Categorias Moda

Onde comprar: Calcinhas e Cuecas Infantis

Vira e mexe eu recebo mensagens de mães que estão passando pelo desfralde ou já concluíram este processo, me perguntando onde comprar calcinhas e cuecas infantis.

Pode parecer uma coisa corriqueira mas, quando paramos para pensar, não é em qualquer loja que tem, né? Quer dizer, a variedade de lojas de roupas infantis é muito maior do que a variedade de lojas que vendem roupa íntima infantil, ou para os mais chiques, underwear.

Eu gosto de comprar em lojas de departamento porque tem muita variedade de estampas e cores, os preços normalmente são mais baixos e eles vendem em kits que compensam muito! Para a fase do desfralde (em que acontecem muitos acidentes) não acho que vale a pena investir em peças muito mais caras.

Para os maiorzinhos, que já fazem suas escolhas e têm preferências, escolher modelos mais descolados e divertidos é um mimo gostoso que fazemos para eles. E seja qual for a fase ou o modelo escolhido, não esqueça de prestar atenção no conforto da peça!

Via de regra, o melhor tecido para a roupa íntima é sempre o de algodão! Ele permite melhor respiração da região e isso evita assaduras e pequenas infecções, especialmente nas meninas!

Além disso, esteja atenta ao tipo de elástico da peça e a quantidade de rendas e frufrus! Aqueles elásticos mais fininhos podem causar coceira e incômodo durante o dia, peças com apliques de renda podem causar alergias na pele e peças com botões e afins, podem machucar e limitar os movimentos.

A peça íntima da crianças precisa ser confortável para o dia inteiro, talvez a peça mais confortável de toda a roupa, já que vai estar em contato com regiões mais sensíveis!

As peças em microfibra ou lycra, devem ser evitadas ou, se você ou seu filho fazem questão deste tipo de peça, prefira as que têm cobertura de algodão nas regiões centrais!

Separei aqui 5 lojas onde eu costumo comprar para o Pedro e para a Caca e recomendo. Todas elas vendem online e dá pra comprar de qualquer lugar do país:

Riachuelo

Eu gosto muito da Riachuelo para comprar estas peças e outras mais básicas (calças de moletom simples, camisetas básicas, meias e afins). No quesito peças íntimas, eles têm kits de calcinhas e cuecas que valem muito a pena financeiramente, são de algodão bem gostoso de vestir, tem boa qualidade e muita variedade de personagens e modelos.

calcinhas e cuecas infantis

Renner

Na mesma pegada da Riachuelo, lá na Renner dá pra encontrar bastante variedade de modelos, kits ou peças avulsas e algumas com estampas mais descoladonas. O Pedro ama os modelos boxer e por lá eu sempre encontro as cuecas mais bonitas!

calcinhas e cuecas infantisBebeStore

Quem tem pequenos na fase de desfralde vai encontrar na BebeStore modelos de qualidade com modelagem mais larguinha, ideais para cobrir fraldas em passeios mais longos. Os modelos mais larguinhos são mais parecidos com as fraldas que eles já estão acostumados, isso garante maior conforto menos estranheza com esta novidade tão grande para eles!

calcinhas e cuecas infantis

 

Tricae

Quem quer peças mais básicas e mais baratas para o dia a dia, vai encontrar na Tricae modelinhos confortáveis e confiáveis com bom preço!

calcinhas e cuecas infantis

 

Puket

Quem prefere peças mais exclusivas e “diferentonas” vai amar as estampas mais lindas e originais da Puket! Além de ser a loja mais cheirosa do mundo, as peças coloridonas são confortáveis, divertidas e duram muito!

calcinhas e cuecas infantis

Eu também costumo sempre dar uma olhadinha na Zara e nos supermercados em que costumo fazer compras (Carrefour e Sams Club), outra dica pra quem prefere comprar pessoalmente, é procurar em lojas de pijamas! Normalmente eles fazem uns combinados de coleções com peças íntimas!

Quem procura por meias, encontra bons descontos (inclusive em peças da Puket) no site da Dinda e da Lupo e é claro, em todas estas lojas que eu citei acima também dá pra encontrar kits de meias básicas para a escola e quentinhas para o inverno!

Conhecem outras lojas e marcas que vendem estas peças? Aumenta a nossa lista aqui nos comentários!

Bjs! ;)

Categorias Moda

Dia das Mães: Moda Mãe e Filha

Dia das Mães chegando e, por mais que a gente sempre diga que “não precisa de nada”, mãe também gosta de ganhar presente sim!

E quando o presente pode deixar a mãe ainda mais bonita e ainda mais em sintonia com os filhotes, a gente fica feliz da vida simmmm!!!

Eu e a Cacá amamos brincar de moda mãe e filha, eu simplesmente não resisto! Quando vejo marcas que são especializadas nisso, ou mesmo quando encontro estampas e combinações que podem nos deixar “par de vasos” lindos para passear por aí, eu já me apaixono!

De vez em quando consigo convencer o Pedro a fazer parte disso também! Mas com os meninos, eu acho que é mais bacana investir nas estampas e estilos do que na modelagem, sabe? De toda forma, também preciso confessar que eu prefiro muito mais quando o “par de vasos” não é completamente igual e sim, complementar e harmonioso!

Separei algumas fotos nossas que eu já postei no Instagram (segue a gente lá @bagagemdemae) usando modelitos Mãe e filha (e filho) com marcas que nós amamos e confiamos. Dá uma olhada:

moda mae e filha

Minha mais recente descoberta é o Ateliê Fashion, especializado em moda mãe e filha tem vestidos lindos assim, com estampas complementares, conjuntos moderninhos com jaqueta bomber e até vestidinho pra combinar com a boneca!

Clica AQUI para ir lá conhecer o site deles e ver todos os modelitos!

moda mae e filha

A Rose&Bleu é outra marca que eu descobri recentemente e estou perdida de amor! As roupinhas, para meninos e meninas, são confeccionados com algodão pima deliciosos e trazem esta delicadeza da infância sabe?

Eles tem a opção de pijamas mãe e filha ou filho que são uma delícia de dormir! Para conhecer a coleção toda deles acesse AQUI

moda mãe e filha

Acessórios também são sempre muito bem vindos, e lá na Mims Bags dá pra personalizar bolsas lindas e fazer parzinhos assim!

Além disso, o pessoal da Mims tem várias sugestões de kits personalizáveis para presentear as mães, vai lá conferir clicando AQUI

moda mãe e filha

Infelizmente a PopUp Store não faz mais a coleção petit que a Cacá tá usando nesta foto :( mas a Shoestock (para nossa alegria!) reabriu a loja virtual e tem muitas opções de sapatilhas para fazer parzinho mãe e filha, como estas que estamos usando na foto!

Para ver tudo, acesse o site deles AQUI

moda mãe e filhos

E se você quiser incluir o filho nesta brincadeira, uma boa tática é escolher produtos unissex que todo mundo ama! Tipo os tênis Converse!

Podem ser todos da mesma cor ou cada um com a sua cor predileta, o importante é se divertir! Toda mãe precisa de um Converse branco, vai por mim!

moda mãe e filhos

Ou você pode optar por seguir o mesmo padrão de estampas e criar este efeito divertido! Aqui, eu e Cacá estamos usando camisetas básicas da Riachuelo e a do Pedro é da loja BB Básico!

 

Enquanto a Cacá quiser, eu vou continuar a brincar desta coisa fofa de mini me e quem também curte e se inspirou, ainda dá tempo de pesquisar e encomendar um presentinho assim!

Agora compartilha o link com os papais, titios, titias e faça a sua lista de presentes! hehehe

Bjs! ;)

 

 

Categorias Moda

Armário Cápsula: como escolher sua paleta de cores?

Quando comecei a pesquisar e ler sobre o conceito de armário cápsula, vi muitas dicas sobre começar pela paleta de cores. Mas, como escolher sua paleta de cores?

armario capsula

Eu não sei vocês, mas eu nunca tive nada super definido na minha cabeça sobre quais eram as cores que eu mais gostava e mais comprava. Eu até tinha uma certa noção de que os pretos e cinzas eram maioria no meu armário, mas confesso que nunca cheguei a reparar se eu comprava ou escolhia mais pelas cores ou pelos modelos, sabe?

