Categorias Saúde

Intolerância ao glúten: como eu descobri

Quem me acompanha também no Instagram (segue lá gente, é o @bagagemdemae) já está sabendo que, há pouco mais de 2 meses eu descobri que tenho intolerância ao glúten, ou seja, sou portadora da doença celíaca.

Mas o que é isso?

Basicamente, a pessoa intolerante ao glúten (ou celíaca), não pode ingerir o glúten, que é uma proteína existente no trigo e outros tipos de cereais como: aveia, centeio e cevada. E quando a gente pensa na proibição da ingestão do glúten, qual a primeira coisa que vem na cabeça?

Nada de pães, massas, biscoitos e guloseimas em geral!

Quando eu recebi meu diagnóstico final, fiquei super chateada ao imaginar uma vida de privação alimentar. Vou confessar pra vocês que, eu amo comer! Acho que é um dos maiores prazeres da minha vida! Amo experimentar novos sabores, novos tipos de comidas…

Deprimi! :(

Mas tenho descoberto que viver sem glúten não é o fim do mundo! Já tem muitas coisas no mercado feitas sem glúten (apesar de serem bem mais caras) e na prática, excluir da dieta pães e massas, significa uma vida mais saudável. Resolvi encarar como uma oportunidade de ficar bem, mais saudável e mais disposta!

Comecei a compartilhar nas minhas redes sociais todos os meus achados sem glúten: produtos, receitas, substituições… E desde então, tenho recebido muitas perguntas sobre como eu descobri que sou intolerante, quais os sintomas e quais os exames a se fazer.

Então vamos lá!

Eu já sabia sobre a doença celíaca através de relatos de amigas com filhos portadores da intolerância, nunca imaginei que a doença celíaca pudesse aparecer em pessoas adultas e por isso, nunca havia desconfiado e fui pega de surpresa!

Desde o começo deste ano tenho sentido muito mal estar, dores nas articulações, desânimo, cansaço, falta de pique, inchaço no abdômen, intestino maluco hora me fazendo “rainha do trono”, hora me deixando “travada” por diaaas….

Claro que fui ao médico, investiguei as dores nas articulações, investiguei as dores de barriga, investiguei o cansaço e nada aparecia em exame nenhum! Até que em agosto aconteceram 2 episódios de “alerta”!

Primeiro, no meio de uma festinha de família regada a muito crepe, eu passei mal de um jeito que eu nunca havia passado antes! Minha barriga inchada, uma dor que parecia que meus intestinos iam explodir, pressão caindo, tontura…

Depois, fui viajar a trabalho e passei o voo inteiro correndo para o banheiro, com muita tontura, com muita dor no corpo, meu abdômen doía de um jeito que parecia que eu havia feito muitas abdominais, não podia ser tocada!

Ao invés do clínico geral, resolvi procurar um gastro que, na consulta clínica já observou o inchaço e achou que eu deveria estar com algum tipo de inflamação mas, não sabíamos em qual dos órgãos internos. Eu fiquei morrendo de medo e já achando que seriam as piores doenças do mundo.

O gastro pediu exames de sangue simples e resolveu incluir os exames que testam os anticorpos para intolerância, também fiz um ultrassom abdominal para verificar onde estava a inflamação. Nos meus exames, descobrimos a inflamação aguda nos intestinos e combinado com o positivo para intolerância, o ideal seria ter feito uma biópsia para verificar o estado dos meus intestinos. Mas o médico achou melhor curar as minhas dores primeiro e assim, iniciei a dieta sem glúten e o tratamento da inflamação.

Com 15 dias de restrição ao glúten (mais medicação para a inflamação e dores) a minha barriga milagrosamente desinchou e a minha “vida no banheiro” voltou ao normal. Depois de 30 dias, eu parei de sentir dor e hoje, com quase 3 meses de vida sem glúten, me sinto incrivelmente melhor!

Claro que, isto foi o que aconteceu comigo e as decisões médicas baseadas no meu histórico clínico e na minha consulta. Não quer dizer que para todo mundo será assim! Cada médico toma suas próprias decisões quanto a como conduzir cada caso.

No meu caso, o médico optou por iniciar imediatamente a dieta de restrição do glúten e tratar a inflamação que estava me causando muitas dores!

Eu quis saber tudo sobre a doença celíaca, precisava entender o que está acontecendo comigo e como vou conviver com isto até o final da minha vida! Por isso, vou compartilhar com vocês tudo o que descobri e também, algumas respostas de perguntas que me fizeram nas minhas redes sociais:

O que é a doença celíaca e como “se pega”?

A doença celíaca é uma doença autoimune ou seja, o corpo de quem tem intolerância ao glúten libera anticorpos para o combaterem. Estes anticorpos acabam por “atacar” as paredes do intestino e  nesta ação surgem as dores, o cansaço, o inchaço, as inflamações… A doença celíaca é genética e costuma aparecer na vida do bebê entre 1 e 3 anos ou, somente na fase adulta. Quando a pessoa é mais resistente e passou toda a vida com pequenos sintomas até que, o intestino diz “chega!” (meu caso!).

Quais são os sintomas?

Como eu disse, varia muito de pessoa para pessoa e o melhor é sempre conversar com um médico mas, no meu caso eram estes aqui: prisão de ventre, diarréia, dores abdominais, cansaço, vômito, perda de peso, ganho de peso, dores de cabeça, dores nas articulações. Por serem sintomas que também aparecem em outras doenças, é muito importante ter acompanhamento médico e se houver suspeita, solicitar o exame específico!

