3 – Cultivo embrionário: Após a coleta, o laboratório realizará a fecundação destes óvulos com o esperma já recolhido (que pode ser do casal ou doado), estes óvulos fecundados serão observados dia após dia e qualificados de acordo com sua capacidade de divisão e chances de desenvolvimento. Os melhores embriões são escolhidos para a transferência e os outros, com pouca probabilidade de desenvolvimento, serão descartados. Este processo leva até 5 dias.

4 – Transferência embrionária: no quinto dia após a coleta, a mulher voltará a clínica ou laboratório e realizará a transferência dos embriões ou implantação uterina. A quantidade de embriões transferidos varia de medico para medico sendo o mais comum, no máximo 4 por tentativa.

Para saber mais detalhadamente cada um dos passos deste processo e ver em video como funciona a fecundação in vitro, acesse este link AQUI 

Depois da transferência realizada, a mulher deverá esperar 20 dias para confirmar a gestação através de exame de sangue e ultrassonografia.

As dúvidas mais comuns sobre FIV são:

Funciona logo na primeira tentativa?

Nem sempre, isso varia de organismo para organismo. A media é que o tratamento aumente as chances de sucesso a partir da segunda tentativa.

A fertilização in vitro levará a gestação de gêmeos ou trigêmeos?

O mais normal é que aconteça a gemelaridade sim, devido ao número de embriões implantados.

A gravidez que acontece através da fertilização in vitro é uma gravidez de risco?

Não, normalmente trata-se de uma gravidez como qualquer outra com todos os cuidados de qualquer outra. Claro que, há casos e casos, se a mulher tem alguma outra necessidade de acompanhamento ou histórico de doença anterior deverá ter mais cautela.

O bebê nascido da fertilização in vitro tem a saúde mais “frágil” ou alguma outra complicação?

Não! Ele terá as mesmas chances de adoecer que qualquer outro bebê, deste mesmo casal teria se fosse concebido naturalmente. Ele será um bebê normal como qualquer outro.

A fertilização in vitro é um método seguro e eficaz para garantir que mulheres que sonham ser mães alcancem estes sonhos, hoje fico feliz em saber que, pelo menos 3 amigas que fiz durante a minha época de exames e mais exames, são mães também e estão felizes da vida! :)

Fonte: Sociedade Brasileira de Reprodução Humana

 

Categorias Saúde

Quando o bebê só quer mamar de um lado

imagem: weheartit

imagem: weheartit

Estes dias recebi via Fanpage no Facebook um pedido de ajuda de uma mamãe de recém-nascido, o bebê dela só quer mamar de um lado, ou melhor, de um seio, será que é normal? Será que faz mal? Como fazer para que ele aceite mamar dos 2 lados?

O Pedro e a Cacá também passaram por esta fase e a aflição maior para nós, mamães é que, com a recusa do bebê em mamar dos 2 seios acabamos por sentir muita dor no seio que o bebê recusou e além disso, fica aquela impressão de estar com um seio maior do que o outro e a gente fica se sentindo mega esquisita!

Mas por que será que isto acontece?

Bom, desde o momento que os seios vão crescendo em nós, mulheres, percebemos que eles não são exatamente iguais, um é sempre ligeiramente maior que o outro e os mamilos também podem ter diferenças. Pra gente, enquanto mulheres, isto não faz nenhuma diferença, mas para os bebês que vão se alimentar, pode fazer!

Além disso, acontece de termos mais “jeito” com um lado do que com o outro o que facilita ou dificulta a “pega” do bebê, o apoio para a cabecinha e o conforto dele na hora de se alimentar. Isso vai influenciar na preferência dele por um lado ou pelo outro.

Alguns pediatras também alertam para que a mãe descarte as seguintes possibilidades de preferência de lados:

  • Dor de ouvido no bebê;
  • Dor no corpo do bebê;
  • Mastite no seio rejeitado, a inflamação altera o sabor do leite o que faz com que o bebê o rejeite.