Por exemplo, se eu me apaixonava por uma peça de roupa, ela normalmente seria nas cores que eu mais gosto e teria a modelagem, estrutura e detalhes que eu mais gostava, certo?

Mas, quais eram estas cores, texturas, modelagens, detalhes? Eu sabia exatamente o que eu gostava mesmo, o que caia bem em mim? O que me deixava feliz e me sentindo linda e poderosa?

Não, eu não sabia!

Mas eu sabia as coisas que eu não gostava então, comecei pela eliminação destas coisas. Rosa neon, verdes “marca-texto”, poás, vinil, dourados, vermelho “Ferrari” e outros são, decididamente coisas que eu não gosto então, será que teria algumas delas no meu armário?

Fui caçar e não é que encontrei!?

Que atire o primeiro cabide a mulher que nunca comprou uma “brusinha” nada a ver com ela mesma só porque estava “na moda”, porque estava na liquidação ou porque viu uma amiga com uma parecida e achou linda!

Sim, ás vezes, a gente faz destas, né? E tudo bem, normal! Só que depois, você percebe que aquela peça não tem nada a ver com você e pior, não tem nada a ver com mais nada que você tem no armário o que, na prática, impossibilita o uso desta peça e financeiramente significa jogar dinheiro fora!

Peguei todas as peças que estava “fora do padrão” no meu armário (eram poucas, ufa!) e fiquei pensando por que elas estavam ali. Me lembrei de todos os momentos em que eu as comprei ou ganhei e ficou fácil de entender as “burradas” que fiz com cada uma delas.

Removidas as “divergentes”, parti para a descoberta das cores que eu tenho em maioria no armário. Fiz montinhos com as roupas em cima da cama, separando apenas por cores e, como eu já desconfiava, confirmei que o preto, o cinza e o branco são maioria!

Mas além destas, que podemos chamar de “base” do meu armário, também descobri que o azul índigo (aquele mais puxado para o azul “jeans”, sabe?) também é uma cor que tem muitas peças no meu armário.

Desta forma, descobri quais eram as minhas cores base e depois, descobri as minhas cores complementares. Aquelas que têm menos peças em quantidade mas que, se apresentam em peças “diferenciadas”.

Sabe aquela blusa “bapho” que você sempre usa quando quer arrasar? Ou aquele vestidinho que você sabe que fica ótimo em você e te traz a maior segurança seja qual for a ocasião? Pode reparar que talvez, eles não sejam nas cores base do seu armário, mas serão de cores complementares que você adora!

Depois de descobertas quais eram as minhas cores, descobri quais era as minhas estampas e também, as texturas e tecidos que eu mais tenho no armário. Mais uma vez, dá pra usar o esquema de “eliminação de divergentes” para conseguir chegar no que verdadeiramente você gosta e assim, meu esquema de paleta de cores, estampas e texturas é este aqui:

paleta de cores armario capsula

O mais curioso desta descoberta foi que as cores são todas “combináveis” entre si! Até um roxo vinho pode combinar com um marrom e, eu não sou especialista em design ou cromoterapia mas, achei que ficou tudo bem harmônico e mais importante, tem a minha cara!

paleta de cores armario capsula

Outra coisa curiosa que eu descobri ao identificar a minha paleta de cores, foi que eu não sou uma pessoa de “cores vibrantes”. Isso é interessante porque eu adoro as cores vibrantes na decoração da casa, nos acessórios, no material de escritório, na arte etc. Mas pra vestir, sou mais “apagadinha”, mais básica, mais neutra!

Claro que, não são só estas cores exatas que estão no meu armário, existem variações de tons. Por exemplo, eu tenho peças que são Off White, tons de cinza mais claros e escuros, tons de roxo que podem ser mais claros ou escuros, tons de azuis, tons de burgundy (ou vermelho queimado)…

Mas estas variações têm um limite bem definido! Por mais que eu ame azul e seus tons, não tenho peças azul bebê, por exemplo. O mesmo acontece com o burgundy, não tenho peças vermelho Ferrari ou cor de rosa, e os meus marrons podem variar pra mais escuros até mais claros como creme, mas não tenho peças beges ou amarelas!

Descobrir a minha paleta de cores me ajuda a entender como combinar as minhas peças e até quando vou decidir uma compra. Sabendo quais são as minhas cores o que combina com o que, não caio na cilada de comprar uma coisa que eu achei linda na vitrine mas, que quando chegar em casa não vai combinar com mais nada!

Tem gente que monta o armário cápsula de cada estação a partir de uma paleta de cores definida para aquela estação por exemplo, no verão usa-se cores mais abertas e alegres e no inverno, tons mais escuros e fechados.

Acho mega legal mas, eu não conseguiria!

Porque pra mim, o desafio do armário cápsula é diminuir a quantidade de peças e facilitar o meu dia a dia, organizar melhor as minhas coisas para que eu não perca tempo (nem dinheiro) com elas então, se eu precisar montar um armário a partir de cores para cada estação, vou perder tempo e dinheiro!

Tenho investido em ter peças que dá pra usar em todas as estações e que são mais duráveis e como a minha base é bem neutra, se eu mudar de idéia e quiser me vestir mais colorida e vibrante, terei peças base que certamente vão dar certo com as peças novas!

Estou amando muito fazer o armário cápsula e conhecer a mim mesma por causa dele, isto também traz uma confiança maior e melhora muito a auto estima, vai por mim!

Como vocês sabem, eu compartilho meus looks, dicas, descobertas, acertos e erros lá no Instagram então, quem ainda não segue, vai lá é o @bagagemdemae

E aí, quem também está tentando ter um armário cápsula? E quem já está expert, me deixem dúvidas, sugestões e dicas também!

Bjs!

Categorias Moda

1 ano de Armário Cápsula: aprendizados

No começo do ano passado, contei pra vocês por aqui e em todas as minhas redes sociais, que resolvi começar o desafio do Armário Cápsula.

Talvez você já tenha ouvido falar sobre este novo conceito de organizar e consumir moda, se ainda tem dúvidas, dá uma olhada neste post AQUI onde eu explico tudinho, de onde veio, por que eu decidi entrar nessa e como começar!

Quando eu fiz a limpa do meu guarda roupas e me propus a encarar este desafio, eu não fazia a menor idéia do que era o meu estilo e nem imaginava que eu tivesse um. Mas eu achava que sabia e isso é uma das coisas mais legais deste desafio, você adquire auto-conhecimento!

Muitas pessoas me perguntam se é muito difícil manter um guarda roupas com um número tão pequeno de peças, algumas amigas me chamaram de maluca e disseram que não têm tempo ou disciplina pra uma coisa destas.

Mas o armário cápsula é justamente ao contrário de tudo isso! Não é só sobre um número exato de peças que você precisa ou não ter em seu armário, não é só sobre ser disciplinada com compras e looks fáceis de montar. É mais um “estilo de vida” onde você, conhecendo quem você é de verdade, os seus gostos, aquilo que te faz feliz, consome exatamente o que você precisa, veste aquilo que curte, sem se preocupar se é ou não tendência, se é ou não do gosto dos outros…

Eu comecei o desafio e mantive em meu armário cerca de 50 peças, contando sapatos. Foram doadas mais de 100 peças de roupas e calçados, além de acessórios, bijouterias, maquiagens…

Hoje, 1 ano depois de ter começado, tenho em meu armário as mesmas 50 e poucas peças de roupas só que, ao invés de peças soltas e que não combinam com nada (especialmente, não combinavam comigo), tenho peças que combinam entre si, que conversam, que refletem quem eu sou, que me deixam feliz e confortável!

armario capsula

Olhando os fotos do começo do desafio e de agora, consigo perceber como eu fui me encontrando e inclusive, algumas peças que estão nos looks das primeiras fotos, já não estão mais no meu guarda-roupas!