Quais os exames específicos para descobrir a intolerância?

O melhor é que você consulte um médico gastroenterologista, que é especialista no aparelho digestivo. Na consulta clínica, você vai repassar todo o seu histórico de dores, sintomas e suspeitas e então, ele vai solicitar exames simples de sangue. Estes exames testam as dosagens de imunoglobulina e de anticorpos, os mesmos exames podem ser solicitados para crianças quando a mãe suspeitar da intolerância. É importante dizer que, para que o exame possa acusar a alergia, é preciso que a pessoa a realizar o exame esteja ingerindo glúten! Ou seja, se você começar uma dieta sem glúten, e depois realizar o exame, ele pode falhar!

Com o resultado de sangue apontando positivo, é necessária uma biópsia do intestino para confirmar a intolerância e descobrir o tamanho do “estrago”. Fica a critério médico! No meu caso, ainda não fiz.

Isso “passa” de pessoa para pessoa, é curável? 

Geneticamente, pode ser transmitido! Se você descobrir que tem intolerância ao glúten, faz bem em solicitar os exames também para os seus filhos assim, já passa a protegê-los antes que a coisa piore na vida adulta. Como aconteceu comigo!

Aqui em casa, o Pedro já havia sido testado quando iniciamos as investigações para a causa da asma e por isso, eu já sabia que ele não era intolerante ao glúten. Tive que fazer o exame de sangue somente na Cacá, e também deu negativo.

A doença celíaca não tem cura, tem controle!

O que pode e o que não pode?

Na teoria seria só evitar pães e massas: macarrão, pizza, bolos, biscoitos… Mas na prática, quase tudo no supermercado contém glúten, até coisas que você nem imaginaria como sorvete, chocolate, tempero pronto e farinhas que na teoria, não deveriam ter trigo.

A parte boa é que, todos os alimentos industrializados são obrigados a conter em suas embalagens/rótulos a informação “Contém Glúten” ou “Não contém Glúten” assim, o olho que vivia a investigar os rótulos antes da compra, está ainda mais treinado e atento para as informações nutricionais e ingredientes dos industrializados.

Lembra que eu disse que ia encarar a dieta sem glúten como uma nova chance de ser mais saudável?

Então, a outra boa notícia é que viver sem glúten é basicamente viver longe dos industrializados, coisa que eu já evitava aqui em casa. Legumes, verduras, frutas, hortaliças e carnes estão super liberadas e não contém glúten então, passei a cozinhar mais em casa!

Claro que dá a maior saudade de comer uma pizza, um sorvete de casquinha, um chocolate simples da padaria, um bolo gostosinho da casa da vó…

Mas, eu tenho consciência de que estou em processo de remissão! Depois do início da dieta sem glúten, nosso organismo leva de 6 a 12 meses para expelir todos os anticorpos produzidos nas crises alérgicas e assim, se eu cair em “tentação” agora, além de sofrer com as dores, estarei caminhando para trás no meu tratamento.

Tenho encontrado algumas alternativas de produtos e marcas que produzem sem glúten, e feito algumas substituições na minha rotina alimentar que têm me ajudado muito no processo. Olha só:

  • No café da manhã, substituí o tradicional pão francês por tapioca, pão de queijo ou ovos mexidos;
  • Para matar a vontade de massas, tenho encontrado no supermercado algumas marcas que produzem os mais variados tipos de macarrão sem glúten: Urbano, Schar, Vitalin…
  • Tenho pesquisado e aprendi a fazer algumas receitas usando farinha de arroz e amido de milho, não fica igual mas, mata a vontade de bolos, tortas, pães e afins;
  • Quando estou com muita vontade de comer uma “tranqueira”, apelo para as marcas de snacks que são sem glúten e mais saudáveis. Minhas prediletas: Roots to Go, Good Soy, Schar e Jasmine;
  • Sobre doces e sobremesas, não dá pra inventar muito e a minha sorte, é que nunca fui muito “formiga”. Tenho optado por frutas com caldas naturais, chocolate só quando é no mínimo 60% cacau (e assim, sem glúten) e os sorvetes de massa da Nestlé não contém glúten, assim como os picolés de frutas da Kibon.

Desde que comecei a dieta de restrição, descobri que existe uma “modinha” da galera tirar o glúten para emagrecer. Isso é uma coisa legal porque estimula o mercado a produzir cada vez mais opções sem esta proteína mas, é ruim porque algumas vezes em que questionei em restaurantes e hotéis, as pessoas simplesmente acharam que eu estava questionando por fazer dieta para emagrecer e assim, eu sofri com a contaminação cruzada! :(

Porque tem isto também, a vida de um celíaco não é só tirar o glúten do cardápio! Há que estar atento para não contaminar acidentalmente a comida sem glúten que se está preparando. E isso significa não usar a mesma panela, prato, garfos, facas e utensílios que se está utilizando nas preparações com glúten.

Em casa é mais fácil de controlar isso, mas comer fora que era um grande prazer meu, se tornou quase impossível!

Se eu disser pra vocês que está sendo super tranquilo, é mentira! Tem dias que tenho vontade de chorar de pensar nestas privações, mas de maneira geral, estou indo bem! Todos os dias eu agradeço por ser comigo e não com os meus filhos! Se pra um adulto já é difícil, imagino a dificuldade das privações com as crianças! :(

Se você anda se sentindo com alguns destes sintomas, procure um gastro e converse sobre a sua desconfiança. Faça os exames! O mesmo vale para se a desconfiança estiver nos sintomas do seu filho. O gastropediatra é o médico que você deve procurar em caso de suspeita nos pequenos!

