Categorias Vida de Mãe

Sim, você é uma mãe normal!

Já repararam como mil coisas passam na cabeça de uma mãe ao longo do dia? São preocupações que vão desde as financeiras e de saúde até as mais simples, como resolver o que vai ter para jantar!

É tanta coisa, tanta coisa, tanta doidera que a gente fica sempre se perguntando: será que eu sou uma mãe normal? Será que toda mãe é assim? Será que é isso mesmo?

Eu sei que pode parecer estranho pra você, mas eu tô aqui pra te contar que sim, você é uma mãe normal!

Sabe quando você corre o dia inteiro pra cima e pra baixo, fazendo mil e uma coisas e dando conta de tudo e mesmo assim, no fim do dia tem aquela sensação de que não fez nada?

Isso é absolutamente normal!

 

E quando você não consegue dormir apesar do sono excruciante que te fez passar o dia inteiro no modo zumbi mas, basta tocar a cabeça no travesseiro para surgirem mil coisas que você esqueceu de fazer, ou pretende fazer amanhã e preocupações que nem são realmente importantes e você fica pensando como é possível que apesar de tanto cansaço você não consegue ser igual ao seu marido e simplesmente deitar e dormir de roncar?

Isso também é normal!

mãe normal

E aqueles dias que você acorda se sentindo a melhor mãe do mundo, abalando geral, fazendo comida no estilo MasterChef, dando conta da casa e das crianças sem um único grito, sentando no chão pra brincar, fazendo penteados elaborados na filha e ainda marcando o pediatra, ligando pra mãe e entregando aquela tarefa de dias atrás no escritório e mesmo assim, no dia seguinte, sente como se fosse um total fracasso e nada na sua vida desse certo?

Complemente normal!

mãe normal

E se você não tem tempo de postar mil fotos nas redes sociais do seu filho, de dedicar um blog-diário a cada pequena grande conquista dele, se não faz as festas de aniversário manualmente e muito menos se interessa em criar brinquedos manuais pra ele… Isso é normal, viu?

Tem dias que, apesar de você morar numa casa cheia de crianças fazendo barulho e coisas acontecendo o tempo todo, você se sente sozinha e desolada e isso é muito normal!

mãe normal

Você tem na sua cabeça a mãe perfeita que você é, a mãe idealizada e que dá conta de tudo e você sabe exatamente o que precisa fazer para ser esta mãe que você mesma idealizou mas, mesmo assim, você tem a sensação de que nunca será esta mãe que você quer tanto ser e sabe de uma coisa?

Isso é normal!

E a maior de todas as provas de que você é normal, é o fato de que talvez você NÃO AME SER MÃE todos os segundos de todas as horas de todos os dias de sua vida mas, você jamais vai dizer isso em voz alta e muito menos admitir para o mundo e tá tudo bem! Isso também é normal!

mãe normal

Mais normal ainda é você ter todas estas preocupações na cabeça, é você sentir todo este misto de emoções e sentimentos como se a sua vida fosse agora uma montanha russa maluca e você estivesse colada no primeiro assento!

Na verdade, sentir tudo isso é apenas a prova maior de que você é uma ótima mãe! De que você está fazendo um ótimo trabalho e de que é uma mãe de verdade!

Então, quando te perguntarem por aí por que você está sempre correndo, cheia de olheiras, sem tempo para os amigos, dizendo coisas que não fazem muito sentido ou indo até a padaria de pijama, não pense que você enlouqueceu ou que tem alguma coisa de errada com você!

Você é completamente normal! Uma mãe normal, uma ótima mãe e talvez, estas pessoas que te dizem estas coisas já saibam disso, elas apenas não conseguem evitar o comentário e daí, tudo o que você precisa responder para elas é: tudo bem! É tudo normal!

E viva sermos normais, porque talvez o nosso normal agora, seja estar de cabeça para baixo! :D

mãe normal

 

PS: A Kristina Kuzmic tem um canal no YouTube cheio de vídeos engraçadíssimos sobre a maternidade “normal”, inclusive um que eu assisti recentemente e inspirou este post! Vai lá conhecer o canal dela, recomendo muito! ;) 

Categorias Decoração

A Festa Mexicana da Cacá – Fiesta de Los Muertos

Contei pra vocês neste outro post AQUI que, no seu aniversário de 7 anos a Cacá escolheu como tema uma festa mexicana, a Fiesta de Los Muertos!

Depois de assistir ao filme Festa no Céu, ela ficou encantada com as cores, música, acessórios e alegria desta comemoração tão bonita e típica da cultura mexicana, e é claro que eu amei a idéia, né?

Queria muuuuito ter feito um festão, já tinha muitas referências e já estava com tudo bem prontinho na minha cabeça mas, em tempos de crise, o máximo que consegui foi organizar uma festa na escola para garantir que a minha pequena não ficasse sem festinha! :/

Na escola das crianças, não dá pra inventar muita coisa! A lista de proibições é bem grande e por isso, é preciso usar muito mais criatividade para conseguir que a festinha seja mais ou menos como ela queria!

Como eu não podia montar uma mesa decorada na escola, nem mandar um bolo super lindo, investi no tema na hora de montar o kit lanche e as lembrancinhas!

Montei marmitinhas com salgados, suco e cupcakes e fiz uma arte para a capa de cada uma das marmitas com os personagens e cores do filme!

festa no céu

Para as lembrancinhas, investi em caixinhas coloridas e muitos docinhos e quis muito dar para as crianças uma caveirinha mexicana que poderia ser usada como chaveiro ou para enfeitar o quarto, o guarda-roupas…

festa na escola

festa no ceu

Quem fez pra mim estas lindezas foi a minha prima Thais, ela é artesã e faz muitas fofurices de feltro personalizadas do jeitinho que você quiser! Inclusive aqueles Quiet Books (que eu mostrei neste post AQUI) ela faz sob encomenda e ficam lindoooos!

quiet book

Pra conhecer mais do trabalho dela, acesse a fanpage dela clicando AQUI

A festa mexicana da Cacá foi simples mas cheia de amor, ela se divertiu muito na escola com os amigos e o mais bacana foi que, com este tema super original ela ainda pôde brincar e ensinar para os amigos um pouquinho do que aprendeu e amou da cultura mexicana.

Se vocês também curtiram a idéia, deixei um arquivo com as artes prontinhas para customizar e imprimir! Clica na imagem abaixo para abrir!

festa no ceu

Este ano Cacá está em dúvida entre uma festa com o tema Sorvete ou Arco-Íris, até novembro tem tempo pra mudar de idéia, né? hehehe

Amo fazer festa pra eles, ainda mais com temas diferentões assim! Ah, e quem vai fazer festa na escola e está perdida, tem um post AQUI com muitas dicas, clica aí!

Bjs! ;)

Categorias Cinema&Cultura

Por que assistir ao novo A Bela e a Fera?

Se você, assim como eu, cresceu nos anos 90 certamente foi influenciada pela Disney e sua magia de príncipes, princesas, fadas e tudo mais, certo?

Com certeza, se você foi uma criança dos anos 90 que teve a influência Disney na sua vida, que teve acesso aos filmes, livros, brinquedos, etc. você também tinha uma princesa preferida, uma princesa que era a “sua princesa”, certo?