Para conhecer o meu estilo, eu observei bem quais peças eu mais gostava e quais representavam melhor quem eu sou. Li muito e pesquisei muito pela internet outras meninas que estão nesta proposta e assim, fui definindo melhor o que eu queria e o que não queria pra mim.

looks com saia listrada

Eu descobri que uma coisa que sempre amei fazer, que é misturar peças mais elaboradas e caras com peças mais simples é um estilo high low, e esta coisa de detestar usar o que todo mundo usa, de não curtir tendências óbvias e ir contra o “uniforme da moda” de todo mundo, é uma parte da minha personalidade que, no meu modo de vestir se reflete como um estilo descolado/despojado.

Claro que, pra chegar em todas estas conclusões, eu usei muita observação, li muito e conversei muito com outras meninas, que me ajudaram a ME analisar e chegar neste “diagnóstico”.

Existe um aplicativo para celular chamado Tizkka que eu uso bastante onde você pode postar as suas fotos de look do dia e pedir a opinião de outras pessoas, ver looks de outras pessoas, opinar, ver dicas de stylists, procurar inspirações para ocasiões de acordo com o seu estilo e muito mais!

aplicativo tizkka

Todas estas opiniões, inspirações e dicas, me fizeram ir criando meus looks prediletos e certeiros e assim, foi ficando fácil excluir itens que eu guardava só porque achava que um dia (que nunca chegou) eu precisaria usar ou, porque paguei caro no impulso de uma modinha que eu nunca gostei.

O armário cápsula também me ajudou a montar uma mala de viagem super acertada e leve! Passei 4 dias na praia com as peças que combinavam entre si e olha, o número de bagagens diminui muito e o tempo para aproveitar a viagem aumentou muito!

mala de verão armario capsula

A segunda parte do armário cápsula é ir as compras com este conceito bem definido do que é o seu estilo e das coisas que você realmente precisa. Como a troca de peças do armário é de acordo com as estações, eu fui anotando em cada estação quais eram as peças que eu precisei e não tinha assim, no final de cada uma delas fui ás compras para comprar peças da estação passada (o que me garantiu bons preços) e sem me perder com promos, liquidas, sales!

Aqui em São Paulo o clima é meio indefinido então, sofri bastante com a meia estação! Ora estava frio, ora estava calor e eu precisei recorrer às peças que já estavam guardadas em algumas ocasiões mas, a partir do segundo semestre descobri que o truque era o seguinte: manter no meu armário, independente da estação do ano, jaqueta jeans + blazer + blusa de malha + saia longa.

Pra mim, estas peças super funcionaram porque são muito versáteis e ideais para qualquer clima! Aos poucos a gente vai se acertando, né?

Também amo seguir o insta da Polyvore que dá inspirações diárias de cores, combinações, peças e looks. Como ele é americano, segue o clima de lá então, não dá pra levar tudo super a ferro e fogo, mas dá pra se inspirar sempre!

polyvore

Não posso negar pra vocês que meu armário ficou ainda mais cinza depois das mudanças do desafio do armário cápsula! Eu que sempre amei um cinza e cores neutras, acabei indo pro lado destas peças mais básicas porque são muito mais fáceis de combinar e montar looks para qualquer ocasião.

Mas a boa notícia é que o armário cápsula não é só pra quem é “básica”, todos os estilos funcionam com o armário cápsula, inclusive quem ama as super estampas! A questão é apenas aprender a combinar as estampas e cores, os tecidos, os cortes…

Nada que uma boa pesquisada pela internet não possa ajudar!

armario capsula estampas

Toda vez que eu vou fazer compras de roupas, descarto a mesma quantidade que foi comprada assim, as compras são muito mais conscientes e eu mantenho sempre o mesmo número de peças! Ter um estilo básico também não significa que eu não possa comprar peças que estão na moda agora mas, eu confirmei uma coisa que já sabia e achei mega divertido observar!

Muitas coisas que entraram na modinha agora, eu já usava há algum tempo, já tinha no meu armário então, eu nem precisei fazer esforço para estar “na moda” hahaha

E isso não é porque eu me considere “de vanguarda” não! É que eu cresci com uma mãe que amava fuçar em brechós e me ensinou a reconhecer peças clássicas e atemporais e assim, eu sempre tive este olhar mais cuidadoso para estas peças. Sempre valorizei um bom corte, um bom tecido, e isso sem dúvida fez com que as minhas compras fossem investimentos mais acertados e mais duradouros, sabe?

basicos do armario capsula

Bom, pra finalizar este post que está ficando enooorme, algumas dicas práticas que eu aprendi pra quem quer começar o armário cápsula e não sabe por onde:

1 – Não se prenda ao número! Você pode ter 30 ou 100 peças, o que importa mesmo é que você não se perca no conceito de ter peças que combinem entre si e que facilitem a sua vida!

2 – Onça é uma estampa neutra! Vai por mim, dá pra misturar com tudo!

3 – Se você tiver estas peças básicas no seu guarda-roupas, todas as suas combinações ficarão mais fáceis!

armario capsula

4 – Se você é super básica e quer um pouco de cor na sua vida, pode começar a tentar acrescentar estampas e cores nos acessórios! Lenços estampados podem fazer as vezes de cinto, um blazer bem cortado azul royal pode substituir o básico preto e se você gosta de looks sempre pretos, pode começar a usar sapatos mais coloridos ou com estampas!

5 – Se ao contrário, você sempre foi super colorida e estampada e quer tentar um estilo mais sóbrio ou, anda se perdendo em tanta cor, pode começar a tentar mesclar as suas cores com peças mais básicas. Por exemplo, sapatos e bolsas neutros, acessórios e bijouterias menores e assim por diante!

Lembre- se que o mais importante de todo o processo, é que você aprenda a se amar do jeito que você é, que esteja confiante com as suas escolhas e que a pessoa mais importante a quem você deve impressionar e agradar seja sempre você mesma! ;)

Claro que eu continuo com o armário cápsula afinal, agora ele já está incorporado na minha vida de uma maneira tão cotidiana que é impossível fazer de outra maneira. E eu tô sempre compartilhando as minhas escolhas lá no Instagram @bagagemdemae com a #armariocapsula passa lá pra ver!

E se você quer se inspirar em outras garotas que também são adeptas do desafio, procure pelas #capsulewardrobe #desafioarmariocapsula #capsulewardrobechallenge além disso, eu também criei lá no Pinterest, um painel cheio de dicas e inspirações para o armário cápsula. Clica AQUI pra ir lá conhecer e seguir o painel!

Por mais que muita gente ache que moda é apenas futilidade e consumo, eu penso que tem mais a ver com identidade e auto estima. Por isso, não acredito nas coisas que “ditam a moda”, acredito em auto conhecimento, em ser feliz com que nós somos, a nos amarmos e entendermos que a felicidade começa por não precisar da aprovação de ninguém além de nós mesmas! ;)

Quem também resolveu aceitar o desafio? Me contem tudo aqui nos comentários ou lá no Instagram e quem está em dúvida para começar, pode perguntar que eu respondo tudinho, rs!

Bjs! ;)

Categorias Moda

Mala de Verão de uma mini mocinha: dicas para organizar e continuar prática!

Aqui em casa estamos todos contando as horas para as Férias de Verão! Como vocês já sabem, somos uma família que ama colocar o pé na estrada, mas eu sempre detestei sair por aí carregada com uma “mudança”!

Eu sempre fui a responsável por organizar a mala de viagem de todo mundo, sou eu quem diz o que vai e o que não vai, eu quem faz as contas de quantas peças vão e quais os melhores looks para cada destino. Só que este ano, as coisas mudaram um pouco!

A Cacá, minha mini mocinha vaidosa, resolveu que queria ter sua própria mala, organizar seus próprios looks e montar uma mala de verão que fosse a cara dela, com as roupas, calçados e acessórios que ela mais ama!

Acho lindo ver toda esta liberdade da minha pequena, adoro observar ela crescendo e se tornando esta mocinha linda cheia de imaginação, atitude e criatividade mas, eu ainda sou a mãe, né? Ainda sou a responsável pelo bem estar, segurança e conforto dela!