E quem também tiver dicas de receitas, produtos, truques, dúvidas ou quiser só chorar comigo por causa de tudo isso, compartilha aí e força na peruca! Vai dar tudo certo!

Bjs! ;)

instagram @bagagemdemae

Meus achados sem glúten da semana! Me segue lá no insta para ver mais @bagagemdemae ;)

Categorias Cinema&Cultura

Foto Tumblr: sabe o que é?

novo citroen picasso

Foi esta foto aí que eu fui tirar com a Cacá e ela disse: “olha pro lado mãe! Faz foto Tumblr!”

Oi?

Primeiro, de onde ela tirou isso? Eu sei bem o que é Tumblr, mas ela não sabe! Segundo, que diabos de “foto Tumblr” é este? Agora as fotos têm um “estilo” para cada rede social??

Para digerir a minha “mini indignação”, perguntei para a Cacá se ela sabia o que era Tumblr e de onde tinha tirado esta coisa de foto Tumblr. Aqui em casa, nenhum dos meus filhos tem acesso ou perfis em redes sociais. Redes sociais são para maiores de 18 anos e eu levo isto muito a sério!

Cacá e Pedro – que entrou na conversa, disseram que na escola deles “todo mundo” fala isso! Que vai fazer uma selfie Tumblr, que faz foto Tumblr e eles nem sabem bem o que é isso mas, de tanto ver os amigos fazerem as poses imaginárias (porque na escola deles é proibido celulares e eletrônicos) já sabiam que a característica principal da “foto Tumblr” era olhar pro lado e fazer carão!

Tive que rir, né? hehehe

E o pior é que, apesar de eu morrer de rir com as explicações e performances deles, fui dar uma pesquisada para ver qual era e descobri que eles estavam certos! Existe mesmo uma “moda” de foto Tumblr!

E eu faço muita “foto Tumblr” sem saber!! /0\

Mas antes de mostrar as minhas “fotos Tumblr”, deixa eu dar uma breve explicação pra você que não está sabendo que raios de Tumblr é este!

O Tumblr é uma rede social, assim como o Facebook, o Instagram, o Twitter… A diferença dele é que, por lá, a galera cria “micro blogs”, há mais espaço para escrever, é possível compartilhar fotos, imagens, vídeos, links, textões…

Ele tem um formato meio de wordpress (que é este site aqui) só que simplificado! Eu estou por lá há anos, apesar de não usar muito! Se você nunca viu, nem comeu e só ouve falar, vai lá olhar o meu pra você ter uma idéia! Clica neste link AQUI!

Tá, o Tumblr é uma rede social mas, como assim “foto Tumblr”?

Então, é muito complicado de entender esta parte porque, se você partir do princípio de que uma rede social não é uma pessoa e não pode definir um estilo próprio, esta coisa de “foto Tumblr” perde o sentido, né?

E outra coisa muito importante a se lembrar é que, o “estilo” das imagens ou conteúdos que você vai ver na sua rede social depende muito dos amigos que você tem por lá, das coisas que você compartilha e curte e da maneira como os algoritmos interpretam tudo isso e criam o seu feed, certo?

Porém, a gente sabe que a maioria das pessoas se “deixa levar” pelo o que a galera tá fazendo e postando e assim, as redes sociais acabam meio que seguindo um “padrão de usuário”.

Se você parar para observar, verá que no Facebook há muito mais diálogos sobre vida pessoal, fotos de família, discussões políticas, religiosas e sobre futebol… Da mesma forma, se você entrar no Twitter, vai ver muitas frases engraçadinhas, gifs, memes, gente mal humorada, gente debochada, gente desabafando…

É quase como se cada rede social tivesse um perfil, que todos os usuários acabam seguindo. E o Tumblr se encaixa nisso!

Por lá, você vai ver muito conteúdo mais estético e aspiracional, fotografias lindas, ilustrações, poemas, selfies filosóficas… Eu gosto porque acho que por lá, tem mais espaço para quem você é por dentro (ainda que com fotos super editadas) do que no Instagram, onde parece haver uma competição pela vida perfeita, sabe?

Como no Tumblr as fotos e conteúdos estão mais focados em inspirar do que exibir, a rede acabou por criar um “padrão” charmoso de mistério, delicadeza, sarcasmo… muito meu estilo! <3

E esta coisa de “olhar pro lado e fazer carão” como as crianças disseram, acontece porque os usuários do Tumblr querem que suas fotos sejam “misteriosas”, que mostrem pouco, que despertem curiosidade… Ou querem apenas compartilhar as cores e formas, sem foco no corpo perfeito, na comida bonita e assim por diante!

Bom, agora vamos as minhas fotos! Será que elas são “Tumblr”?

Eu contei pra vocês neste post AQUI que comecei a estudar fotografia porque amo e sempre fui apaixonada pela arte! Além de estudar os conceitos e praticar as técnicas para melhorar as minhas fotos, sempre fui muito observadora de todas as imagens por aí!

Gosto de seguir contas nas redes sociais que tem esta “pegada” de fotos lindas e assim, acho que fui me influenciando pelo o que os outros estavam produzindo e no fim, percebi que o meu conteúdo do Instagram e do blog acabou ficando meio Tumblr!

Eita!