Para descartar estas possibilidades, a primeira coisa a fazer é conversar com o seu pediatra e verificar em consulta se não há nada de errado com o lado do bebê em que ele se recusa a ficar na posição de amamentar depois, converse com o seu GO para verificar se não há mastite no seio rejeitado, descartadas estas possibilidades, alguns “truques” podem ajudar a fazer com que o bebê aceite o seio rejeitado:

  • Comece a mamada pelo seio rejeitado, como o bebê está com fome, pode ser que aceite;
  • Tente outras posições de amamentar para ver se ele se sente mais confortável. A posição “futebol americano” costuma funcionar porque não vira o corpo do bebê para lado nenhum!
amamentando-gemeos

A posição “futebol americano” também chamada de axilar ou sentada inversa é bastante utilizada pelas mamães de gêmeos. A mãe se senta com as costas apoiadas e posiciona o bebê por debaixo do braço, segurando sua cabeça como se segurasse uma bola de futebol americano. Nesta posição, o bebê fica com o corpo reto e tem somente a cabecinha apoiada direto no seio da mãe, o que pode fazê-lo não rejeitar pois, não terá seu corpo virado para nenhum lado. Imagem: Google

  • Prefira amamentar o bebê no seio rejeitado quando ele ainda estiver sonolento, assim ele pode aceitar o peito antes de perceber que está “do lado errado”.

Se você já tentou de tudo e não tem jeito, seu bebê não quer o seio rejeitado e você não aguenta vê-lo chorar para tentar fazê-lo mamar no “lado errado”, não há nenhum problema em amamentar só de um lado. A questão dos seios desiguais provavelmente é uma coisa que só você percebe porém, é importante que você faça a ordenha do leite no seio rejeitado para que ele não empedre e acaba causando inflamações e dores.

Para não desestimular a produção, você pode tentar realizar a ordenha durante a amamentação com o bebê do lado que ele gosta, como a descida do leite já estará acontecendo naturalmente, será mais confortável pra você, apesar de precisar de um pouco mais de malabarismo!

Este leitinho ordenhado pode ser utilizado na preparação das papinhas de frutas, se o seu bebê já tiver mais de 6 meses, claro!

Aqui em casa eu adotei a estratégia de oferecer o seio recusado sempre primeiro pra aproveitar o momento de maior fome e insistir nele por pelo menos 10 minutos, é preciso paciência, carinho e amor, aos poucos, eles aceitaram os 2 lados e a amamentação prosseguiu numa boa!

Normalmente, os bebês têm esta fase de recusar um seio ao outro logo no início da amamentação, nos primeiros meses de vida, se não houver nenhum problema físico no bebê ou na mãe, está relacionado simplesmente ao fato de a mãe ter mais jeito de um lado do que do outro ou, de o bebê preferir uma mama a outra, fica calma, paciência, respira fundo e não desiste!

A amamentação é fundamental para o desenvolvimento do seu bebê e faz muito bem para a mãe também! Uma amamentação prazerosa para ambos é o segredo para o sucesso e longevidade da amamentação por isso, se você estiver com muita dificuldade, procure um grupo de apoio na sua cidade ou no hospital onde o seu bebê nasceu. No Facebook, eu sempre indico o grupo Aleitamento Materno Solidário, uma verdadeira rede de mães e doulas dispostas a se ajudarem sempre, dá uma olhadinha lá!

Boas mamadas pra vocês!

Bjs ;)

Categorias Saúde

Outubro Rosa: pra cuidar do seu filho, cuide de você!

outubro rosa

imagem cedida Rede de Hospitais São Camilo

No último dia 04/10/14 foi dada a largada para o já tradicional Outubro Rosa, mês de conscientização internacional sobre o tipo de câncer que mais mata mulheres em todo o mundo, o câncer de mama!

Eu não sei se vocês também perceberam mas, de uns anos pra cá, cada vez mais notícias de amigas, conhecidas e parentes que se descobriram com câncer de mama tem chegado até mim. Não posso negar que fico assustada com o número de casos que parecem aumentar, mas por outro lado, penso que talvez isto seja um indício de que, mais mulheres estão se informando e se cuidando!