Bom, a “minha princesa” sempre foi a Bela! Ela era a princesa que mais se “parecia” comigo, a princesa que não era loira dos olhos azuis, a princesa que vivia enfiada nos livros e fugindo para o mundo da imaginação, a princesa que todas as outras pessoas tiravam sarro e faziam bullying, a princesa que sempre tinha um mala no pé e por não se interessar por ele, passava por arrogante…

A Bela era como um “alter ego” para mim, uma menina de 8/9 anos que estava justamente na época em que precisava de identificação, de influências positivas na vida, sabe como é?

Enfim, eu cresci e sempre tive a Bela no meu coração então, quando eu descobri que estavam filmando um live action do meu desenho Disney predileto e ainda por cima que a Bela seria a Hermione, eu tinha certeza que eu PRECISAVA ver este filme!

a bela e a fera filme

Eu só não sabia ainda, que seria tão especial vê-lo ao lado da minha filha, que tem agora a mesma idade que eu tinha quando conheci a Bela!

A Cacá nunca assistiu o desenho original de 1991, fomos ao cinema ver o live action e ela teve contato com a história pela primeira vez. Foi muito emocionante vê-la se encantar com as mesmas coisas que eu eu, rir das mesmas piadas, cantar as mesmas músicas…

Foi como se eu pudesse ter levado ela para o passado para “me visitar” quando era criança, meio confuso, eu sei! Mas a minha identificação com a Bela é tanta que é assim que eu me sinto e é claro, não consegui segurar as lágrimas logo na primeira canção!

Antes de ir, tinha visto alguns trailers e lido algumas críticas e comentários, a própria Disney convidou a gente para a pré-estréia mas, eu preferi esperar pelo dia perfeito para ir com a minha pequena, e foi demais!

As canções estão iguaizinhas as do filme original, Emma Watson (Hermione) arrasa como a Bela, os móveis, castiçais, piano, xícaras e bules do castelo estão incríveis e as cenas de dança e cantoria conseguiram ser fiéis de uma maneira que eu jamais imaginei que eles conseguiriam fazer, mas fizeram!

E a classificação etária?

Então, algumas pessoas me disseram que estava com classificação etária de 10 anos, aqui no cinema que eu fui estava como Livre e de toda forma, é um filme Disney ou seja, as cenas de lutas entre a Fera e o Gastón são tão “violentas” #sóquenão como seriam em qualquer outro filme Disney para crianças, nada demais!

E a cena gay?

Sinceramente? Cadê a cena gay? Não vi nenhuma! Eu vi uma personagem super carismática que tem um amor platônico pelo vilão do filme e que por ser uma alma boa, no final do filme curte a festa com a galera! E posso garantir que é exatamente isso que o seu filho/a também vai ver!

A maldade está na cabeça dos adultos preconceituosos e eu fiquei mega feliz com a coragem da Disney em deixar a personagem ser o que é, sem medo!

lefou

Saímos do cinema, eu e Cacá, encantadas com o filme e o diálogo mais arrebatador deste dia não foi uma conversa da Bela e a Fera, foi uma conversa de mãe e filha:

– Amei o filme, mãe!

– Eu também, filha!

– Mas eu queria que a Fera ficasse Fera mesmo, era muito mais fofinho!

– Foi exatamente o que eu disse quando assisti pela primeira vez, filha! <3

novo a bela e a fera

“Sentimentos são…”

Categorias Cinema&Cultura

Exposição Frida e Eu

Nós amamos exposições e somos todos apaixonados por Frida Kahlo! Daí, fiquei mega feliz quando fiquei sabendo da exposição Frida e Eu que acabou de chegar a São Paulo!

Você não vai encontrar por lá obras da artista, mas a proposta da exposição é envolver as crianças nos processos criativos da Frida e na sua história de vida!

Com instalações que convidam as crianças a tocar, mexer, interagir, escutar e perguntar muito, eles podem experimentar pintar deitados e olhando no espelho, como a Frida fazia quando estava no hospital…

exposição frida e eu

sentar em cadeiras malucas e ver raio x de seus ossos, uma rotina na vida da Frida! Descansar um pouco na “varanda” com macacos, pássaros e natureza da Casa Azul! Montar um esqueleto gigante no estilo Katrina Mexicana, tão importante e tão presente nas obras da artista…

exposição frida e eu

saber como era a vida pessoal da artista montando a sua árvore genealógica, ouvindo sua história em cabines telefônicas ou se vendo em espelhos em tamanho real de Frida e Diego.

Quem ama os autorretratos da Frida, também pode entrar na cabine e montar o fundo, colocar os acessórios e fotografar-se como Frida!

exposição frida e eu

Além das instalações super interativas, ainda acontecem oficinas para as crianças onde elas podem criar pulseiras e tiaras com as flores da Frida, pintar autorretratos ou criar diários cheios de detalhes!

A exposição está muito bacana e vale muito a pena levar as crianças! Não é muito grande e por isso mesmo, não é muito cansativa!

Para que todos possam curtir todas as instalações com calma e sem lotação, a entrada é liberada em sessões de 1 em 1 hora mas, não desanime!

A exposição está acontecendo no Unibes Cultural, que oferece um espaço bem gostoso para você esperar a sua vez! Com exposições fotográficas, lanchonete, praça e aos finais de semana, um bazar bem bacana de produtos artesanais.

Serviço

Exposição Frida e Eu – Unibes Cultural

De 11/03 até 30/06

Rua Oscar Freire, 2500 – Sumaré (do lado do metrô)

Segundas-feiras: Gratuito

Terça a sexta: R$ 24,00 (inteira) e R$ 12,00 (meia)

Sábados R$ 30,00

Aos domingos não abre!

Horário: das 10h30 ás 19h30

As oficinas acontecem aos sábados das 15h ás 16h

O espaço é super acessível e dá para ir com carrinho de bebê!

Para maiores informações, acesse o site oficial da Unibes clicando AQUI

exposição frida e eu

Fica aí a nossa super dica de passeio com as crianças pela capital, vai lá!

Bjs ;)

Categorias Vida de Mãe

Depois dos cinco…

Quando eu estava lá nos meus primeiros dias como mãe de 2 bebês (Pedro, 2 anos e Cacá recém nascida) e as coisas estavam punk, sempre tinha alguém que me dizia: “Calma! Depois dos cinco anos tudo vai melhorar!”

Os pediatras me diziam isso, as professoras me diziam isso, as mães com filhos mais velhos me diziam isso, a avó me dizia isso e a única coisa que eu queria responder para todas estas pessoas era: “Dane-se! Eu tô no olho do furacão agora!”

Porque convenhamos, quando se tem bebês em casa, cada dia é uma novidade, cada dia é uma batalha e quando você pensa que finalmente conseguiu organizar algum tipo de rotina, tudo muda outra vez!

É claro que, sempre aparecem por aí as “mães perfeitas” que dizem que com elas foi diferente, que foi tranquilo, e que não é bem assim, para elas a única coisa que eu respondo é: ok, amiga! Pode falar a verdade! Ninguém vai te julgar “menas mãe” se você confessar que fica cansada e que tem vontade de fugir!