E como conciliar os desejos da pequena com as necessidades e “regras” da mamãe?

É preciso contar com jogo de cintura, muito diálogo e conhecer produtos e marcas que agradem mãe e filha: lindos e leves pra brincar, seguros e confortáveis para não machucar!

Foi nesta busca que eu conheci a Lilybi, a marca de calçados infantis da super tradicional e amada Piccadilly! <3

calçados para meninas

A Cacá é a minha mini me, está sempre me observando e copiando em tudo então, passei para ela as 5 “regras” que eu tenho na hora de montar uma mala de viagem:

1 – Identificar o destino e atividades!

Quando a gente sabe pra onde vai e o que vai fazer lá, consegue definir melhor quais peças de roupas, calçados e acessórios são mais adequados e assim, evita levar coisas em excesso que só vão fazer peso!

2 – A quantidade de peças nunca ultrapassa 2 trocas de roupas por dia!

Ainda que acabem acontecendo pequenos “acidentes” com roupas e calçados por causa das brincadeiras das crianças, 2 trocas de roupas por dia garantem a quantidade ideal sem faltar e sem repetir o look.

3 – Texturas, cores e materiais adequados ao tipo de viagem

Não adianta querer levar aquela sandália linda de verão que você ama, se você vai viajar para a neve! Você não vai usar! Identificar os melhores materiais, tecidos, modelos e afins para cada destino faz você diminuir o peso e montar looks mais acertados!

4 – Escolha peças versáteis e que combinem entre si!

Tons de nude e dourado, estampas clássicas como onça, listras e xadrez, texturas de couro, tecido e recortes 3D garantem looks bonitos sem muito esforço. Peças que são do tipo 2 em 1 (como calças que viram bermudas, vestidos que podem ser usados no frio ou calor, sapatilhas que vão bem com calças ou vestidos, etc) também são ótimas para compor mais looks com menos roupas!

5 – Truques na hora de guardar!

Depois de definidas as quantidades e quais peças vão para a mala, alguns truques na hora de colocar tudo lá dentro deixa tudo mais organizado! Você pode guardar meias dentro dos próprios tênis e calçados, fazer rolinhos com as roupas também diminui espaço e não amassa a roupa! Organize miudezas como acessórios, bijouterias, coisas de cabelo, etc. em potinhos com tampa ou saquinhos Ziploc!

Seguindo estas orientações, e depois de termos escolhidos os modelos da Lilybi que mais amamos para este verão, a mala da Cacá ficou assim:

mala de viagem para crianças

São 15 peças que montam 6 looks para 3 dias de viagem! A Cacá escolheu tecidos, cores e estampas que combinam entre si, e podem ser usados de dia ou de noite, para passear no calçadão da praia ou jantar no restaurante do hotel!

tênis dourado para meninas

O vestido de algodão e alcinha com renda é clássico e vai bem de dia ou com um casaquinho a tardinha! Dourado combina com tudo e o étnico com coral deixou o look com carinha boho que a gente ama!

sapatilha de oncinha para meninas

Cacá está super apaixonada por esta sapatilha que conseguiu unir tudo o que ela ama em uma peça só: amarração de bailarina + oncinha + cor de rosa! E o melhor é que o modelo vai bem com tudo!

sapatilha de amarrar para meninas

E para dias de verão em que a vida “flor” leve, vire borboleta!

sandália étnica Lilybi

calçados Lilybi

Eu fiquei super orgulhosa com as escolhas da minha mini mocinha! Mais ainda de ver ela colocando em prática as dicas para organizar a mala, ser prática, livre, leve e solta como a vida deve ser. Especialmente na infância, né?

Os produtos da Lilybi me surpreenderam muito e por isso, convido todas vocês, mães de mini mocinhas também, a irem lá no site (clica AQUI) para conhecer e se apaixonar pela coleção toda! #ficadica

Bora curtir este verão?

Bjs! ;)

tag

 

 

Categorias Moda

Tênis de rodinha: crianças com asas nos pés!

Este ano o Pedro me pediu como presente de aniversário, um tênis de rodinha! Eu já tinha visto algumas crianças por aí com estes tênis diferentes que, não são parecidos com patins e têm rodinhas apenas nos calcanhares.

Fiquei meio preocupada com este presente pois, a primeira coisa que me ocorreu foi: será que é seguro? Na minha infância e adolescência, eu andei muito de patins e bicicleta, o Pedro anda de bicicleta, patinete, carrinho de rolimã e skate e a Cacá, anda de bicicleta e patins mas, o tal do tênis de rodinha era um “bicho” completamente novo pra mim, e por ser tão simples, me causava muitas dúvidas sobre a funcionalidade e a segurança do “brinquedo”.

Fui pesquisar as marcas e modelos e até assisti alguns vídeos de crianças ensinando a andar com estes benditos, na prática ele funciona assim: uma rodinha em cada calcanhar do tênis e a criança usa para deslizar e não caminhar, como acontece com o patins, por exemplo.

Conversei bastante com o Pedro e resolvi atender o seu pedido, pesquisei modelos e valores e descobri que o presente não é dos mais baratos! Um modelo de skatenis, ou tênis de rodinha, sai por no mínimo R$ 300,00, não encontrei em nenhum lugar com preço abaixo deste valor.

Há modelos e cores variadas, para meninos e meninas, e os tamanhos vão do 30 ao 37:

tenis de rodinha

Nesta foto, da esquerda para a direita no alto: modelo da Nike, modelos da Skate Mate, modelo da Warner DC Super Heróis e modelo da Ortopé.

Este aqui foi a escolha do Pedro:

tenis de rodinha heelys

Da marca Heelys, ele gostou muito das cores e eu gostei porque achei mais resistente! A parte do calcanhar onde vai a rodinha, é mais estruturada e por isso, mais pesada porém, sem deixar a parte da frente molenga!

Além de me preocupar com quedas (que são normais neste tipo de brincadeira) fiquei preocupada com a estabilidade e conforto do calçado quer dizer, ele não deve jogar peso para a parte da frente do pé nem exigir muita força nos calcanhares, deve ser uma brincadeira gostosa, estável…

O ortopedista Dr. Bruno Nogueira, em entrevista ao jornal O Povo, recomenda que a brincadeira com o tênis não ultrapasse 2h para que não hajam dores de coluna ou musculares.

Assim que chegamos em casa com o novo tênis, o Pedro já quis testar! Ficar em pé em cima dele é relativamente fácil, como as rodinhas estão apenas na parte de trás, você consegue se estabilizar apoiando-se na parte da frente dos pés daí, é a hora de tentar o primeiro impulso.

Se você tentar usar as rodinhas para se mover como num patins não vai funcionar! As rodinhas no calcanhar apenas permitem que você deslize pra frente, em curvas ou zigue-zague mas, para funcionar, você precisa dar um grande impulso.

Sabe quando as crianças escorregam usando as meias? É mais ou menos assim que funciona a brincadeira aqui, apenas deslizar e assim, com o tempo de treino, os impulsos e “deslizes” ficam mais rápidos e certeiros.

Pedro treinou por umas 2h no corredor aqui de casa e no segundo dia, já desceu para a quadra do condomínio dominando completamente a brincadeira. Depois que vi ele fazendo isso em um espaço maior, fiquei bem mais tranquila com relação a segurança.

As rodinhas dos calcanhares não permitem que se atinja muita velocidade mas, de toda forma, deixei avisado que é pra ter cuidado e é claro, não abri mão dos itens de segurança: capacete, cotoveleira e joelheira.

Se o seu filho anda doido por um destes também, e você assim como eu, estava com medo desta brincadeira, é bom saber que os calçados são para crianças usando numeração à partir de 30 e assim, acho que são mais adequados para pequenos com no mínimo 6 ou 7 anos.

A capacidade das crianças em aprender rapidamente como usar o tênis é incrível e em poucas horas eles já estão craques, mas não esqueça os itens de segurança! Você encontra muitos modelos e cores em shoppings ou lojas virtuais, mas eu recomendo que você compre de maneira física para conseguir pegar o tênis, sentir o seu peso, estabilidade e deixar a criança experimentar.