O câncer de mama, quando diagnosticado precocemente, tem altas chances de cura, e o melhor jeito de combater a doença é com informação! Por isso, decidi compartilhar com vocês uma entrevista muito bacana que chegou aqui pro blog com um oncologista da Rede de Hospitais São Camilo, Dr. José Rodrigues Pereira.

Nesta entrevista, o Dr. José esclarece as principais dúvidas sobre a doença, olha só:

1) O que causa o câncer de mama?

Há diversos fatores que aumentam o risco de desenvolver um câncer de mama: sexo feminino, idade superior a 40 anos, raça branca, aumento da densidade mamária na mamografia, obesidade na pós-menopausa, primeira menstruação antes dos 13 anos, menopausa tardia, ausência de gestação ou gestação em idade tardia (depois dos 35 anos), terapia de reposição hormonal na pós-menopausa, história pessoal de câncer de mama, número de parentes de primeiro grau com câncer de mama e frequente ingestão de álcool em doses moderadas a altas.

2) Ele é hereditário?

Apesar de portadoras de câncer de mama citarem outros familiares com o problema, apenas 10% dos casos podem apresentar mutações genéticas hereditárias, como o BRCA1 e BRCA2.

3) O uso de anticoncepcionais ao longo da vida pode contribuir com o problema?

A relação entre o uso de anticoncepcionais orais e o aumento no risco de câncer de mama ainda é controverso. Estudos epidemiológicos com milhares de mulheres não demonstraram aumento significativo no risco da doença. Além do mais, os anticoncepcionais atuais possuem dosagem hormonal inferior aos que eram usados antigamente.

4) Homem tem câncer de mama?

O câncer de mama no sexo masculino é raro e representa 1% de todos os casos diagnosticados. A incidência em mulheres chega a ser 100 vezes maior do que em homens.

5) Como o câncer de mama é diagnosticado?

O rastreamento de câncer de mama com mamografia anual é indicado em mulheres a partir de 40 anos, conforme recomendado pela Sociedade Brasileira de Mastologia. Nos casos suspeitos, a confirmação do diagnóstico de câncer de mama é feito por meio da biópsia de lesões identificadas na mamografia, ultrassom, ressonância mamária ou exame clínico.

6) O autoexame é capaz de detectar todos os tumores?

Não, menos de 10% dos tumores de mama são identificados por meio do autoexame. Ele não deve ser considerado como substituto à realização da mamografia porque não foi demonstrada redução da mortalidade por câncer com essa prática. Mas, nem por isso deve ser abandonado, pois o autoexame pode reduzir o número de casos avançados.

7) Todo nódulo na mama pode virar câncer?

Aproximadamente 90% dos nódulos de mama palpáveis em mulheres entre 20 e 50 anos são benignos, como os fibroadenomas, cistos ou necroses do tecido adiposo. Algumas características clínicas, como inchaço da pele, retração cutânea, ulceração e sangramento pelo mamilo podem indicar a presença de câncer de mama.

8) Como é o tratamento?

Existem cinco modalidades de tratamento que devem ser avaliadas conforme as características de cada caso: cirurgia, radioterapia, quimioterapia, hormonoterapia e terapias -alvo.

A cirurgia é a base do tratamento curativo. Ela pode ser conservadora, quando preserva a mama, ou radical, quando há a retirada da mama e do mamilo. A radioterapia é um tratamento complementar para reduzir o retorno da doença. A quimioterapia, que também é um tratamento complementar, além de reduzir a recidiva do câncer, também diminui a possibilidade de metástase em outros órgãos. A hormonoterapia bloqueia o estímulo dos hormônios femininos sobre as células tumorais e está indicada para as pacientes com tumores que expressam receptores hormonais. Trastuzumabe é uma terapia-alvo indicada para pacientes com superexpressão da proteína HER2 no tumor.

9) Quais as chances da doença voltar?