Enfim, eu confesso! Foi punk mesmo! É punk ainda! Cada vez que as crianças crescem um pouquinho, a gente tem que se virar para dar conta de compreender e descobrir como lidar com a fase nova em que eles estão e ás vezes, tudo isso acontece mais naturalmente e de maneira mais fácil, e ás vezes, a gente fica meio louca primeiro e depois se ajusta! Tá tudo bem!

Mas eis que Pedro e Cacá agora passaram dos cinco anos (ouçam a musiquinha da vitória de fundo) e por isso, resolvi vir aqui fazer uma lista das coisas que realmente ficaram mais fáceis nesta fase.

Cada criança é única e se desenvolve em seu próprio ritmo e principalmente, de acordo com os estímulos, cultura e comportamento familiar em que está inserida mas, de maneira bem geralzona, as coisas que você pode esperar que finalmente vão ficar mais fáceis depois dos cinco, são estas aqui:

1 – Eles vão ao banheiro sozinhos!

Chega de trocar fraldas, gastos com lencinhos, e gritos de “mãe, acabei!” no meio do seu jantar! Depois dos cinco anos, eles já são capazes de ir ao banheiro sozinhos e se limparem sozinhos! Uhuuuu!!!

beyonce

2 – Eles também podem tomar banho sozinhos!

Eu não confio muito na banheira porque criança, já viu né? É tipo onda do mar, basta dar as costas para ela “te pegar” mas, no chuveiro eles podem tomar banho sozinhos!

Ainda costumo entrar lá pra dar uma fiscalizada no excesso de shampoo e condicionador, no desperdício de água e faço uma conferência verbal das partes do corpo que devem ser limpas, e é só isso!

 

3 – Eles vão adoecer menos!

Os pediatras me diziam isso e eu achava que não podia ser verdade, mas é! Desde que sejam crianças saudáveis e sem maiores complicações, a partir dos 5 anos, mais ou menos, as crianças já estão com seus sistemas imunológicos melhor desenvolvidos o que significa menos gripes, menos crises alérgicas, menos crises de asma (se for o caso, como é aqui em casa), menos viroses…

carminha

4 – Menos vacinas!

Nada contra elas, muito pelo contrário! Seguir a caderneta de vacinação é super importante especialmente para garantir que realmente a saúde deles esteja de ferro após os 5 anos mas, depois desta idade, o número de vacinas anuais cai bastante!

O que na prática significa menos choro, menos dor de barriga na mãe #soudessas e menos gastos no laboratório!

5 – Eles se trocam sozinhos!

Sabe aquela coisa de tomar banho sozinho? Então, eles também já são capazes de saírem do banho sozinhos, se secarem, escolherem e vestirem as próprias roupas e sapatos!

E eu amo ver como são estilosinhos em suas escolhas! hehehe <3

6 – Chega de xixi na cama!

Mais uma vez, desde que não existam complicações de saúde, a partir dos 5 anos acabaram os escapes de xixi na cama!

Nesta idade, as crianças já costumam ter total controle de seus esfincteres, inclusive á noite! Claro que pode ser que aconteça um acidente aqui e outro acolá mas no geral, aquela tortura de lençol de xixi e colchão molhado no inverno, acabou!

patrick meme

7 – Eles podem cooperar com você!

Se você, assim como eu, sempre distribuiu pequenas tarefinhas para os pequenos desde sempre (como guardar os brinquedos, os sapatos, etc) pode se surpreender como agora nesta fase, o que antes eles faziam sem reclamação vai se transformar em lamentos intermináveis!

Eles perdem o interesse nas tarefinhas porque agora já não as compreendem mais como um tipo de brincadeira e sim, como tarefas de verdade! Mas isso não significa que você deve desistir, muito pelo contrário!

Agora que já compreendem a importância de suas pequenas tarefas, podem colaborar ainda mais com você e assumir responsabilidades por trabalhos “mal feitos” (acredite, eles vão tentar te enganar!) e aprimorar outros!

8 – Eles já sabem ler e escrever!

Claro que depende muito do desenvolvimento individual de cada criança, mas na média é por volta dos 5 anos que eles aprendem a ler e escrever as primeiras palavrinhas!

Eu amo ler para eles, mas é uma delícia vê-los escolherem os próprios livros, se concentrarem em escrever suas próprias estórias e tudo mais!

9 – Eles ficam bem sozinhos!

Não! Eu não tô dizendo para você deixar as crianças sozinhas, em casa ou em qualquer outro lugar! O que eu quero dizer é que agora, eles já conseguem ficar tranquilos com eles mesmos!

Sabe quando você precisava ir ao banco, pediatra, farmácia ou qualquer outra atividade “chata” e precisava que eles tivessem paciência para esperar e quase sempre isso acabava em negociações intermináveis e ás vezes, algum estresse?

Então, agora eles já conseguem esperar! Ficam tranquilos com eles mesmos, sem tanta necessidade de atenção, colo e afins!

patrick

10 – Eles te compreendem!

Uma das razões pelas quais eles já conseguem ter mais paciência é que agora, eles te compreendem perfeitamente!

O domínio da linguagem faz com que eles possam entender completamente o que você fala e também, faz com que eles possam te dizer exatamente o que pensam, seus desejos, necessidades, alegrias…

Pra quem precisava decifrar choros de bebê e intuir quais eram os motivos de tristeza, inquietação e outras emoções, isso é uma baita vitória, hein? hehehe

11 – Chega de birras!

Agora que eles já conseguem compreender o que você e todas as outras pessoas falam, e também conseguem se expressar, começam a adquirir maior controle sobre suas próprias emoções, o que significa menos birras e pitis!

Não! Não é que isso nunca mais vai acontecer! Acredite, aqui em casa ainda rola alguns pitis básicos, especialmente com o Pedro que agora entra em uma nova fase, a puberdade! Mas eles diminuem bem, e eu espero estar fazendo um trabalho suficientemente bom para que os meus filhos não sejam como estes adultos por aí que ainda dão destas!! /0\

oprah

12 – A mala de viagens finalmente fica menor!

Sabe quando você começava a pensar em férias em família e só de lembrar na quantidade de coisas que precisava carregar, já quase desistia?

Então, isso também passou! Não precisa mais levar pacotes de fraldas, papinhas, naninhas, brinquedos, mil tipos de snacks, latas de fórmula e leite, remédios, distrações…

Aqui em casa, as crianças já inclusive carregam suas próprias malas de viagem e é claro que ainda mantenho uma listinha de coisas básicas que podem ser necessárias na viagem (especialmente as que se referem a cuidados de saúde e higiene) mas de resto, está muito mais fácil!

Eles já comem a mesma comida que a gente então, nada de papinhas e nada de sofrer para achar restaurantes que tenham coisas que eles comem! Não preciso me preocupar em levar latas de fórmula ou leite em pó, porque eles tomam o leite que estiver servido e por aí vai!

13 – A sua bolsa só pra você!

A não ser que você seja super adepta de carregar aquelas maxi bolsas com a casa dentro, você vai ficar tão feliz quanto eu em perceber que já pode sair de casa com uma bolsinha! <3

Não precisa mais de trocador, fralda, lencinhos, brinquedos, troca de roupa, mamadeira, suco, lanchinho… Tá, bom! Vou confessar que ainda carrego coisas deles na minha bolsa, mas bem menos! Em uma bolsa pequena eu coloco a minha necessaire com lencinhos para eles e, dependendo do tempo que vamos passar na rua, também carrego um pacotinho de biscoitinho e é só!

branca de neve

14 – Eu uso a roupa que eu quiser!