Apesar de as rodinhas saírem do calçado permitindo que se caminhe normalmente com o tênis, este não é um calçado para passeios. Justamente pelo peso de sua estrutura ele força os pés, pernas e a coluna além disso, segundo o fabricante, andar por muito tempo com o tênis sem as rodinhas ou a tampinha de proteção do buraco da rodinha (que não vem com o tênis e precisa ser comprada a parte) pode fazer com que a borracha se dilate causando afrouxamento no encaixe e assim, a rodinha vai ficar escapando e o tênis acaba se estragando!

Na escola do Pedro, é proibido frequentar as aulas com este tipo de tênis e ainda que não fosse, eu acho que não deixaria ele ir com ele, pode imaginar a coitada da professora tendo que lidar com 20 crianças deslizando sobre os calcanhares sem nenhuma segurança? Melhor evitar, né? hehehe

Meu pequeno com asas nos pés (ou quase isso) está feliz da vida com o seu novo brinquedo e as novas habilidades conquistadas, e a mãe aqui fica cada vez mais com o coração na boca com tantas aventuras radicais! E algo me diz que isto é apenas o começo, ai meu coração! hihihi

Bjs ;)

 

tenis de rodinha

Meus pequenos radicais! <3

Categorias Moda

Dossiê Roupa de Criança: Como escolher tecidos que esquentam de verdade

Quem me acompanha também pelas redes sociais viu que, no começo do mês passado estivemos viajando para o Sul do nosso país e pegamos temperaturas bem baixas!

Na hora de fazer as malas das crianças, eu sempre fico toda atrapalhada com a quantidade de roupas que preciso levar porque, roupa de frio faz mais volume e a gente sempre acha que precisa de mais uma blusinha, mais uma meia, mais um casaco…

Viajamos e voltamos e reparei que algumas coisas eu levei apenas para fazer volume e outras peças foram fundamentais! Vocês já repararam como parece que algumas blusas aquecem mais do que outras? Ás vezes, aquela peça linda, pesada, que você tem certeza que vai aguentar um super inverno, não aquece como promete enquanto uma blusa mais simples, te deixa mais quentinha e confortável.

Fui pesquisar tudo o que há pra saber sobre roupa de criança e tecidos que aquecem de verdade e preparei um verdadeiro dossiê! Com estas dicas, você vai conseguir otimizar as suas compras e especialmente, diminuir volume nas malas e levar o que você realmente vai usar!

Para entender que tipo de roupa comprar é preciso entender os tipos de tecidos têxteis disponíveis hoje. Eles estão divididos em 3 tipos:

  • Tecidos naturais: são encontrados na natureza e podem ter origem vegetal ou animal como algodão, linho, seda e lã.
  • Tecidos artificiais: produzidos quimicamente com matéria prima orgânica, como viscose, acetato, etc.
  • Tecidos sintéticos: produzidos pelo homem com matérias primas não orgânicas (especialmente o petróleo) como: nylon, elastano, poliéster, etc.

Todos os tecidos de origem natural são mais respiráveis, têm menores chances de causarem alergias e justamente por serem de origem não renovável, costumam ser mais caros. Os tecidos artificiais e sintéticos costumam ter caimento mais “duro”, mais “áspero” e dependendo do tipo de tecido, design, marca, etc. podem ser mais caros ou mais baratos.

Hoje em dia, o que a gente mais encontra são roupas feitas com tecidos mistos. Uma parte de tecido natural e uma parte de tecidos sintéticos e artificiais. Para bebês e crianças, quanto mais você puder optar por tecidos naturais ou, com a maior porcentagem de tecido natural na peça, melhor. Assim, você evita alergias que podem ser causadas por dermatites de contato, ácaros e afins.

Para ter uma idéia de tudo isso que eu tô falando, fiz uma “catança” aqui no armário das crianças e separei peças de roupas de inverno com os tecidos mais usados e que mais prometem aquecer. Olha só:

A gente pensa em inverno e já imagina casacos de lã, toucas, luvas, blusas, cobertores… Mas nem tudo o que vemos nas lojas, que têm cara de lã, toque de lã e jeito de lã é “lã de verdade”!

A lã pode ser natural ou artificial, como sabemos, a lã natural é de origem animal (carneiros, alpacas) e o tecido conseguido com ela é mais pesado e aquece de verdade! Por causa do peso, caimento e preço, a maioria dos fabricantes começou a criar peças com tecidos mistos de lã natural e artificial.

O resultado desta mistura são peças que esquentam mas, que não são tão pesadas para usar nem carregar. Ótimas para crianças e viagens! Para não comprar “gato por lebre”, preste atenção nas etiquetas!

Quanto maior a porcentagem de lã natural, mais cara será a peça e também, mais quentinha! Se ela não tiver nada de lã natural significa que não é uma blusa “de lã”. Ou seja, este pode ser o motivo pelo qual você tem “blusas de lã” que esquentam e outras que parecem não fazer diferença!

A lã com certeza é uma escolha certa de tecido para aquecer!

blusa de lã

blusa de lã

Neste casaco misto, temos 14% de lã natural!

Malha de algodão ou moletom

Um clássico do inverno infantil, todas as mães amam conjuntinhos de moletom! Confortáveis e feitos com algodão, eles também diferem muito de acordo com a marca que produz e o design que se quer alcançar.

As diferenciações na malha de algodão se devem aos processos químicos e fabris a que cada tecido passa por exemplo, sabe aquelas calças e blusas de moletom “flanelado” que têm o interior bem quentinho?

Este “flanelado” é um processo pelo qual o tecido passa em uma máquina específica que faz com que a linha de algodão fique com aquele aspecto “fofinho”. Outra coisa bem comum em peças de malha de algodão é o uso de elastano para deixar a peça mais “molinha” ao toque, e para brincar.

As camisetas simples de algodão são ótimas para funcionarem como “segunda pele” no look de inverno. O tecido natural pode estar em contato direto com a pele da criança sem causar irritações e permitindo a respiração do corpo.

A malha de algodão em menor densidade é ótima para segunda pele ou “primeira camada” de roupa no inverno, e as malhas mais grossas ou o moletom, são peças que definitivamente aquecem!

malha de algodão

malha de algodão

100% algodão

moletom

moletom

Atenção na etiqueta!

Veludo

O algodão é o tecido base de muitos outros tecidos queridinhos do inverno e o veludo tradicional é um deles! Liso na parte interior e de “pêlos” baixos e “riscados” na parte externa, o veludo está presente em peças como casacos, vestidos, saias, calças, bermudas…

Além do veludo tradicional feito com 100% algodão, também é um clássico do inverno o veludo molhado ou plush. Você encontra de macacões a vestidos feitos com este tecido e sua característica principal é que, ao contrário do veludo tradicional de algodão, o veludo molhado/plush tem um brilho diferente, parece ser mais macio ao toque e tem “pêlos” mais altos.

A vantagem dele é que costuma ser mais leve e mais maleável para as crianças brincarem, aquece como no tradicional porém, por ter “pêlos” mais altos, pode juntar bolinhas e causar alergias para crianças asmáticas ou com bronquite.

veludo

 

veludo tradicional

veludo molhado

veludo molhado

Couro

Ver as crianças de jaquetas de couro é um charme quase irresistível! Mas na hora de escolher uma peça destas (natural ou sintética) é bom saber que o couro não aquece!

Ele bloqueia o frio externo e mantém a temperatura interna, por ser impermeável também é uma boa pedida em dias chuvosos e na hora de comprar, prefira peças que tenham forro de poliéster. São mais agradáveis ao toque e mais fáceis de manter e cuidar!

As peças de couro devem ser usadas como complementos em looks de inverno, e nunca com a intenção de aquecer!

couro

Poliéster

Outra peça indispensável como complemento no inverno são as jaquetas de poliéster! Ele também bloqueia o frio, é impermeável e mais leve do que o couro. Além disso, costuma ser mais maleável e confortável sendo ideal para as brincadeiras das crianças!