Mas só me dei conta disso, depois que a Cacá falou e eu fui pesquisar. E não acho que haja nada de ruim nisto! Eu adoro as minhas “fotos Tumblr”!

Olha pro lado e deixa o vento bater…

E se você também curte este “estilo” e quer dar uma ajeitada no feed do Instagram ou nas suas fotos em geral, as regras para as fotos Tumblr são:

  • Valorize expressões e cores
  • Fuja de fotos super posadas e procure ser espontânea!
  • Procure novos ângulos para coisas de sempre
  • Use filtros mais “escuros” e minimalistas
  • Aliás, minimalismo é o principal aqui!

Dá pra fazer foto Tumblr de qualquer tema! Moda, comida, crianças, selfie, maquiagem, viagens…

Retrato Tumblr…

Comida Tumblr…

Moda Tumblr…

E pra dar aquela força na edição, eis os meus aplicativos do coração:

Snapseed

Com ele você faz ajustes de luz, saturação, enquadramento, brilho, realces… Ele é gratuito e está disponível para IOS e Android.

Facetune

Uso muito para corrigir a pele, para clarear manualmente partes específicas da foto, para destacar detalhes… Também para IOS e Android, é pago!

VSCO Cam

O melhor aplicativo de filtros do mundo! Tem os filtros mais lindos e permite que você crie o seu próprio filtro com uma combinação de ajustes só sua! Gratuito para IOS e Android.

PicsArt

Pra fazer aquelas fotos com efeitos coloridos de luz arco-íris, brilhos, foto vintage, sobrepor imagens, incluir texto… Gratuito para baixar e com opção de compras dentro do aplicativo, disponível para IOS e Android.

Aqui em casa, a família toda ama fotografia e por isso, acho natural o interesse das crianças por este tipo de coisa. Fico até orgulhosa!

Este ano, a Cacá pediu de aniversário uma máquina fotográfica e ela tem feito fotos lindas e incríveis, com um olhar que é só dela. Acho muito legal as crianças se expressarem assim!

Se você também tem pré-aborrescentes ou aborrescentes que chegam em casa cheios de “gírias” e coisas que eles acham que você nunca vai saber o que é, taí!

Foto Tumblr, desmistificada!!

#mãeswin hahahaha

Me conta, o que as crianças andam dizendo por aí e que você não faz nem idéia do que se trata? Vamos descobrir juntas!

Bjs! ;)

Categorias Vida de Mãe

O medo de realizar sonhos

Eu acho que já falei por aqui no blog que, desde criança eu sempre o tive o sonho de ser mãe e ter uma família. Não é que eu não sonhasse com uma carreira ou alguma profissão, mas na minha “vida ideal” as duas coisas caminhanhavam juntas e eram complementares, sabe?

Daí que, assim como todo mundo, eu fui construindo a minha vida de acordo com este sonho, descobrindo novas metas, objetivos… E nunca fui do tipo que tem medo de realizar sonhos! Sempre fui muito corajosa, sempre fui lá e dei a minha cara a tapa, o meu sangue, meu suor e nunca tive nada facilitado nesta vida!

Mas, depois que me tornei mãe, eu virei a maior bundona!!

Ao mesmo tempo em que despertou em mim uma coragem absurda de enfrentar o que for preciso pelos meus filhos, também fiquei medrosa! Com medo de tomar decisões erradas, de fazer escolhas premeditadas, de me dar mal e por consequencia, levar os meus filhos nesta também…

Acho eu, que isso é normal! E que todas nós, que nos tornamos mães, passamos a ser mais cautelosas com relação às escolhas da vida, mas também sei que as porradas que a gente leva na vida, fazem este medo aumentar…

E foi por causa de uma porrada destas, bem grande, que eu estava adiando um sonho, ou uma nova fase da minha vida!

Já contei por aqui também que, por causa de uma transferência de trabalho do marido, nos mudamos de SP para o Recife quando o Pedro tinha pouco mais de 2 anos e a Cacá apenas 9 meses!

Na época, quando recebemos a proposta (que inclua uma promoção e um aumento financeiro bem bacana) ficamos muito felizes e acreditamos, de verdade, que esta enorme mudança de cidade e Estado seria para o bem!

Pensamos que a mudança para o litoral traria para toda a nossa família uma melhor qualidade de vida, ar puro, sol, mar, praia, vida mais tranquila…Só que não!

Deu tudo errado!

Foi difícil me adaptar, foi difícil estar sozinha e longe de todos bem no momento em que mais precisava da minha família, foi difícil ver o marido viajar toda semana, foi difícil ver as crianças ficando doentes, foi tudo muito difícil!

Nosso casamento sofreu um abalo gigantesco! Minha família estava em “mau funcionamento” e, depois de tentarmos por 2 anos, percebemos que a única maneira de voltarmos a ser felizes seria voltando “pra casa”!

A volta foi muito complicada! A empresa que nos levou para o nordeste, não queria nos trazer de volta, o Pedro estava ficando cada vez mais doente e eu já não podia viver com as crianças naquela cidade.

Voltei sozinha, com os 2 filhos, enquanto o marido tentava se entender com o pessoal da empresa. Nunca havíamos ficado separados assim! Doeu!

No fim, foi preciso abrir mão de uma carreira de mais de 10 anos na mesma empresa, aceitar um novo emprego para ganhar menos e em um cargo menor e enfim, recomeçamos nossa vida do zero em SP.