Qualquer cor de cabelo, qualquer tamanho de salto, qualquer tipo de creme no corpo, qualquer perfume, e qualquer blusa!

Agora que estão grandes, você também volta a ter autonomia sobre o seu próprio corpo! É meio bizarro pensar nisso mas, se você for como eu, com certeza deixou de usar saltos, roupas mais apertadas e que limitavam movimentos ou com muitos detalhes delicados que poderiam ser ingeridos por eles, perfumes muito fortes, passou muito tempo usando blusas que eram fáceis para amamentar, tomando cuidado com as químicas de produtos de beleza que podiam entrar em contato com o seu corpo…

Sim! A gente muda muito, inclusive nosso modo de vestir! E agora que eles estão maiores, você pode voltar a usar tudo o que gosta e evitava mas, talvez se surpreenda (como aconteceu comigo) com o quanto os seus gostos pessoais mudaram, e isso é ótimo!

Claro que, como eu disse lá no começo, tudo isso depende muito de cada criança e suas necessidades! Mas em geral, as crianças vão se desenvolver sim, e muito, depois dos cinco!

Dá saudades de dar banho, carregar no colo e ter aquele cheirinho de bebê pela casa? Claro que dá! Mas pra ser muito honesta, eu curti tanto cada fase de vida deles que estou bem feliz com tudo o que passou e curtindo muito esta nova fase aqui!

Então amiga, se você está aí sofrendo numa fase chatinha como o desfralde, a introdução alimentar, a adaptação escolar e outras, acredita em mim: vai passar!

E quem também está nesta minha fase, aumenta a minha lista de coisas que estão mais fáceis agora!

Bjs! ;)

Categorias Vida de Mãe

Brincadeira de menino

Pode até parecer que estou repetitiva, que o tema do blog é só este mas, o assunto está tão na minha cabeça que acho natural que eu esteja prestando mais atenção nestas questões, sabe?

Olha só o que aconteceu aqui em casa…

Eu nunca nunquinha disse para os meus filhos “isto é brincadeira de menino” ou “isto é brincadeira de menina”. A medida em que eles foram crescendo, sempre estiveram brincando juntos, encontrando os mesmos desafios e dificuldades, sem nenhuma limitação por gênero.

Daí que, o Pedro sempre brincou de casinha com a irmã, de comidinha, de Barbie, de bonecas, de escolinha… e pra ele é muito natural participar destas brincadeiras com outras meninas também!

brincadeira de menino

As amiguinhas da Cacá também são amigas dele e como eles têm pouca diferença de idade (apenas 2 anos) os interesses deles são sempre muito parecidos!

Este final de semana, o Pedro e a Cacá desceram aqui no playground do condomínio para brincar com os amigos. Chegando lá, estavam apenas as meninas, 2 delas + a Cacá, e o Pedro era o único menino.

Como sempre, ele nem deu atenção a isso, se juntou a elas e começaram a brincar de fazer comidinhas com florzinhas e grama do jardim (o zelador ama #soquenão hehehe) e estava tudo bem!

Ficaram brincando assim, todos juntos e na paz por mais de 2h seguidas até que, um outro amiguinho da turminha resolveu aparecer por lá e daí, pronto! A transformação aconteceu!

O meu filho que sempre brinca com a irmã e as outras meninas de qualquer coisa, assim como elas sempre brincam com ele de tudo, de repente se transformou num machistinha dizendo coisas como: “esta brincadeira é de menininha!”,  “Isto é um saco!”,  “Você é uma boba!” e inclusive brigando e maltratando a irmã e as amigas!

Eu fico louca da vida!!

A gente tá aqui, diariamente educando, ralando, falando, corrigindo, explicando e dando exemplos para que os filhos sejam sementes do bem e vem as interferências externas para colocar todo o nosso trabalho a perder?

Vocês já tiveram esta sensação? De que o mundo inteiro está conspirando para que o seu trabalho como mãe seja um fracasso?

Sabe, eu sei que não sou perfeita! Eu sei que ás vezes posso tomar decisões erradas na educação dos meus filhos e sei que as outras mães podem concordar ou discordar de mim, mas eu também sei que estou sempre fazendo o meu melhor, que todas as vezes que errei foi tentando acertar usando tudo o que eu tenho de informação e capacidade!

Daí, vem o “mundo” envenenar o meu filho? Ah, não!

Quis entender direitinho a história e o por quê do comportamento do meu filho, ele contou a versão dele, a Cacá contou a versão dela e tudo ficou claro!

Quando o tal menino apareceu por lá, ele queria que todos fossem brincar do que ele queria brincar mas, todos estavam envolvidos com a brincadeira que já estava rolando e assim, não toparam a sugestão dele.

Não conseguindo persuadir toda a turma (composta por mais meninas que meninos) ele apelou para o único outro menino do grupo buscando um apoio de gênero e dizendo para o meu filho que aquela brincadeira lá era chata, era “de menina” e que ele não podia ficar brincando com “as menininhas”!

Ou seja, o garoto veio com o discurso machistinha, que ele provavelmente só está repetindo e nem entende o que significa de verdade, e tentou levar o meu filho para o lado negro da força!

Mas aqui não!

Depois de entender toda a história, fiz o Pedro e a Cacá caminharem na linha de raciocínio que mostrava pra eles todos os acontecimentos daquele momento e assim, ele mesmo chegou a conclusão sozinho de que, se deixou influenciar negativamente por um “amigo” que ao fazer este tipo de coisa com ele se provou não tão amigo assim!

E como resolver a questão?

Já que a atitude do Pedro e do “amigo” dispersaram a turminha e acabaram com a tarde de brincadeiras, o pai fez o Pedro ir bater de porta em porta, andar por andar, na casa de todas as amigas para pedir desculpas!

Desculpas aceitas, todos puderam descer para brincar mais um pouco! O garoto, irritado, subiu e não desceu mais e isso não foi motivo de alegria pra mim!

Porque eu penso que, este garoto passou o resto da tarde se sentindo sozinho, isolado, preterido… E eu não conheço a família dele para dizer se ele voltou pra casa e se divertiu por lá, se contou ou não contou aos pais o que aconteceu, se os pais dão a mesma importância que eu pra isso, ou mesmo se o próprio garoto sofreu de verdade!

A única coisa que eu sei com certeza é que, apesar de o garoto ter tentado envenenar o meu filho e carregá-lo para o lado negro, eu sei que ele é inocente! E já disse ao Pedro e a Cacá que, quando ele descer para brincar, eles não devem isolá-lo ou não falar com ele, mas convencê-lo a brincar com eles, do que eles estiverem brincando!

Eu confio nos meus filhos e sei que eles sabem reconhecer o que é uma brincadeira legal e o que é uma brincadeira que não é legal (claro que dentro de suas capacidades etárias emocionais) e por isso, acredito que se o garoto pode envenenar pro mal, eles também podem “envenenar” pro bem!