Quanto mais precoce for diagnosticado, maior a chance de cura. Tumores em estádios iniciais apresentam chance de cura em 80 a 95% dos casos Nos tumores em estágios avançados, a chance de cura cai para 50 a 70% dos casos.

10) É possível prevenir o câncer de mama?

Algumas medidas podem reduzir o risco, como a amamentação, que pode diminuir o risco em 4,3% para cada 12 meses dessa prática. A ingestão de alimentos ricos em fitoestrogênios, como soja (isoflavona) e as frutas (lignanas) também pode ter efeito protetor. A prática de atividade física regular e controle do sobrepeso na pós-menopausa são ouro exemplo. Além disso, deve-se evitar o uso de terapia de reposição hormonal na menopausa por período prolongado e a ingestão de grandes quantidades de álcool.

Pacientes com lesões precursoras de câncer de mama podem ter o seu risco reduzido quando realizado o tratamento com tamoxifeno e outros inibidores estrogênicos por cinco anos consecutivos. Pacientes com mutações hereditárias BRCA1 e BRCA2, cujo risco para desenvolver um câncer de mama é de 50% ou mais, podem se beneficiar preventivamente da mastectomia profilática. Apenas um médico especialista poderá avaliar cada caso e indicar a melhor forma de prevenção ou tratamento da doença.

Como o Dr. José disse, identificar os nódulos em seu estágio inicial aumenta muito as chances de cura por isso, associado ao hábito de realizar a mamografia 1 vez por ano (para mulheres a partir de 40 anos), o auto-exame das mamas também pode ser praticado por mulheres em todas as idades.

Dá uma olha no infográfico que ensina como fazer:

auto exame de mamas

Se durante o auto-exame você notar qualquer coisa atípica, ficar preocupada ou sentir dor, procure o seu ginecologista, ele poderá te encaminhar para um exame de mamografia mesmo que você, assim como eu, ainda não tenha idade para ele.

Manter a saúde em dia, se cuidar e ser feliz é o único jeito de garantir que estaremos aqui por muitooooo tempo para os nossos filhos, né? Então, não esquece de cuidar de você! #ficadica 

Bjs ;)

Categorias Saúde

Mitos da amamentação

por Paola Preusse,

mitos da amamentação

 

Amamentação sempre vem junto com alguns mitos, medos, angústias, alegrias, conforto e desconfortos. Muito se fala e muitas vezes, o exagero ou os famosos mitos da amamentação tomam conta da nossa cabeça, todo mundo conhece um “remedinho”, uma dica, uma receita e não é bem assim que as coisas funcionam.

Antes de seguir qualquer pitaco ou palpite, a mãe precisa acreditar que seu leite é sim suficiente e é o melhor alimento para o seu bebê até os 6 meses. O fato de ele chorar, nem sempre está associado a “fome”, ele pode estar chorando simplesmente porque quer colo, está assustado ou qualquer outro incomodo.

O único sinal de que o leite materno pode não estar sendo suficiente é o bebê não estar ganhando peso (muito peso) e crescendo. Vejo muitas mães desesperadas porque, ao invés do bebê ter ganhado 1 quilo, ganhou “apenas” 500g e muitas vezes, o próprio pediatra dá o aval para este desespero!

Para acabar (ou tentar acabar) com todas estas “neuras” de mãe sobre a amamentação, vou tentar responder as principais dúvidas, baseada em minha experiência de mãe que amamenta há 2 anos.

Livre demanda ou de 3 em 3 horas?

O leite é produzido durante a mamada enquanto o bebê suga, ou seja, quanto mais o bebê mama, mais leite nós temos. Por isso, adotar a livre demanda é tão importante, além do fato de que ninguém nunca perguntou pro bebê de quantas em quantas horas ele sente fome pra estipular que, assim como nós, eles precisam se alimentar a cada 3 horas.

O tamanho do peito influencia na capacidade de amamentar?