Na época, todo mundo achou que estávamos loucos! Que havíamos feito a troca errada, que “dava pra aguentar” mais um pouco lá, ou que dava pra viver eu aqui com as crianças e ele lá…

Como eu sempre digo, ninguém sabe “o sal que a gente come”, né? Abrimos mão de uma vida financeira confortável e insuportável emocionalmente, por uma vida financeira apertada mas, cheia de amor e união, como tem que ser!

Para nós, como família, o amor e a união sempre esteve em primeiro lugar! Antes de carreira, antes de dinheiro, antes de qualquer coisa! E por isso, não enxergávamos nenhuma “loucura” em abrir mão da grana para voltar pra SP!

Trocamos ter dinheiro por continuar a ser uma família cheia de amor, unida e caminhando pela mesma estrada, olhando para o mesmo horizonte.

Não foi fácil!

De lá pra cá, foram 5 anos reconstruindo, passando perrengue, tomando novas “porradas” de quem achávamos que eram amigos, descobrindo como as pessoas se afastam quando você já não tem mais “nada” para oferecer, fazendo novas escolhas, descobrindo novas maneiras de viver, consumir, planejar…

E no meio disto tudo, tinha as crianças crescendo! Com suas necessidades próprias de cada fase, com a mãe e o pai descobrindo junto com eles como ser mãe e pai e também tinha este blog!

Que foi a melhor coisa que aconteceu comigo quando mudei para o Recife! Foi por causa desta mudança que eu comecei este blog e por causa dele, aprendi tanto e cresci tanto como mãe e mulher!

Mas ainda tinha aquele sonho guardado…

Na minha projeção de vida ideal da infância, eu teria um trabalho que amava e uma família linda vivendo em uma casa cheia de natureza, com espaço para as crianças correrem e brincarem, com espaço para receber os amigos e a família, quem sabe até um cachorro nós poderíamos ter…

Por causa das porradas da mudança anterior, eu deixei este desejo de ter um “lar” do jeito que eu queria, guardadinho no fundo dos meus sonhos, no meu baú de desejos secretos. E aceitei as “adaptações” que fui fazendo.

Não dava pra ter a “casa dos sonhos” mas eu era muito feliz no meu “apertamento” pequenino e cheio de amor, não dava pra ter um cachorro mas, eu amo a nossa gatinha Fiona! Não tem espaço para correr e brincar aqui dentro mas, tem o espaço do condomínio onde eles podem gastar energia, tava bom…

Mas apareceu uma oportunidade!

Faz quase 1 ano que o marido me falou sobre a possibilidade de nos mudarmos de novo, desta vez, para um lugar que queríamos desde quando namorávamos! Para uma casa que a gente escolheria com calma, num bairro que a gente queria, tudo do nosso jeito e no nosso tempo. Sem depender de aprovações de empresa, sem depender de um cargo ou salário para viver esta nova fase da vida…

Parecia um sonho, e eu tive medo!

Medo porque, apesar de estar tudo bem e superado, as porradas destes 5 anos reconstruindo se tornaram aquele tipo de cicatriz de alerta, sabe? Aquelas que, toda vez que você percebe que talvez vai cometer o mesmo erro, coçam ou ardem só pra te lembrar que “pode dar merda!”

E daí, eu passei o último ano matutando esta idéia na calma, planejando, fazendo contas, indo visitar a cidade, os bairros, conhecendo escolas, padarias, supermercados, lojas, traçando rotas, fazendo planilhas e listas com bônus e ônus… Decidi ir, depois decidi não ir! Escolhi uma casa daí, não deu certo e eu achei que era um “aviso do universo”…

Até que rolou!

Numa manhã despretensiosa, decidi ir até lá passear, sem compromisso nenhum! Estava muito claro na minha cabeça que, eu não ia mudar agora, que este era um plano adiado, talvez para a minha velhice já que, as crianças não são mais tão crianças assim e nem precisam mais de uma casa pra correr e uma árvore no quintal para construir um forte…

E então, me apaixonei!

Não sei explicar! Estava sem expectativa nenhuma até que, seguindo o carro da corretora de imóveis ela parou em frente a casa dos meus sonhos! Aquela que eu sempre imaginei que seria, do jeito que eu sempre quis e com todas as referência de arquitetura, texturas e elementos. Parecia que ela tinha entrado na minha cabeça e olha, eu não tinha falado nada disso pra ela e ela só me conhecia a 1 semana!

Quando entramos na casa, as crianças começaram a correr pra lá e pra cá e o meu primeiro impulso foi dizer para eles pararem com aquilo e daí, me dei conta de que sim! Eles podiam correr a vontade, havia espaço, sem vizinho embaixo, sem vizinhos do lado, sem problemas com barulho…

Ver as crianças se divertindo com o simples fato de poderem correr a vontade e sentar na grama, me fez perceber que ainda dava tempo! Que o medo que eu tinha de ter falhado no plano de oferecer para eles uma infância livre e cheia de natureza, era infundado!

Ainda dá tempo!

E depois da casa, tudo foi se encaixando tão perfeitamente que eu fiquei assustada! Sabe aquela sensação de “será que é de verdade? Será que eu mereço estar feliz assim?”

Mas era verdade! É verdade!

E se eu disser pra vocês que estou super tranquila e segura com tudo isso, estarei mentindo! Aqui dentro de mim ainda tá rolando uma insegurança, um medo de dar tudo errado como aconteceu no passado mas, ao mesmo tempo, estou me agarrando na certeza de que esta decisão foi muito bem pensada e de que sim, eu mereço sim realizar meus sonhos!