E ainda se partirmos do ponto de vista da sororidade, não é meu papel julgar o trabalho que a outra mãe está fazendo com este filho que tem este tipo de atitude. Mas é meu papel como mãe DOS MEUS FILHOS, mostrar a eles que o acolhimento e a compaixão podem ser as armas mais poderosas do mundo!

Criar filhos dentro de uma redoma seria com certeza muito mais fácil, mas isso é impraticável! O mundo está aí, tentando carregar todos eles para o lado negro, “atacando” as escolhas que fazemos como mães e tentando nos convencer que “é assim mesmo”, e eu sei que muitas vezes esta batalha diária parece estar perdida!

Mas toda vez que vejo meus pequenos cometerem atos espontâneos de generosidade e bondade, eu sinto que tudo vale a pena! E ser mãe é amar sem desistir!

Então, podem vir imperadores do mal, a Força é forte aqui em casa e vamos resistir! ;)

Categorias Cinema&Cultura

13 Filmes para inspirar meninas empoderadas

Eu queria fazer um post especial para este Dia das Mulheres, mas eu tenho tanta coisa a falar sobre o assunto e não me sinto confortável para dissertar com argumentos históricos ou políticos.

Não é que eles me faltem, é que o assunto é pra mim tão sério, tão importante, de tanto valor, que me sentiria leviana ao tratá-lo de qualquer maneira, sabe?

Pensei bastante e decidi falar sobre ele de forma talvez mais didática e em ambiente que eu amo e me sinto confortável: o cinema!

Aqui em casa, como mãe de menino e de menina, eu sempre procuro encontrar o equilíbrio nos conteúdos audiovisuais que os meus filhos consomem. Quer dizer, é indiscutível que existem muito mais conteúdos para TV/Cinema com protagonistas heróis do gênero masculino do que femininos, e o meu jeito de “combater” isso é sempre oferecer de tudo para os dois!

Por aqui não tem essa de “filme de menina” e “filme de menino”, Pedro e Cacá sempre assistem tudo juntos, curtem tudo juntos e sim, ele assiste filmes, peças de teatro, séries e desenhos de princesas assim como ela o acompanha nas sessões de filmes com heróis, karatê, carros e afins.

Agora que está maiorzinho, ele de vez em quando dá uma “zuadinha básica” nos filmes e heroínas da irmã, mas ele faz isso mais para provocar ela (o que é normal na vida de irmãos) do que por qualquer implicação com a personagem em si. Ufa!

Daí, ontem a noite comecei a pesquisar nos serviços de streaming, youtube e tv a cabo os filmes que tinham protagonistas femininas que fossem mulheres/meninas fontes de inspiração para nossas meninas.

Os meus critérios eram que elas não tivessem muitos “poderes sobrenaturais”, que não fossem “somente princesas”, que tivessem uma profissão, um sonho, um desejo, que fizessem algo para mudar suas realidades, que pudessem mostrar para as meninas que sim, elas podem sonhar, lutar e transformar o mundo!

Fiquei super chateada quando em mais de 1000 filmes disponíveis só consegui encontrar 8 que atendessem aos meus critérios!

Quer dizer, o que é que acontece no mundo da indústria cinematográfica que é tão difícil de criar personagens femininas, apropriadas para meninas/crianças, e que sejam empoderadas e inspiradoras?

Eu sei que existem milhões de histórias de mulheres incríveis, que são verdadeiras heroínas sem super poderes, que mereciam versões em desenhos, mereciam ter suas histórias contadas para as nossas meninas.

Ou será que nenhum roteirista pode imaginar versões femininas de Vingadores, Harry Potter, Batman, astronautas, cientistas e tantos outros personagens que vemos surgir todos os dias?

Eu amo cinema, amo filmes, amo super heróis e amaria ainda mais me sentir representada e inspirada por personagens que tenham a ver comigo, que eu possa mostrar para a minha filha com orgulho, sabe?

 

Bom, depois de toda esta decepção cinematográfica eu quase abandonei a idéia do post, mas resolvi rever os meus critérios e refazer a pesquisa.

Encontrei 13 filmes para inspirar meninas empoderadas que mostram princesas, trabalhadoras, atletas, militantes, guerreiras e mães. Ou seja, tudo o que todas nós somos, no nosso dia a dia!

1 – Valente (2012)

Merida é uma princesa sim, mas ela é fora do comum! Não deseja pra ela uma vida de princesa, ela ama ser guerreira, correr com seu cavalo e atirar suas flechas. Não tem nenhum interesse em se casar e arruma briga com sua própria mãe para fazer valer a sua essência.

Eu amo a mensagem explícita do filme, que é a da princesa que não quer ser princesa e nem precisa de nenhum príncipe para conseguir realizar seus desejos e amo mais ainda a mensagem secundária do filme.

Apesar das opiniões divergentes de mãe e filha, elas percebem que amar e oferecer suporte uma a outra é mais importante! É o conceito de respeito e sororidade sendo construído em casa!

filmes feministas infantis

2 – Pocahontas (1995)

A princesa índia guerreira é destemida e luta com desconhecidos e suas novas armas para garantir a sobrevivência de seu povo, suas crenças, seus valores e seu modo de vida.

Precisa dizer mais alguma coisa?

pocahontas

3 – A Princesa e o Sapo (2009)

Tiana é uma princesa que não é uma princesa, quer dizer, nesta história de princesas Disney não existem princesas! Não no conceito social de realeza, já que nem Tiana e nem sua amiga Charlotte são membros de alguma família real.

Mesmo assim, as duas são princesas! De suas famílias, de seus destinos e apesar de viverem em condições sociais diferentes, são amigas de verdade e se respeitam desde sempre. Além disso, Tiana é uma trabalhadora que luta para conquistar seu sonho e faz de seu preguiçoso príncipe um lutador também!

Tiana rocks e eu amo!

a princesa e o sapo

4 – Mulan (1998)

Mulan não é princesa, ela é guerreira! Para salvar a vida de seu doente pai, ela se veste de homem e assume seu lugar no exército onde antes de lutar contra os inimigos de sua nação, ela precisará lutar com um inimigo muito pior: o machismo!

Uma princesa que usa calças, que não está nem aí para o que os outros dizem dela e que é mais corajosa do que muito príncipe por aí, com certeza vale a pena apresentar para as meninas!

mulan

5 – Zootopia (2016)

Judy é uma coelhinha que vive numa fazenda junto com seus pais e seus vááááários irmãos. Ao contrário de todos os membros de sua família, que se tornam fazendeiros, ela tem o sonho de se mudar para a cidade grande e se tornar policial!

Com muita coragem, insistência e persistência ela vai passar por cima das opiniões, olhares tortos e risadinhas alheias e descobrir uma grande conspiração, prender um grande bandido e ganhar o respeito de todo o departamento de polícia.

zootopia

6 – Frozen (2014)

Apesar de ser um filme de princesas com príncipes, coroas e tudo mais, gosto de Frozen porque a mensagem do “amor verdadeiro” e do “não se case com o primeiro cara” são bem fortes e marcantes!

A gente deixa passar tanto lérigou, vai!

ana e elsa

7 – Alice no País das Maravilhas (2010)

Eu sou apaixonada pela história original, inclusive se vocês acharem o primeiro filme original, apresentem para as meninas também!