Na hora de escolher a jaqueta de poliéster das crianças, você precisa pensar o que você deseja nesta peça. Há opções com forro e enchimento de soft (que tornam a peça mais confortável, ajuda a esquentar e também deixam mais barata) e outras com enchimento de penas, golas de peles e assim por diante.

As jaquetas e coletes de poliéster são ideais para viagens para baixas temperaturas e neve!

jaqueta para neve

jaqueta para neve

Jeans 

Ainda na variedade dos complementos impermeáveis, o jeans pode ser uma boa escolha! Mais uma vez, é sempre bom lembrar que o jeans não aquece e se a peça de roupa não for mista, ele será mais “duro” e menos confortável para brincadeiras!

Jaquetas, calças e camisas feitas com o famoso jeans (ou denim) podem ser 100% algodão ou receberem elastano e nylon em sua composição. Na hora de comprar, esteja atenta a etiqueta, peças somente de algodão serão mais “duras” e pesadas porém, mais duradouras. Peças mistas costumam ser mais confortáveis porém, mais suscetíveis a rasgos e desgaste.

Já reparou que ás vezes, encontramos por aí peças “jeans” que parecem bem mais finas que o normal e também muito mais baratas? Isso acontece quando a peça tem muito mais fios sintéticos e artificiais do que algodão além disso, é comum que calças de sarja ou brim sejam chamadas de “jeans” e você compra outra coisa achando que é só uma variação!

jaqueta jeans

jeans

Flanela

Eu amo roupas de flanela! Este tecido leve, quentinho e super confortável é ideal para casacos, camisas, calças, vestidos…

Ele pode ser originário do algodão ou da lã e em qualquer um dos casos, aquece de verdade! No caso da flanela de algodão, o tecido produz peças de roupas leves, confortáveis e maleáveis, no caso da flanela de lã, algumas pessoas se incomodam com a dureza do tecido e dizem “pinicar” então, para as crianças, eu recomendo sempre a flanela de algodão ou, a flanela de lã com forro de malha de algodão!

flanela

camisa de flanela

casaco de flanela

casaco de flanela

 

Uma dica ótima para a hora de vestir as crianças para encarar baixas temperaturas é o vestir em 3 camadas ou, cebola! Muito habitual de moradores de países que convivem com baixas temperaturas, as 3 camadas na hora de vestir funcionam assim:

  • 1.a camada: respirável, tecido que estará em contato com a pele e deve mantê-la arejada, ser confortável, não causar alergias, etc. O ideal são as camisetas de malha de algodão.
  • 2.a camada: aquecer, peças de roupas que vão aquecer o corpo! Os tecidos ideais são a lã, o moletom, a flanela…
  • 3.a camada: bloqueia o frio, esta camada deverá ser composta por uma peça de roupa que bloqueia o frio externo e mantém o calor interno do corpo. O ideal é que ela seja composta por uma jaqueta de tecido com estas funções e que também seja impermeável.

vestir em camadas

vestir em camadas

moda infantil inverno

Se você imaginar uma mala ou um guarda-roupas de inverno visualizando looks em camadas, verá como fica mais fácil de se organizar e não é preciso gastar tanto! Invista em uma ou duas boas jaquetas impermeáveis e confortáveis, algumas peças que aquecem e maior variedade nas peças que vão em contato com a pele e devem ser mais básicas.

Para uma viagem de 5 dias, por exemplo, eu levei para as crianças: 2 jaquetas impermeáveis, 2 coletes impermeáveis, 5 blusas que aquecem (moletom, lã e flanela) e 8 camisetas básicas de malha de algodão para usar por baixo de tudo.

Além destas peças, alguns acessórios também são essenciais no inverno!

acessórios de inverno

  • Leggings ou meia-calça sem pé fio 80: são ótimas para usar por baixo das calças ou mesmo com saias e vestidos. Aqui em casa, tanto Pedro como Cacá usam como segunda pele em viagens e dias muito frios. Você encontra modelos estampados ou lisos de várias cores.
  • Touca de lã (acrílica); Protegem e aquecem a cabeça e por serem de fio acrílico são mais leves e fáceis de transportar.
  • Touca com protetor de orelhas: o Pedro e a Cacá não gostam de usar aqueles protetores de orelhas peludinhos que eu acho fofo por isso, optei por toucas que já tem as abas laterais longas e servem como protetores. Os modelos de pelúcia (como o da foto) são divertidos, leves e aquecem! Observe apenas que ele possua forro de algodão para evitar coceiras na cabeça da criança.
  • Luvas de lã (acrílica): são leves, confortáveis e aquecem mas, não funcionam para a neve! Neste caso, é melhor optar por luvas de couro ou de poliéster.
  • Cachecóis de lã (acrílica): leves, coloridos e confortáveis são fáceis de transportar e não fazem um super volume no look das crianças assim, não pesam, não caem e não enroscam em nada!

Ah, e como eu mostrei apenas “partes de cima” aqui, deixa eu falar um pouco sobre “partes de baixo”! O princípio de aquecimento é o mesmo para os tecidos, com as opções que temos no mercado atualmente acho que a escolha deve ser feita de acordo com o gosto e personalidade da criança.

Por exemplo, aqui em casa as calças jeans não fazem muito sucesso já que são mais “duras” e limitam os movimentos e brincadeiras das crianças. Eu costumo investir em peças de baixo de algodão com elastano (as famosas leggings), calças de moletom flaneladas e algumas peças em sarja, veludo e jeans para ocasiões mais formais.

Então, agora que já sabemos tudo sobre tecidos basta saber se estamos exagerando na hora de vestir as crianças, né?

Para saber se o seu bebê está com frio ou calor, você deve checar assim:

  • Coloque a mão por dentro da roupinha no tronco do bebê, ele deve estar quentinho!
  • Observe a nuca e as dobrinhas do pescoço. Se ele estiver com calor, estas áreas estarão suando!

É normal que a gente perceba as mãos e pés dos bebês mais gelados, isso acontece porque estas partes estão na extremidade do corpo e assim, levam maior tempo de circulação e demoram mais para se aquecer, não são parâmetros confiáveis de temperatura corporal.

Os bebês e crianças não sentem mais ou menos frio ou calor do que os adultos, a temperatura corporal deles deve estar sempre como a nossa, entre 35,5 e 37,5 graus. A diferença com os pequenos é que, eles ainda não sabem regular a própria temperatura corporal e assim, precisam da nossa supervisão.

Outros sinais de alerta para o excesso ou a falta de calor nos bebês são:

  • Se ele estiver com calor, vai ficar irritado, inquieto, chorando, podem surgir brotoejas e vermelhidão.
  • Se ele estiver com frio, a boca pode ficar arroxeada, podem haver espasmos musculares (tremores) e o bebê fica apático.

Se você também está no time das mães que vestem os filhos feito esquimós, espero que tenha te ajudado com estas dicas de tecidos e peças de roupas. Mesmo que já estejam grandinhos, Pedro e Cacá estão sempre tão mais preocupados em brincar que se eu não ficar de olho, saem pelados na neve e de casaco no verão!

Com o sistema de vestir em camadas, tenho ficado mais tranquila na hora de mandá-los para a escola ou de deixá-los brincar lá fora! #ficadica 

Bjs ;)

Categorias Moda

A bolsa de maternidade perfeita!

Quando estava grávida do Pedro, fazendo o meu enxoval, bati o olho no item bolsa de maternidade e a primeira coisa que eu pensei foi: claro que eu vou comprar uma daquelas bolsas tradicionais, fofinhas, azuis, cheias de carrinhos e mil compartimentos…

Assim eu fiz e, por todo o tempo em que esta bolsa esteve parada fazendo composè com a decoração do quarto do bebê, ela super funcionou mas, quando eu tive que usar ela de verdade, eu descobri o óbvio: quem carrega a bolsa de maternidade é a mãe e não o bebê e por isso, não fazia nenhum sentido que a minha bolsa combinasse com a decoração do quarto do bebê! Ela tinha que ter a ver comigo, certo?