Porque a gente tem esta mania de se sabotar, de achar que é indigna de coisas boas, e de se acostumar tanto com a dureza da labuta e com as porradas de todos os lados, que quando finalmente vê os frutos de tanto esforço aparecendo, fica achando que é “pegadinha do malandro!”

Mas não tem pegadinha!

Eu vou ser feliz sim! Mais ainda! Eu e minha família! Porque a gente merece sim, porque a gente trabalhou muito e porque felicidade não deveria assustar! A gente não devia ter medo de ser feliz e deveria ser errado se acostumar com aquilo que dói!

Chega de ter medo de realizar sonhos!

Se tem uma coisa que eu aprendi nestes meus pouco mais de 30 anos, é que nada nesta vida está sob nosso controle! Achar que podemos fazer planos e esperar que tudo saia exatamente como idealizamos, é pedir por frustração!

Então sim! Eu vou encarar esta nova fase, vamos nos mudar! Eu tomei todas as medidas e precauções para que dê tudo certo, e vou dar tudo de mim para que sejamos muito felizes nesta nova fase. Mas a verdade é que é um salto de fé!

E não é isso que fazemos todos os dias nesta vida de mãe? Acreditar?

Também quero aproveitar este post para pedir desculpas pelo meu sumiço! Agora que expliquei, acho que deu pra entender que a minha cabeça e coração estavam muito atordoados para conseguir vir aqui escrever!

Mas eu não desisti!

Assim como este blog nasceu de uma grande mudança, quem sabe nesta nova fase eu estarei com mais gás e energia para compartilhar as novidades? Afinal, as crianças também entraram em uma nova fase, não tem mais primeira infância por aqui!

O que o futuro nos reserva, só o futuro sabe! Mas eu tenho certeza que se depender da nossa vontade de ser feliz, ele vai ser simplesmente maravilhoso!

Ah, e pra quem ficou curioso, estamos nos mudando para a Granja Viana! Quem é de SP sabe que é bem pertinho e quem não é, imagina que é coladinho na grande metrópole mas, reserva seu ar rural e de casa de campo! ;)

#Vem2018

Categorias Passeios e Viagens

Minas Gerais com crianças: Tauá Grande Hotel Araxá

Desde a primeira vez que nos hospedamos no Hotel Tauá Atibaia e fiquei sabendo do Tauá Grande Hotel Araxá, estava louca para ir lá conhecer!

Além do destino ser mega legal, Minas Gerais cheia de paisagens deslumbrantes e muita História, se hospedar no Grande Hotel Araxá é ter a possibilidade de viajar no tempo! Conhecer de pertinho parte da nossa história brasileira e todas as suas nuances!

Neste feriado de Dia das Crianças, tivemos a oportunidade de finalmente ir até lá. E a viagem nos deixou de queixo caído!

Mas antes de contar tudo sobre o Hotel, vamos falar sobre os preparativos para esta viagem afinal, Araxá não é super pertinho para quem sai de São Paulo, né?

Optamos por ir de carro, são 543km e pouco mais de 6h de estrada! Nem preciso dizer que, para a viagem não dar “xabu”, o melhor é ter certeza de estar com um carro confiável, checar toda a manutenção e, se ele for confortável para todos, as horas dentro dele serão mais agradáveis!

Para esta aventura, escolhemos viajar com a nova EcoSport 2018, que tem um porta malas super bacana para quem viaja em família, uma tela de navegação grande que ajuda muito os viajantes e acomoda super bem até 3 crianças no banco de trás.

ecosport 2018

Fonte Dona Beja

Saindo de SP, nossa rota foi até Ribeirão Preto e de lá, até Minas Gerais. É importante dizer que, as estradas de SP e de Minas são ótimas, sem buraqueira, com acostamento e visual incrível. Porém, ao atravessar de SP para Minas, a estrada até Araxá não tem postos de gasolina ou conveniência portanto, se você precisar abastecer, abasteça antes! Sua última oportunidade será a cidade de Rifaina!

minas gerais

Dá pra ir de outro jeito? Dá!

Você pode ir de avião até Belo Horizonte e de lá pegar um ônibus ou transfer ou, ir de ônibus que sai direto de SP. Mas o caminho entre o aeroporto de BH e a cidade é tão longo que sinceramente, acho muito melhor ir de carro!

Nós programamos paradas na estrada a cada 3h e dá super certo, mas se você não gosta de dar esticadas tão longas dirigindo, pode optar por pernoitar em Ribeirão Preto, por exemplo.

E chegando lá?

Toda vez que eu planejo uma viagem, gosto de pesquisar e saber tudo sobre o lugar onde estamos indo, e o Grande Hotel tem uma história muito bacana!!

Na verdade, a história do Hotel começa nas Termas de Araxá! As fontes de águas radioativas e sulfurosas provenientes de um vulcão inativo há mais de 90 milhões de anos, já eram conhecidas “milagreiras” das tribos indígenas que habitavam a região desde antes do século XVII.

Com a chegada e conquista dos homens brancos, em meados do século XVIII, elas se tornaram uma atração da cidade e a exploração em volta delas sempre foi desordenada e predatória. Em 1938, o governo brasileiro decidiu organizar e explorar de forma mais consciente a riqueza desta região e assim, iniciou a construção do Grande Hotel Araxá.