Ao contrário do que dizem, o tamanho do peito da mãe não significa a sua capacidade de amamentar. O peito não precisa parecer que vai explodir, vazar leite pra significar que temos leite. Pasmem, meu peito nunca vazou ou pareceu explodir e amamento faz 2 anos. Pensa assim, nosso peito é uma fábrica de leite e não um “armazenador” de leite.

Existe algum “remédio” que aumenta a produção de leite?

Além da mamada em livre demanda o único “remédio” natural e sem contra indicação é água! Beba muita água, hidrate-se bem e voce verá que a sua produção só vai aumentar. Já tive casos de pacientes que só conseguiram ordenhar o leite após a ingestão de 2 litros de água.

E aqueles remédios de farmácia que muita gente indica? Funcionam? Fazem mal?

Quando estamos amamentando é preciso tomar muito cuidado com qualquer tipo de medicação. A maioria deles tem contra-indicações e reações, para ter certeza do que estou falando, leia sempre a bula e nunca se auto medique! Pode fazer mal tanto para você quanto para o seu bebê.

E a “cerveja preta”, aumenta mesmo o leite?

Gente, cerveja tem álcool e álcool não combina com amamentação, pois ele impregna no leite materno e cai no organismo do bebê rapidinho. Quanto mais cedo o contato do bebê com o álcool, mais chances dele ter problemas com tal substância no futuro, como por exemplo, problemas hepáticos e de alcoolismo.

E canjica?

9 entre 10 pessoas antigas corre fazer canjica pra mãe que está amamentando, mas estudos não mostram que alimento algum tem influência na produção do leite e no seu aumento.

De novo, corre beber água, amamenta em livre demanda que seu peito fica cheio de leite.

Para sua amamentação ser sucesso, você precisa beber bastante água (no mínimo 2 litros por dia, o que é fácil porque amamentar dá sede) ficar relaxada e descansada. Ok, eu sei que esta parte é mais difícil, mas tente deitar junto com seu bebê em algumas sonecas e esqueça um pouco das outras tarefas e amamente em livre demanda, pois quanto mais o bebê suga, mais leite é produzido!

Gostaria de deixar claro que independente de amamentar ou não, todas nós somos mães excelentes para os nossos filhos porém, informação correta precisa ser transmitida. Caso você tenha optado por não amamentar ou não conseguiu amamentar, não se martirize! Só não caia nestas orientações equivocadas que existem por aí! ;)

Pra quem quer mais informações, estes links são super úteis:

Como Amamentar
Aleitamento Materno Solidário
Beijos,

 

Categorias Saúde

Cirurgia plástica pós-parto: tudo o que você sempre quis saber

cirurgia plastica 1

Imagem: weheartit

Você já pensou alguma vez em fazer uma cirurgia plástica para corrigir alguma coisa que a gravidez deixou de “herança” no seu corpo?

Eu confesso, já pensei sim! Eu ganhei peso além do necessário durante a gravidez, não cuidei da pele adequadamente e o resultado foi flacidez e muitas, muitas estrias!

A cirurgia plástica, além de todos os aspectos técnicos que envolve, tem também uma aura de “tabu”: algumas mulheres defendem que estes “grilos” a respeito do próprio corpo é fruto de marketing, outras morrem de medo das histórias de mulheres que morreram nestes procedimentos e sempre tem aquelas que conhecem milhões de histórias horríveis que aconteceram com a prima, do filho do tio, do irmão do amigo, da mãe.

Resolvi bater um papo sério com a Dra. Karina Gilio, médica cirurgiã formada pela Santa Casa de SP e membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, para elucidar os principais medos e questionamentos das mamães que pensam em passar por um procedimento destes, olha só:

Após o parto muitas mulheres se vêem ás voltas com as mudanças do corpo trazidas pela gravidez . As partes do corpo que são alvo de maiores queixas são a barriga e os seios, quais as cirurgias plásticas que podem corrigir estas áreas? 

Para a região do abdômen a principal cirurgia é a abdominoplastia que trata tanto a flacidez de pele quanto a da musculatura. Já para os seios a mais comumente indicada no pós amamentação e a mastopexia com ou sem inclusão de próteses de silicone, pois trata a flacidez da região.