Com uns 3 meses de uso, precisei trocar esta bolsa que não era nada prática e me fazia parecer que estava sempre de mudança, por uma que tivesse mais a ver comigo, que combinasse com as minhas roupas e o meu estilo e que ainda assim, tivesse tudo que uma bolsa de maternidade precisa ter: espaço para as coisas do bebê (trocador, fraldas, lencinhos, brinquedinhos, etc), bolsos para mamadeira e copinhos e ainda espaço para as minhas coisas, né?

Achei uma bolsa que “quase” me atendia mas, não era linda como eu queria que ela fosse, e não era tão prática como eu gostaria. Com a chegada da Catarina, ficou ainda mais urgente a necessidade de ter as 2 mãos livres para as crianças e daí, eu aderi as mochilas!

Mochila é vida! Você distribui o peso nas costas, não fica com o ombro dolorido, consegue carregar tudo o que precisa dentro dela e ainda, um filho no colo e outro pela mão.

Problema resolvido? Quase…

Achar modelos de mochilas que fossem lindos e práticos para mães não é uma tarefa super fácil e eu, que sou aloka da bolsa, amo uma bolsa, e sou bem “chatinha” com bolsas, não conseguia me acertar com nenhuma, até conhecer a MiMs – Made it Myself.

Olha só que idéia genial: a partir de modelos pré definidos, você cria a sua própria bolsa, escolhe cores, enfeites, fechos, alças, tipo de couro e no final, a etiquetinha linda vem com o seu nome!

Eu simplesmente amei poder criar a minha própria mochila “de mãe” do jeitinho que eu sempre quis! Olha elaaaaa:

mãe com filhos no colo

Minhas mãos livres para eles! <3

mochila personalizada

By L. Berezutchi! Que amor!! *—*

Para montar esta mochila com a minha cara, eu entrei no site (que é super simples de usar) e fui seguindo o passo a passo, fazendo composições de cores, mudando de idéia, refazendo, até chegar no ideal e daí, quando ela chegou em casa, o amor ficou ainda maior:

site made it myself bolsas

No site, eu fui escolhendo tudo pra deixar do jeito que eu queria…

mochila personalizada mde it myself

Daí, ela chegou assim! Toda linda e do jeitinho que eu fiz! Ela tem fechamento duplo com zíper e tampa e é cheia de compartimentos internos e externos: 2 bolsos laterais que cabe mamadeiras e copinhos, 1 bolsão externo com zíper, 1 bolso interno com zíper e bolsão para celular. Cabe um trocador portátil, tablet e até um notebook pequeno. Para as mães que estudam, também cabe cadernos!!

mochila personalizada mims bags

A Cacá estava me pedindo uma bolsa igual a minha fazia muito tempo então, eu aproveitei que lá no site da MiMs tem muitos modelos lindos customizáveis, e já fiz uma linha “tal mãe, tal filha” super divertida com o modelo Candy Faces:

mae e filha de bolsas iguais

A alegria dela de ter uma bolsa fazendo par comigo! <3

bolsa personalizada candy faces mims bags

Esta é para quando eu for sair sozinha ou com a Cacá para compromissos mais rápidos (em que eu não preciso levar uma “bagagem”) ou festinhas! Fiz a da Cacá com a alça mais curta pra ela poder usar a bolsa no ombro ou carregar na mão e a minha, coloquei uma alça mais longa para usar transpassada.

bolsa personalizada mims bags

Apenas apaixonada! *—*

Minhas MiMs estão fazendo o maior sucesso por aqui e eu não consigo desgrudar mais delas! E se você está procurando aquela bolsa de maternidade perfeita, vai fazer a sua lá no site da MiMs!

Tem todos os modelos que você imaginar: de festa, de trabalho, tiracolo, do tipo country que tá super em alta… Pra quem tá sem inspiração, lá no site você também encontra idéias de modelos e cores que ficam lindas e é claro, brincar de montar e remontar a sua bolsa, até ela ficar como você sempre sonhou, é muito legal!

Super recomendo! Vai lá fuçar (clica AQUI) e depois me mostrem suas criações!

Bjs ;)

tag

Categorias Moda

Desafio Brandili: E se as crianças vestissem as mães?

Foi esta a pergunta que a Brandili me fez, e eu topei o desafio de deixar o Pedro e a Cacá escolherem as minhas roupas por 5 dias, para descobrirmos o que aconteceria!

Os looks engraçados e inusitados, vocês acompanharam lá no instagram (@bagagemdemae) todos os dias e hoje, vou mostrar pra vocês os resultados desta experiência, que foi muito mais do que “apenas” vestir!

Desde o momento em que nos descobrimos grávidas, já passamos a “vestir” os nossos filhos! Escolhemos com todo amor e carinho, cada uma das pecinhas que vão compor o enxoval, é com aquelas roupinhas que estes pequenos vão “estrear” no mundo e fazer estas escolhas, é muito mais do que apenas cobrir seus corpinhos!

Escolhemos cheias de amor, sonhos, expectativas, carinho e cuidado. Do body ao macacão, passando por cobertores, casaquinhos e sapatinhos, cada uma das roupinhas dos nossos pequenos, está carregada dos mais profundos sentimentos e vê-los, finalmente, “entrando” em cada uma destas peças, faz nossos corações transbordarem de alegria!

Daí, eles vão crescendo e começam a querer fazer suas próprias escolhas, descobrem como é que se abrem portas e gavetas, arrancam meias e sapatos, aprendem a vestir e fazem suas próprias combinações! A gente morre de orgulho de ver como eles vão crescendo e buscando suas identidades, sua independência…

Escolhemos cores, texturas, marcas, enfeites, dizemos o que é “roupa de festa”, “roupa de escola”, “roupa de ficar em casa”… E todas estas escolhas que fazemos por eles, vão se transformando em influências, em exemplos e aos poucos, eles vão “captando” tudo isso e transformando em alguma coisa que é “meio a gente, meio eles”.

Nesta semana de desafio Brandili, a minha maior descoberta foi ver como eles estavam adaptando tudo isso que eu, mesmo sem querer, estava ensinando para eles. E foi mega divertido!

Logo no primeiro dia, eu constatei com alguma “dor” aquela máxima de que criança “não sente frio”! Eles escolheram um vestido pra mim, estava frio, reclamei, me deram um colete! Hahahaha

missao vestir brandili

O look estava todo bonito (apesar de as minhas pernas estarem roxas) daí, eles escolheram esta sapatilha de bolinhas e laço amarelo, eu não achei que combinava e torci o nariz, mas vesti! Fomos almoçar no shopping e as pessoas estavam me olhando, eu achei que era por causa do sapato, mas era por causa das minhas pernas de fora no frio de SP!

No segundo dia, eu reclamei que eles me fizeram passar frio então, eles capricharam nas roupas quentinhas!

missão vestir brandili

Eu morri de rir ao vestir, mas vou confessar que estava mesmo bem aquecida! Na hora da foto, eles me explicaram o porque de estar tudo combinando: pra eles as cores e tons se complementavam com as roupas deles, as estampas étnicas, geométricas, animal print e camuflada eram uma continuação umas das outras e quando observei deste ponto de vista, achei que até fazia sentido!

No terceiro dia, tínhamos uma festinha de aniversário em família! O Pedro correu escolher um sapato de salto pra mim, ele disse que festa era pra usar salto alto e que ele me achava linda com salto. Fiquei pensando que a relação entre salto alto e festa pode ser uma coisa minha, sabe? Como não uso muito salto alto no dia a dia, eles têm esta referencia de salto alto = festa!

missão vestir brandili

Cacá tinha escolhido pra ela um vestido lindo da Brandili que vem com este coletinho de couro ecológico e daí, decidiu que eu deveria usar a minha saia de couro também, pra ficarmos “iguais”. O Pedro colocou uma camiseta preta também e ficamos todos na mesma “vibe”.

Passei frio nas pernas de novo mas, ninguém me olhou estranho e eu adorei a escolha do moletom cinza, confortável e quentinho!

No quarto dia, o look foi todo escolhido pelo Pedro! Ele queria que eu ficasse mais parecida com ele e por isso, optou por blaser, tons escuros, sapato mais neutro… Fiquei feliz de ver ele curtindo a brincadeira e tirando fotos, normalmente ele não tem muita paciência! hehehe

missao vestir brandili

A Cacá queria que eu tivesse alguma coisa “dela” e então, correu pro meu armário pra achar a coisa mais cor de rosa que ela podia, e me deu este cachecol Pink!