Alice é uma menina diferente, com sonhos, desejos e aspirações muito inconvenientes para as “mocinhas de sua idade e sociedade”. Mesmo cheia de dúvidas, ela enfrenta seus medos e desafia autoridades sem fundamento.

Alice com certeza é uma inspiração!

alice

8 – Malévola (2014)

Eu amo esta versão da história da Bela Adormecida! Ao invés do foco na pobre princesa amaldiçoada por uma MULHER ruim e invejosa que a coloca pra dormir, e assim ela permanece a espera de um HOMEM para lhe salvar, a nova versão nos oferece outro ponto de vista!

Conhecemos s história de Malévola, a fada que se tornou má depois de ser traída, a mãe adotiva que protege, educa e ama a pequena princesa, e o amor verdadeiro que não está restrito ao amor romântico, e que pode quebrar qualquer feitiço e remover montanhas!

malevola

9 – Moana (2017)

A mais nova “princesa” Disney é uma garota corajosa, inteligente, senhora de seu destino que encara qualquer desafio sem pestanejar e sem perder a doçura (quando não for necessário!).

Vale muito a pena!

moana

10 – Cada um na sua Casa (2015)

Todos os humanos foram presos e enganados por alienígenas meio tapados, menos Tip! Uma adolescente inteligente que vive com sua mãe e que vai fazer de tudo para salvá-la, inclusive passar por cima de seus próprios preconceitos, mágoas e rancores reconhecendo um amigo em um inimigo!

cada um na sua casa

11 – Gabby Douglas – Uma História de Vida (2016)

Este filme baseado na história real da primeira ginasta negra americana a ganhar 2 medalhas de ouro nas olimpíadas, com certeza vai inspirar muitas meninas a persistirem!

gabby douglas

12 – Malala (2015)

Uma menina comum que só queria uma coisa: ir para a escola! A história real da vida e das lutas de Malala é uma inspiração para toda a humanidade!

malala

13 – Lillo e Stitch (2001)

Deixei este filme no final porque ele é pra mim o filme mais “feminista” da Disney! Além de não ser uma história típica de princesas e príncipes, tem uma quantidade impressionante de personagens femininas das mais diversas raças, etnias, tamanhos, cores, gostos, posições sociais, religiões…

Além disso, Lillo é criada pela irmã Nani que além de dar duro para ainda ser uma mulher jovem com interesses de sua idade, se desdobra para ser a mãe de uma pequenina rebelde que aprende com o carinho, amor e aceitação de sua irmã a crescer com segurança emocional.

Lillo e Nani representam milhões de famílias não convencionais que estão na batalha todos os dias, não há vilões nesta história, há apenas a vida real com suas doçuras e amarguras, erros e acertos. Melhor filme infantil de todos os tempos!

lillo e stitch

Você pode até fazer parte do time de mulheres/pessoas que acha este papo de feminismo uma chatice, que acha uma pentelhação a gente falar tanto sobre os desenhos, filmes, princesas… Que acha ruim toda esta análise de tudo e como parece que a gente sempre “acha um motivo pra reclamar” mas sabe, se você mulher parar para pensar um pouquinho, toda esta “chatice” é extremamente necessária!

Eu tenho certeza que você também tem medo de sair sozinha á noite, que você também pensa duas vezes na roupa que vai vestir por causa do que os outros podem pensar de você, que você também olha torto pra uma amiga com um comportamento “fora do padrão” e que, com certeza, você já sofreu algum tipo de abuso, seja ele uma “simples” cantada na rua ou uma coisa mais séria.

Nenhuma mulher está imune e isto é a minha preocupação e tristeza como mãe de menina! Estatisticamente no Brasil, é entre 9/10 anos que uma mulher sofre seu primeiro abuso por ser mulher, é nesta fase da vida que ela toma consciência de que por ser mulher, não pode usar a roupa X, ir para o lugar Y, sonhar em ser isso ou aquilo, apenas POR SER MULHER!

Este com certeza não é o mundo que eu quero deixar para a minha filha e por isso, como mãe de um menino, eu faço o meu melhor para ensinar a ele a necessidade social da igualdade e a necessidade humana das diferenças!

 

Desmerecer a luta alheia não torna a sua mais forte, e o começo para acabar com qualquer machismo é começarmos a nos unir como mulheres, como uma rede de apoio de verdade!

Para a Cacá, além de todos os valores morais que eu tento passar exatamente iguais aos que passo para o Pedro, ainda há a necessidade de dizer para ela todos os dias que sim, ela pode ser quem ela quiser! Que por mais que o mundo lhe diga o contrário, por ser mulher, ela não é mais nem menos do que ninguém!

Que as nossas lutas de hoje possam garantir um futuro melhor para as nossas meninas! ;)

#girlpower

Categorias Moda

Armário Cápsula: como escolher sua paleta de cores?

Quando comecei a pesquisar e ler sobre o conceito de armário cápsula, vi muitas dicas sobre começar pela paleta de cores. Mas, como escolher sua paleta de cores?

armario capsula

Eu não sei vocês, mas eu nunca tive nada super definido na minha cabeça sobre quais eram as cores que eu mais gostava e mais comprava. Eu até tinha uma certa noção de que os pretos e cinzas eram maioria no meu armário, mas confesso que nunca cheguei a reparar se eu comprava ou escolhia mais pelas cores ou pelos modelos, sabe?

Por exemplo, se eu me apaixonava por uma peça de roupa, ela normalmente seria nas cores que eu mais gosto e teria a modelagem, estrutura e detalhes que eu mais gostava, certo?

Mas, quais eram estas cores, texturas, modelagens, detalhes? Eu sabia exatamente o que eu gostava mesmo, o que caia bem em mim? O que me deixava feliz e me sentindo linda e poderosa?

Não, eu não sabia!

Mas eu sabia as coisas que eu não gostava então, comecei pela eliminação destas coisas. Rosa neon, verdes “marca-texto”, poás, vinil, dourados, vermelho “Ferrari” e outros são, decididamente coisas que eu não gosto então, será que teria algumas delas no meu armário?

Fui caçar e não é que encontrei!?

Que atire o primeiro cabide a mulher que nunca comprou uma “brusinha” nada a ver com ela mesma só porque estava “na moda”, porque estava na liquidação ou porque viu uma amiga com uma parecida e achou linda!

Sim, ás vezes, a gente faz destas, né? E tudo bem, normal! Só que depois, você percebe que aquela peça não tem nada a ver com você e pior, não tem nada a ver com mais nada que você tem no armário o que, na prática, impossibilita o uso desta peça e financeiramente significa jogar dinheiro fora!

Peguei todas as peças que estava “fora do padrão” no meu armário (eram poucas, ufa!) e fiquei pensando por que elas estavam ali. Me lembrei de todos os momentos em que eu as comprei ou ganhei e ficou fácil de entender as “burradas” que fiz com cada uma delas.

Removidas as “divergentes”, parti para a descoberta das cores que eu tenho em maioria no armário. Fiz montinhos com as roupas em cima da cama, separando apenas por cores e, como eu já desconfiava, confirmei que o preto, o cinza e o branco são maioria!