O hotel foi planejado para ser um palácio que abrigaria as autoridades nacionais e internacionais, e turistas de todo o mundo.

taua grande hotel araxa

O Grande Hotel Araxá tem o paisagismo todo criado por Burle Marx e a obra arquitetônica assinada por Luiz Signorelli, que buscou inspiração nos castelos das antigas construções coloniais da América espanhola.

taua grande hotel araxa

Meio medieval meio Cartagena <3

A obra foi entregue e inaugurada em 1944, e era um esplendor arquitetônico daquela época! Com vitrais belíssimos, alas de ligação entre os blocos com estrutura linda, varandas, pórticos e quartos espaçosos e luxuosos. Salões de baile e restaurantes dignos de reis e rainhas e até um cassino, que funcionou por lá até 1946.

Hoje em dia, o prédio é tombado pelo Patrimônio Histórico Nacional e administrado desde 2010 pela rede Tauá. O fato de ser um prédio histórico tombado, garante que tudo estará preservado exatamente como estava quando foi entregue o que ao mesmo tempo é uma delícia pois, permite esta “viagem no tempo” e também, um desafio para quem administra.

Sabíamos que iríamos encontrar um lugar incrível e estávamos ansiosos, mas ao chegar lá, a palavra é: grandiosidade!

Tudo no Grande Hotel é grandioso e espetacular! Para cada cantinho que se olhe, se observa um detalhe, um mosaico, um afresco, uma janela…

taua grande hotel araxa

recepção

taua grande hotel araxa

fachada

taua grande hotel araxa

corredor termas

Ficamos hospedados em um quarto tamanho família que tem 2 camas de casal e vista para a piscina. Como era de se esperar, o quarto é gigante! Banheiro gigante, muitos armários, ante sala e camas super confortáveis. Como a infra estrutura do prédio é intocável, você vai ver uma pia imensa, piso de madeira de lei, azulejos antigos, esquadrias antigas…

O conforto é garantido com modernidades como frigobar, TV LCD, secador de cabelos, WiFi, ar condicionado e camas deliciosas!

O sistema de diárias no Tauá Grande Hotel Araxá é pensão completa menos bebidas. Estão inclusos: café da manhã, almoço, lanche da tarde e jantar. Pra quem viaja com bebês, o hotel também oferece Copa Baby com sopinhas e papinhas a disposição e sem custo adicional.

Ainda pensando em alimentação, o menu inclui opções diet e sem glúten sem risco de contaminação cruzada. Durante os 4 dias em que estive por lá, o chef foi super carinhoso caminhando comigo em volta do buffet em todos os jantares para me dizer quais opções estavam “seguras” sem glúten! <3

Apesar de ser um hotel antigo e onde não se pode mexer na estrutura, ele é todo acessível com rampas e elevadores assim, mamães podem circular com carrinho de bebê com facilidade. Exceto na área das Termas.

Assim que chegamos, as crianças já estavam doidas para saber da programação de lazer! Pedro e Cacá já estão super íntimos dos Taualegres (time de recreadores da rede Tauá) e por isso, se cadastraram e já se juntaram a turminha deles!

taua grande hotel araxa

Com uma área construída e verde imensas, o que não falta no Grande Hotel são atividades para todas as idades! O hotel oferece piscinas externas infantil e adulto, piscina para prática de mergulho (3m de profundidade), cavalos, charrete, tiro ao alvo, caiaque, pedalinho, pesca esportiva, caminhadas e trilhas, redário, teatro, cinema, salão de jogos, biblioteca e é claro, o spa que está localizado nas incríveis Termas!

taua grande hotel araxa

taua grande hotel araxa

taua grande hotel araxa

taua grande hotel araxa

Para chegar até as Termas, é preciso cruzar de um prédio a outro através de um pavilhão suspenso que já vai te tirando o folêgo:

termas de araxa

Eu poderia ficar aqui falando um monte sobre como as Termas são maravilhosas, mas prefiro mostrar:

termas de araxa

termas de araxa

termas de araxa

Algumas curiosidades sobre a ala das Termas: para a construção desta ala, o arquiteto responsável se inspirou nas casas de banho gregas e romanas e por isso, há muitas colunas, vitrais, tetos abobadados…

Porém, também inseriu elementos indianos da filosofia budista como, a imensa mandala no piso e o misterioso número oito, que representa o infinito e o dharmachakhra e aqui está em cada uma das coisas: oito colunas, oito vitrais, oito afrescos, oito pontas na estrela. Aliás, para deixar este momento zen ainda mais zen, no centro da mandala do chão há uma corrente de cobre de 30 m que conecta o piso com a natureza permitindo que a pessoa ao se sentar para meditar, esteja realmente conectada com a mãe terra.

Agora olha de novo as fotos e imagina este lugar com mantras entoados de fundo e aromas relaxantes no ar. É simplesmente mágico!

Também é lá no spa das Termas que estão as salas de banhos terapêuticos como o banho de lama, de pérolas e de alecrim, as saunas, duchas e a piscina emanatória de águas radioativas. Com temperatura acima de 36 graus, elas estimulam o metabolismo e relaxam muito!

termas de araxa

Os tratamentos no SPA e o uso da piscina emanatória são cobrados a parte, as Termas recebem clientes que não estão hospedados no hotel e por isso, é meio concorrida!