Mas o mais inusitado deste look, foi a “exigência” deles de que eu não usasse maquiagem e deixasse meu cabelo solto ao natural porque, segundo eles, “eu sou linda do jeito que eu sou”. Derreti de amor, né?

No ültimo dia de desafio, eles acordaram felizes porque era dia de brinquedo na escola e daí, decidiram que as nossas roupas deveriam ser “fantasias”! Procuraram no meu armário e me vestiram assim “de pirata”! hahaha

missao vestir brandili

Quando eu vi esta mistura de calça estampada com colete de maxi estampa, achei que ia ficar esquisito mas, depois que vesti, até que gostei do resultado preto e branco e achei que o mais incrível foi que, eles não fizeram esta escolha por causa de cores nem nada disso.

Eles escolheram porque acharam a roupa divertida, feita para brincar com eles, a Cacá estava com seu vestido de “Elsa” (Frozen) e o Pedro com a “roupa mole” de se mexer!

Conclusão, as crianças não se vestem por causa de combinações, tendências, moda ou estação do ano. Elas se vestem inspiradas para brincar, criar, se divertirem e estão muito mais preocupadas em “combinar” com as pessoas que amam e com os sonhos que criam, em todos os minutos, do que com qualquer outra coisa.

E quando foram desafiadas a me vestirem, elas juntaram suas próprias visões sobre o que é “vestir” com as referencias e exemplos que recebem de mim, todos os dias.

O resultado foi, uma redescoberta pra mim, sobre o vestir lúdico, livre, sem pensar em opiniões alheias e sim, focando na diversão, conforto e alegria de me “fantasiar” para a vida! O que mais desejo, é que eles possam preservar tudo isto com eles pra sempre afinal, a gente não deveria esquecer nunca que vestir também é fantasiar, e que o mais importante é que estejamos felizes com quem somos, né?

Agora, tenho ainda mais certeza de que roupa de criança precisa ser exatamente assim: com muito conforto, muita qualidade, feita para brincar, sonhar, se mexer muito e agüentar o tranco da energia deles!

Amei participar desta experiência, fiquei super feliz ao perceber que tenho transmitido coisas boas pra eles, que as minhas escolhas têm sido acertadas e duas lições ficam desta semana “maluca”: 1 – as crianças não têm noção da necessidade de se proteger e por isso, precisam muito da nossa orientação e carinho, ao fazer estas escolhas por elas e, 2 – vestir é fantasiar sim, e preservar esta magia faz com que as crianças cresçam felizes e confiantes!

E vocês, teriam coragem de deixar os pequenos escolherem as suas roupas também? Já pararam para pensar como as escolhas que fazem por eles refletem em quem eles estão se tornando? Aproveita para ir lá no site da Brandili e dar uma olhada no vídeo fofo da Missão Brandili, clica AQUI

Bjs ;)

tag

Categorias Moda

Laços, fitas e tiaras para meninas: modelos e cuidados

Quem me acompanha a mais tempo sabe que, logo que descobri que estava grávida da Cacá, passei uma fase bem complicada de negação. Demorou um pouco até que eu começasse a aceitar a idéia de que estava grávida de novo, de uma menina, e que isso era maravilhoso!

Passada esta fase, resolvi mergulhar de cabeça neste mundo de fofurices de meninas! Comprei muitos laços, fitas e tiaras pensando em “embonecar” a minha pequena princesa que estava para chegar.

Daí, quando ela nasceu eu simplesmente não consegui usar nela, nada do que comprei! Descobri que, aquela cabecinha frágil e delicada não poderia ser “adornada” com qualquer enfeite, também descobri que a Cacá ficava muito irritada com coisas no seu cabelo e por fim, me dei conta de que, ela já era tão linda, que eu nunca conseguia incluir mais nada em sua perfeição! #soudessas hihihi <3

Á medida em que ela e os cabelos dela foram crescendo, achei que poderia arriscar usar alguns acessórios e daí, comecei a fazer uma triagem por aqueles que eu considerava mais seguros! Eu escolhia assim:

  • Optava sempre por faixas ao invés de tiaras com armação pois, sendo ela ainda bebê, eu tinha muito medo de ela arrancar da cabeça e se machucar!
  • Evitava modelos que tivessem bordados miúdos como pérolas, lantejoulas e afins que poderiam ser arrancados por ela e enfiados na boca, nariz, ouvido…
  • Evitava fivelas daquele tipo “tictac” que não fossem encapadas por inteiro! Como elas tem uma pontinha de metal, eu tinha medo de ao pegar no colo ou alguma coisa do tipo, ela pudesse se machucar com aquilo então, sempre optava por modelos que eram encapados com tecido!
  • Na hora de escolher as faixas, eu sempre preferia as feitas com malha ou nylon (porque estica bem) e evitava as feitas com elástico em toda a volta.
  • As minhas prediletas eram/são as faixas de tecido bem estampados e coloridos (porque não precisa de bordado) e que têm elástico só na parte de trás assim, não fica apertando a cabeça dela.
  • Hoje em dia, ela já usa tiaras de armação mas, sempre opto por modelos que tenham as pontas encapadas e não sejam muito justas, pra não machucar a cabeça!
  • Também usamos tictac e outros modelos de fivelas, mas ainda continuo preferindo as encapadas!

Dei uma vasculhada nas fotos antigas da Cacá e também pela internet, e achei vários modelinhos diferentes e lindos de faixas, fitas e tiras para pequenas princesas em todas as fases, olha só:

faixa de bebê

Cacá aos 7 meses com uma faixa de tecido de algodão! Amavaaaa este modelo da Bebê Básico!! <3

faixa de bebe

Modelo com fita de nylon e laçarote bem grande! A fita de nylon não aperta a cabecinha do bebê!

faixa para bebê

Outro modelo com fita de nylon e uma flor de feltro! Achei no Etsy!

faixa de bebe

Mais uma idéia de faixa fininha com feltro! A base é de nylon com corações de feltro sobrepostos! Uma graça!

faixa para bebê

faixa para bebê

faixa para bebê

Super estilosa e mega confortável, a faixa de malha dá pra fazer em casa! A Marina, do blog Petit Ninos, ensinou a fazer neste passo a passo AQUI

faixa de cabelo

O resto de uma meia calça de lurex também pode servir de faixa de cabelo! <3

faixa de cabelo

Amooo estes modelos com tecido super estampado e nó!

tiara de cabelo

Este modelo com armação (da Brandili) também é dos nossos prediletos! Delicado e todo revestido para não machucar!

fita de cabelo

modelo de laço mega fofo da Gumii!

laço de cabelo

Modelo mini bico de pato todo revestido. O charme ficou por conta da posição do laço! Amei a idéia!

laço de cabelo

Modelo de tictac da Cacá! Ele é todo encapado e tem uma flor de cetim!

E onde comprar? Bom, eu acho que depende muito do seu estilo e dos modelos que você e a pequena mais curtem!

Eu adoro os modelos artesanais, mas sou bem chata com detalhes então, não consigo comprar “qualquer um”, aprecio muito a delicadeza do artesanal, mas sem exageros, sabe? Quando quero comprar peças assim, dou uma olhada nos seguintes sites:

www.elo7.com.br

www.tanlup.com.br

www.etsy.com (apenas alguns artesãos entregam no Brasil, fique atenta!)

www.lacaroty.com.br

Quando estou querendo coisas mais despojadas e moderninhas, eu dou uma fuçada nestes aqui:

www.bebestore.com.br (procure por Gumii)

www.bebebasico.com.br

E em lojas físicas como Acessorize London (tem lojas em alguns shoppings de todo o país), PampiliLilica&Tigor1+1Fábula e de lojas de departamento como Renner, Zara, Forever21, C&A e Riachuelo.

Tão gostoso brincar de boneca com as nossas bonecas de verdade, né? hehehe

bjs ;)