Mas além destas, que podemos chamar de “base” do meu armário, também descobri que o azul índigo (aquele mais puxado para o azul “jeans”, sabe?) também é uma cor que tem muitas peças no meu armário.

Desta forma, descobri quais eram as minhas cores base e depois, descobri as minhas cores complementares. Aquelas que têm menos peças em quantidade mas que, se apresentam em peças “diferenciadas”.

Sabe aquela blusa “bapho” que você sempre usa quando quer arrasar? Ou aquele vestidinho que você sabe que fica ótimo em você e te traz a maior segurança seja qual for a ocasião? Pode reparar que talvez, eles não sejam nas cores base do seu armário, mas serão de cores complementares que você adora!

Depois de descobertas quais eram as minhas cores, descobri quais era as minhas estampas e também, as texturas e tecidos que eu mais tenho no armário. Mais uma vez, dá pra usar o esquema de “eliminação de divergentes” para conseguir chegar no que verdadeiramente você gosta e assim, meu esquema de paleta de cores, estampas e texturas é este aqui:

paleta de cores armario capsula

O mais curioso desta descoberta foi que as cores são todas “combináveis” entre si! Até um roxo vinho pode combinar com um marrom e, eu não sou especialista em design ou cromoterapia mas, achei que ficou tudo bem harmônico e mais importante, tem a minha cara!

paleta de cores armario capsula

Outra coisa curiosa que eu descobri ao identificar a minha paleta de cores, foi que eu não sou uma pessoa de “cores vibrantes”. Isso é interessante porque eu adoro as cores vibrantes na decoração da casa, nos acessórios, no material de escritório, na arte etc. Mas pra vestir, sou mais “apagadinha”, mais básica, mais neutra!

Claro que, não são só estas cores exatas que estão no meu armário, existem variações de tons. Por exemplo, eu tenho peças que são Off White, tons de cinza mais claros e escuros, tons de roxo que podem ser mais claros ou escuros, tons de azuis, tons de burgundy (ou vermelho queimado)…

Mas estas variações têm um limite bem definido! Por mais que eu ame azul e seus tons, não tenho peças azul bebê, por exemplo. O mesmo acontece com o burgundy, não tenho peças vermelho Ferrari ou cor de rosa, e os meus marrons podem variar pra mais escuros até mais claros como creme, mas não tenho peças beges ou amarelas!

Descobrir a minha paleta de cores me ajuda a entender como combinar as minhas peças e até quando vou decidir uma compra. Sabendo quais são as minhas cores o que combina com o que, não caio na cilada de comprar uma coisa que eu achei linda na vitrine mas, que quando chegar em casa não vai combinar com mais nada!

Tem gente que monta o armário cápsula de cada estação a partir de uma paleta de cores definida para aquela estação por exemplo, no verão usa-se cores mais abertas e alegres e no inverno, tons mais escuros e fechados.

Acho mega legal mas, eu não conseguiria!

Porque pra mim, o desafio do armário cápsula é diminuir a quantidade de peças e facilitar o meu dia a dia, organizar melhor as minhas coisas para que eu não perca tempo (nem dinheiro) com elas então, se eu precisar montar um armário a partir de cores para cada estação, vou perder tempo e dinheiro!

Tenho investido em ter peças que dá pra usar em todas as estações e que são mais duráveis e como a minha base é bem neutra, se eu mudar de idéia e quiser me vestir mais colorida e vibrante, terei peças base que certamente vão dar certo com as peças novas!

Estou amando muito fazer o armário cápsula e conhecer a mim mesma por causa dele, isto também traz uma confiança maior e melhora muito a auto estima, vai por mim!

Como vocês sabem, eu compartilho meus looks, dicas, descobertas, acertos e erros lá no Instagram então, quem ainda não segue, vai lá é o @bagagemdemae

E aí, quem também está tentando ter um armário cápsula? E quem já está expert, me deixem dúvidas, sugestões e dicas também!

Bjs!

Categorias Vida de Mãe

Surpresas de aniversário

Outro dia falei por AQUI sobre a importância de manter ou criar tradições familiares, lembram? Eu acho que as tradições são importantes para trazer unidade, identidade, criar vínculos e mais um monte de outras coisas entre todos os membros da família.

Uma tradição que temos aqui em casa são as surpresas de aniversário! Dia de aniversário por aqui é “sagrado” e as comemorações não acontecem só com a festinha não!

Com pequenas e singelas atitudes, criamos momentos muito especiais e significativos e que com certeza vão acompanhar as crianças (e nós mesmos) pra sempre!

Listei 5 surpresas que fazemos e que você também pode começar a fazer por aí:

1 – Acordar com bexigas!

Todos os anos, na madrugada do dia do aniversário do Pedro ou da Cacá, eu e o papai enchemos muitas bexigas e lotamos o quarto deles com elas!

Quando eles acordam, estão rodeados de bexigas coloridas! Eles amam!

surpresas de aniversário

2 – Café da manhã especial!

As crianças já sabem que dia de aniversário é dia de café da manhã especial! Eles fazem seus pedido na noite anterior e eu deixo tudo preparado para de manhã!

Vale tudo! Chocolate, milk shake, waffles, pão de mel… Eu sempre me surpreendo com a simplicidade dos pedidos deles!

surpresas de aniversário

3 – Escreva uma carta para a cápsula!

Nós temos nossa “cápsula do tempo”! No dia do aniversário, eu escrevo uma carta dizendo tudo o que sinto e as coisas que aconteceram naquele ano para ele ou ela, eles também escrevem suas próprias cartas contando as coisas que mais gostaram de fazer naquele ano, quem são seus melhores amigos, o melhor dia de todos, a comida predileta, o filme, a música…

Fechamos as cartas e colocamos em uma caixa de sapatos que é a nossa cápsula! A meta é abri-la só quando eles fizerem 18 anos e então, ler tudo o que passou!

surpresas de aniversário

4 – Almoço “você que manda”!

No dia do aniversário, além do café da manhã as crianças também podem escolher o que querem almoçar! Tem vezes que eles pedem pra almoçar sorvete, tem vezes que querem comer só porcarias, eu confesso que fico me controlando pra atender estes pedidos mas no fim, é apenas uma vez no ano e isso não vai matar ninguém, né?

surpresas de aniversário

5 – Café da manhã com princesas e heróis

Esta é uma surpresa que eu nunca fiz aqui em casa mas, conheço outras mães que fizeram e disseram que é maravilhoso!

Que tal contratar a princesa ou o herói preferidos para acordá-los e tomar café da manhã com eles? Você combina tudo previamente e com certeza, quando eles acordarem e verem a visita que estão recebendo, vão ficar encantados!

Aqui em SP as empresas que prestam este tipo de serviço (e que eu recebi indicação) são:

Estação Felycidade (a melhor para contos de fadas e princesas)

Dream Kids (a melhor para super heróis, a fantasia de Homem de Ferro é incrível!)

surpresas de aniversário

Na idade em que estão agora, Pedro e Cacá não abrem mão de ir para a escola no dia do aniversário porque adoram fazer a farra junto com os amigos, e de uns 2 anos pra cá as surpresas de aniversário têm sido tão bacanas que eles dão mais importância pra isso do que para as festas mesmo, sabe?