No caso da abdominoplastia, quanto tempo após o parto a mãe pode pensar em realizá-la e por que?

O ideal é que a mulher aguarde de 6 meses a 1 ano pós parto para realizar a cirurgia, isso porque neste período ainda ocorrem mudanças na pele e na musculatura que costumam retrair.

Quais os principais cuidados pós-cirúrgicos?

No pós cirúrgico a paciente deve repousar por no mínimo 20 dias e por 2 meses não pode erguer peso.

No caso da lipoaspiração, quanto tempo após o parto a mãe pode pensar em realizar este procedimento e por que?

No caso de lipoaspiração é importante que não se esteja amamentando, e por isso, no mínimo deve ter 6 meses pós parto.

Quais os principais cuidados pós-operatórios?

Na lipo deve haver repouso mínimo de 10 dias e tempo para realizar sessões de drenagem linfática pós operatória por 2 meses.

No caso das cirurgias para correção dos seios  (mastopexia e mamoplastias), depois de quanto tempo a mãe pode realizar estes procedimentos e por quê?

 Para as cirurgias mamárias a mãe deve estar há , no mínimo, 6 meses sem amamentar, para programar a cirurgia. Isso porque o seio apresenta grandes modificações neste período, com retração da pele e diminuição do volume.

Quais os principais cuidados pós-operatórios nestes casos?

No pós operatório deve permanecer sem erguer os braços, dirigir ou pegar peso por, no mínimo, 20 dias.

Muitas mulheres consideram a cirurgia plástica como um “ultimo recurso” ou o mais radical para corrigir estas imperfeições que tanto incomodam. Claro que, cada caso é um caso mas, a cirurgia plástica precisa ser encarada desta forma mesmo? Existem procedimentos menos “radicais” e satisfatórios para estas principais queixas? 

Para cada caso existe uma melhor indicação, mas existe a possibilidade de uma minilipo para correção abdominal, ou de uma cirurgia de inclusão de prótese para correção dos seios.

Já ouvimos muitas dúvidas e medos de mães aqui no blog com relação às cirurgias plásticas. Muitas são fruto de mitos e desinformação, quais são os riscos reais destes procedimentos? 

A cirurgia plástica é uma cirurgia como outra qualquer, e por isso engloba riscos, estes são minimizados por uma rotina rígida de exames pré operatórios para avaliar a saúde da paciente e sua real condição cirúrgica.

O que a paciente precisa observar para garantir a sua segurança antes de passar pelos procedimentos?

Inicialmente deve procurar um profissional especialista em cirurgia plástica reconhecido pela sociedade brasileira de cirurgia plástica, no site da sociedade pode ser buscada esta informação.Também deve sempre operar em hospital.E seguir os cuidados pre e pós operatórios orientados pelo médico.

Para aquelas que já fizeram algum procedimento antes de serem mães (por exemplo, abdominoplastia ou próteses de silicone) a gravidez é possível? Quais os cuidados necessários?

Nem a inclusão de prótese de silicone mamário, nem a abdominoplastia impedem uma gestação, entretanto, para abdominoplastia a chance de perda do resultado estético e grande.

O principal cuidado para evitar esta perda e a manutenção de um peso saudável na gravidez.

Considerando todos os cuidados pós-operatórios destes procedimentos e os cuidados que um bebê ou criança demandam de sua mãe, você consideraria uma idade ou fase da criança em que o pós-operatório da mãe possa ocorrer de forma mais tranquila? 

Essa questão é muito subjetiva, pois depende muito de cada dinâmica entre mãe e filho, e de como cada um se comporta, entretanto, como cirurgiã e mãe posso aconselhar que seja feita a partir de 3 anos de idade da criança, quando ela se torna mais independente e pode entender melhor as limitações da mãe no pós operatório.