Na minha infância, minha mãe sempre deixava um desenho feito por ela mesma do lado da minha cama, quando eu acordava ela já havia saído para trabalhar mas eu sempre sabia que ela tinha passado por lá e feito aquilo pra mim. Eu passava a tarde colorindo o desenho que ela havia me feito, e era um jeito de passarmos o meu dia de aniversário juntas, apesar de não fisicamente!

Estas lembranças doces da infância fazem parte de tudo o que somos quando crescemos e por isso, acho mais importante criá-las do que me preocupar com o tamanho da festa e uma lista enorme de convidados.

E vocês, têm tradições de aniversário também? Se lembram de alguma coisa que era especial na sua própria infância?

Me conta!

Bjs! ;)

Categorias Vida de Mãe

Por que meu filho só chora comigo?

Você já ouviu a seguinte frase: “ele estava bem até agora, foi só você chegar que começou a chorar!” Ou a outra : “fica tranquila, quando você sai ele pára!” Ou então: “ih, é manha porque você faz todas as vontades dele!”

Eu sinceramente não consigo entender porque as pessoas dizem estas coisas ás mães, penso que talvez seja falta de empatia, tato ou “osso na língua”, como diria meu pai! Porque quando nós ouvimos estas frases a primeira coisa que vem na cabeça é: Por que meu filho só chora comigo?

birra de criança

Será que eu sou tão péssima mãe que não consigo controlar esta criança e qualquer outra pessoa consegue fazer este trabalho melhor do que eu? Será que eu sou muito “molenga”? Será que ele está sofrendo? Será que ele faz isso para ME fazer sofrer?

Sim, eu sei bem como é esta sensação! A sensação de apesar de todos os nossos esforços, estarmos falhando miseravelmente, de ficarmos de coração partido e acreditando que eles se divertem muito mais na nossa ausência do que na nossa presença…

Em tempos de adaptação escolar, aí é que é um explode coração mesmo!

A criança chora de lá, a gente chora daqui e sempre tem uma “tia” pra dizer: “não se preocupe, assim que você sair ele vai parar!”

Mas como assim?

Ás vezes, as “tias” da escola podem ter a melhor das intenções ao dizerem estas coisas, elas querem que você fique bem, fique consolada e não pense que o pequeno irá sofrer. Mas o fato é que, repetir que a criança vai se comportar bem assim que se afastar de sua mãe, faz com que a nossa confiança como mães (que já está sempre sendo colocada a prova) escorra “lágrimas abaixo”!

Fica a sensação de impotência, a sensação de que isso é “normal”, de que os filhos fazem isso mesmo, talvez para “castigar” suas mães/pais por não lhe fazerem todas as vontades e assim, a gente vai levando a vida, acreditando que este é o real motivo da coisa.

Mas não é!

No começo deste ano, estava conversando sobre isso com uma amiga lá no Facebook e ela me lembrou de um trecho do ótimo livro da Isabelle Filliozat, “Já tentei de tudo!”:

Todo mamífero espera a sua mãe antes de expressar um sentimento de pavor em voz alta. Na ausência da mãe, é melhor não se manifestar em demasia. Quando mamãe ( = segurança) voltar, posso descarregar as tensões acumuladas. O mesmo processo está em curso quando a sua filha fica incontrolável com você à noite depois de passar o dia divinamente bem na creche.
Ela aguentou situações de estresse sem nada demonstrar e só “sucumbiu” quando você chegou. Às vezes isso é difícil para as mães, que podem ter a impressão de que a criança deixa o pior para elas, ou podem achar que não são boas mães (sobretudo quando o pai reforça: “Olha, comigo estava tudo bem!”).
Choros e crises de raiva são às vezes (frequentemente) simples descargas de tensão dirigidas à fonte de amor incondicional: mamãe. Esse comportamento continuará durante muitos anos ainda; tenha isso em mente quando sua filha adolescente lhe gritar toda a raiva que tem dentro dela. Não esqueça que você é o receptáculo preferido para os seus sofrimentos; não por não ter autoridade (é o que muitas vezes dizem o pai ou mesmo a sua própria mãe), mas porque com você ela se sente segura.

Trecho de: Filliozat, Isabelle. “Já tentei de tudo!”. Editora Sextante, 2014-09-18. iBooks

Fez sentido pra você?

Coloque-se por alguns minutos na situação e perceba como, não são apenas as crianças e adolescentes que têm este tipo de atitude. Mesmo nós, adultos, ainda damos “destas” vez ou outra…

Basta parar pra pensar quem são as pessoas com as quais você mais discute ou tem opinião contrária no seu dia a dia. Certeza que se você fizer esta análise, vai reparar que é sempre com as pessoas que você mais ama, o marido/esposa, mãe, pai, irmãos, amigos do peito…

Isso acontece porque como meu pai também sempre diz “a gente só folga com quem sabe que pode!” Ou seja, só podemos desabar e sermos nós mesmos com as pessoas que confiamos, com aquelas que temos certeza que nos amam mesmo quando demonstramos o pior de nós.

E para os bebês/crianças, que ainda não têm muita capacidade de controle emocional, esta pessoa será quase 100% das vezes a mãe. E que bom!

Eu não estou querendo dizer pra você que você deve deixar o seu filho espernear e agradecer a Deus por ele fazer isso COM VOCÊ!

Sei bem o exercício de paciência divino que nós mães precisamos fazer para lidar com estas crises sem perder o controle. O que eu estou querendo dizer é que, ao invés de ficar presa neste círculo horroroso da culpa e medo que a maternidade de vez em quando nos coloca, você pode olhar a situação com o ponto de vista do “copo meio cheio”.

Se o seu filho só chora com você, é porque ele confia em você! Confia no seu amor incondicional e isso significa que sim, você é uma excelente mãe, a melhor que ele poderia ter!

Lidar com os choros, as crises, a culpa, o medo, a insegurança e todo o turbilhão de emoções que testam o nosso coração todos os dias já é muito complicado e quando paro para pensar, tenho a sensação de que toda a nossa sociedade faz o que for possível para que fique cada vez mais difícil, para que sejamos sempre as vilãs!

Mas não somos!

Somos seres humanos criando “seresumaninhos”, fazendo o nosso melhor de todo coração! Ás vezes a gente vai errar, na maioria das vezes a gente vai acertar, e o melhor que todas as “tias”, pais, avós e sociedade podem fazer por nós, é parar de nos culpar e oferecer um ombro!

Olhar nos nossos olhos no fim do dia de aula e ao invés de dizer que ele não chorou o dia inteiro e só começou porque te viu, dizer: “Que bom que você chegou! Agora ele pode desabafar e vai ficar tudo bem!”

O exercício da empatia talvez seja o maior desafio diário dos seres humanos em geral, como mães, podemos começar a praticar nos colocando no lugar dos nossos filhos e nos permitindo reconhecer que é normal ter sentimentos, e que todo mundo precisa de um ombro pra desabar. As crianças por mais tempo, de maneira mais descontrolada, mas eles estão aprendendo, assim como nós!

Então, se você anda de coração partido porque o seu filho só chora com você, respira fundo e acredita em mim: você é uma ótima mãe, e está fazendo um trabalho incrível!

Bjs!