Tenho pensado seriamente em recorrer a cirurgia plástica, já que todos os meus esforços com tratamentos cosméticos e estéticos não deram certo. O que tem me “travado” na decisão é justamente o pós cirúrgico, fico pensando em como seria cuidar dos dois filhos e me cuidar para que eu fique satisfeita com os resultados. Será???
E vocês, o que pensam sobre isso? Já fizeram? Não fariam? Conta pra gente!
Bjs ;)
Categorias Saúde

Dificuldades na amamentação

breast2

imagem: weheartit

Quase toda mulher que se imagina mãe, tem na cabeça aquela imagem sagrada da mãe que amamenta o seu filho. Um momento sublime, de troca de olhares, de amor e sorriso no rosto.

É, o momento da amamentação é tudo isso e muito mais porém, também pode ter as suas dificuldades. Já falei por aqui diversas vezes sobre as minhas: bicos invertidos, rachaduras, pega incorreta, empedramento…

Todas estas dificuldades podem ser frustrantes mas, não podem ser obstáculos impossíveis de serem ultrapassados. Toda mãe é capaz de amamentar o seu filho (salvo condições médicas severas) e para que este momento seja sublime como aquele de nossos sonhos, nossa melhor arma é a informação!

A consultora de amamentação para a Lansinoh Brasil, Patrícia Tsukada, respondeu as principais dúvidas e dá dicas para lidar com estas dificuldades na amamentação sem desistir:

O que é e como melhorar o ingurgitamento?

O ingurgitamento é o inchaço das mamas, que ocorre quando o leite desce deixando a mama pesada, quente e dura. A mamãe deve, em primeiro lugar, amamentar frequentemente para aliviar o peso da mama. Pode-se também ordenhar o leite manualmente ou com uma bomba tira-leite para deixar a mama macia e facilitar a pega do bebê, além das compressas frias para ajudar no tratamento.

O que é mastite e o que posso fazer para melhorar?

Quando o duto bloqueado ou ingurgitado não é desobstruído, o tecido mamário é infectado, deixando parte da mama vermelha, quente, inchada e amolecida – a chamada mastite. Nesse caso, a mamãe não se sente bem e tem febre. Algumas dicas para aliviar a mastite são:

–    Observar a posição correta da mamada

–    Mantenha o bebê mamando frequentemente do lado que estiver inchado

–    Massagear delicadamente a parte inchada em direção ao mamilo

–    Fazer compressas quentes/mornas diretamente na mama antes da amamentação, entre os intervalos de amamentação ou durante a ordenha de leite para aliviar a dor e a inflamação

–    Antibióticos e outros tratamentos indicados pelo médico para tratar a mama inflamada

–    Se mamãe não quiser amamentar o lado infectado , deve se ordenhar o leite

–    Deve se retirar o leite várias vezes ao dia

O que fazer para o bebê fazer a pega correta quando a mama está muito cheia?

Você pode fazer uma compressa quente/morna diretamente na mama para facilitar a descida do leite, e em seguida ordenhar o leite para que a mama fique macia, facilitando a pega correta para uma mamada eficiente.

O que fazer para facilitar a descida do leite na hora da ordenha?

Você pode fazer compressa quente/morna diretamente na mama antes da ordenha, ou se você tiver a Bomba Tira leite pode colocar a compressa morna em volta da flange da bomba durante a ordenha de leite para facilitar a descida do leite.

É sempre válido lembrar que, se você está encontrando muita dificuldade, sentindo muita dor ou tem sintomas mais severos como febre, procure um médico! Para te dar apoio moral, dá pra encontrar no Facebook muitos grupos de mães pró-amamentação cheios de dicas e troca de idéias, coloque na busca do Face a palavra: amamentação.

Acredite em você, busque ajuda, apoio e informação! Fé que vai dar tudo certo!

Bjs ;)

Categorias Saúde

Amamentação: cuidados com os seios antes e durante

amamentação2

imagem: gab.giggle.com

Já contei pra vocês por aqui que, logo que o Pedro nasceu eu recebi uma notícia que me deixou super preocupada: eu tenho os bicos dos seios invertidos, o que dificulta um pouco a amamentação.

Quando recebi a notícia fiquei assustada, achei que não seria capaz de alimentar o meu bebê e todo este stress, dificultou um pouco os primeiros momentos da amamentação. Felizmente eu tive o apoio do pessoal do banco de leite do hospital e das enfermeiras da UTI que me ajudaram, ensinaram e auxiliaram e no fim, consegui amamentar meus dois filhos (saiba mais sobre bicos invertidos clicando AQUI).

Eu consegui, mas não sem sofrimento! Tenho certeza que, se eu tivesse me interessado pelo assunto antes, pesquisado e pedido ajuda, tudo poderia ter sido mais fácil e mais prazeroso! Sofri com o leite que “não vinha”, sofri com rachaduras da pega incorreta, sofri os seios inchados e doloridos…

Todos estes fatores abalam sim a confiança que precisamos ter na nossa capacidade como nutrizes, e por isso, adorei estas dicas que o Dr. Ayrton de Magistris, consultor da York, preparou para as mamães que estão grávidas já irem se preparando, olha só:

Durante a gestação:

  • É importante tomar banho de sol nas mamas todos os dias, de 10 a 15 minutos antes das 10h ou depois das 15h, para prevenir rachaduras nos mamilos. Além disso, auxilia a sintetizar a vitamina D no organismo, o que estimula o sistema imune e contribui para a saúde óssea e o crescimento do feto;
  • Massagens diárias também são recomendadas, pois deixam os mamilos mais proeminentes e a pele mais elástica e resistente para o ato da “sucção”, o que ajuda o bebê na hora de sorver o leite e a evitar a fissura mamaria.

Durante a amamentação:

  • Os sutiãs de sustentação devem ser usados dia e noite. O uso constante evita que os seios se tornem flácidos e facilita a rotina das mães, que não precisarão retirar a peça completamente para amamentar.
  • Higienizar os seios também é muito importante para a saúde da mãe e da criança. O procedimento deve ser feito somente com água e/ou produtos neutros, tanto antes como após a amamentação. Remover os resíduos de leite e saliva do bebê é indicado, já que podem provocar irritação e inflamação na pele dos mamilos e da aréola, ocasionando dor nas próximas mamadas.
  • Para manter os seios saudáveis e sem dor, é importante encaixar a boca do bebê da forma correta na hora da amamentação. Ele deve posicionar os lábios na região da aréola e não só no bico na hora de mamar. O ato repetitivo e realizado de maneira incorreta pode traumatizar a pele de forma irregular e, com isso, desenvolver fissuras. Outro ponto importante é que durante o processo de amamentação se estabelecem as diretrizes de uma boa oclusão dentária (posicionamento dos dentes para eficiência na mastigação).
  •  Usar absorventes para seios ajuda a conservar as mamas secas e com as condições naturais da pele, além de manter a roupa limpa.

A estas dicas do Dr. Ayrton, eu quero acrescentar algumas minhas:

  • Escolha um bom sutiã de amamentação. Ele precisa ter as alças reforçadas e resistentes, garantir boa sustentação para não forças as suas costas e te deixar segura. Escolha um modelo que seja fácil de abrir e fechar, as peças na cor “chocolate” ou “nude” combinam com tudo e mancham menos, mas também dá pra encontrar modelos mais charmosos por aí (tem dicas neste post AQUI);
  • Eu usava muito os protetores absorventes, eles evitam que o bico do peito (mais sensível e ás vezes, dolorido) entre em contato com o sutiã ou tecidos e evitam o “carão” da blusa manchada! #quemnunca rsrsrs

Falar sobre amamentação é sempre complicado, são muitas as opiniões e divergências mas, independente de qualquer coisa acho que o mais importante é que você saiba que, o leite materno é o melhor e mais completo alimento para o seu filho e por isso, tente, tente muito, leia, prepare-se, peça ajuda e esteja segura de que está fazendo o seu melhor!

Bjs ;)