Crianças podem utilizar a piscina porém, é bom conversar com eles antes para que entendam que esta não é uma piscina de lazer para mergulhos e estripulias. É um ambiente de relaxamento e contemplação e assim, não pode correr, gritar, dar pulos na água…

termas de araxa

pode morar na piscina? :)

Além de todo o lazer que o Grande Hotel oferece, você ainda pode contratar passeios que oferecem a oportunidade de conhecer e vivenciar experiências únicas! Nós fizemos um tour gastrônomico que nos levou primeiro até a fábrica de doces artesanais Joaninha.

Lá, pudemos visitar a cozinha e entender como o processo manual é mantido até os dias de hoje sem perder qualidade e segurança no processo de fabricação, envase e comercialização.

fabrica de doces artesanais

Pedro lambendo o vidro e tacho de doce de leite! Nhammm

fabrica de doces artesanais

Depois, fomos visitar uma fazenda produtora de queijos! A Fazenda Só Nata é produtora do premiado queijo Minerim e lá, as crianças puderam ver de pertinho o processo de criação e cuidados com os bezerros e vacas, a extração do leite e todo o passo a passo que leva a produção de cerca de 150 queijos por dia de 4 tipos diferentes:

fazenda de queijos

fazenda de queijos

fazenda

Niguém resiste a uma árvore de fazenda! hihihi

Além dos passeios organizados pelo próprio Tauá, também dá pra percorrer por conta a Estância do Barreiro (área onde está localizado o Hotel) e visitar lugares incríveis, como a fonte da juventude da famosa Dona Beja:

fonte dona beja

fonte dona beja

Reza a lenda, que a famosa cortesã conhecida como Dona Beja costumava se banhar nestas águas, e este era o segredo de sua juventude e beleza!

E o Parque das Ruínas do Hotel Rádio, famoso pelas mil histórias e versões mal assombradas a cerca de seu incêndio e desativação:

hotel radio araxa

hotel radio araxa

hotel radio araxa

Parece um lugar saído de Nárnia!!

Nós não poderíamos deixar passar a oportunidade de também conhecer a cidade de Araxá, que é uma gracinha, daquele tipo de cidade pequena e com população super acolhedora, sabe?! Do Hotel até o centro da cidade, onde está a igreja matriz, são cerca de 15 minutos de carro.

No dia da nossa visita, o Parque do Cristo Redentor estava fechado e o museu Dona Beja também, mas valeu a vista:

cidade de araxa

Passamos pela Árvore dos Enforcados que, apesar de ter uma história bem triste, faz a sua permanência super necessária, para que erros do passado nunca mais se repitam!

arvore dos enforcados

Nestes galhos, eram enforcados os escravos negros e hoje em dia, também funciona ali um museu de preservação da história e herança africana na cidade!

arvore dos enforcados

Estivemos por lá por apenas 4 dias e vou contar pra vocês que, poderíamos ter ficado pelo menos 1 semana e ainda teríamos encontrado mil coisas para ver e fazer!

Sem dúvida o Tauá Grande Hotel Araxá é um super destino para curtir em família, seja qual for a configuração ou o tamanho da sua! Além das muitas atividades, todo o carinho, cordialidade e hospitalidade da rede Tauá fazem com que a estadia seja muito especial!

Fiquei morrendo de vontade de voltar lá com os meus sogros porque sei que eles amariam a programação para a Terceira Idade também! E pra quem curte as celebrações de Páscoa, o Tauá realiza uma festa linda que se chama Páscoa Iluminada, e oferece shows e projeções na fachada do hotel que emocionam mesmo! Que tal já se programar para a próxima?

Minas Gerais é sempre um destino encantador e Araxá acabou de entrar na listinha de destinos incríveis deste Brasil, que nós amamos e recomendamos!

#ficadica

Bjs! ;)

Categorias Receitas

Receita: Muffins para fazer com as crianças

No começo do mês recebemos um convite super bacana da Unilever para ir até a cozinha experimental deles e aprender algumas receitas de muffins para fazer com as crianças!

O diferencial destas receitas é que elas levam Maizena, o que deixa os bolinhos muito mais fofinhos e, no caso de alérgicos a glúten (como eu) pode substituir o trigo com outros tipos de farinhas e dar um resultado bem legal também!

Entre as receitas disponíveis, nós escolhemos a de maçã com canela! Esta receita é super simples e não tem glúten! Anota aí os ingredientes:

  • 1 xícara de chá de fubá
  • 1 xícara de chá de amido de milho Maizena
  • meia xícara de chá de açucar
  • 2 colheres de chá de canela em pó
  • 2 ovos batidos
  • 3 colheres de sopa de leite
  • meia xícara de chá de óleo
  • 1 maçã cortada em cubinhos pequenos
  • 2 colheres de chá de fermento em pó

Modo de fazer:

Pré-aqueça o forno em temperatura média. Em uma tigela grande, misture o fubá, o amido de milho, o açucar e a canela. Acrescente os ovos batidos e o leite e misture bem. Junte o óleo e misture até ficar uma massa homogênea.

Adicione a maçã picada e o fermento e misture até ficar homogêneo. Distribua a massa em forminhas para muffin, enchendo somente até a metade. Leve ao forno por 25 minutos, ou até que um palito, depois de espetado na massa, saia limpo. Está pronto!

Se você usar aquelas formas de papel próprias para muffin/cupcake, não precisa untar a forminha de alumínio, basta despejar a massa na forminha que deve estar dentro da forma de alumínio. Se você preferir colocar direto na forma de alumínio, pode usar o fubá para enfarinhar a forminha.

Outra dica para que a maçã não escureça depois de cortada, é colocar em uma tigela com água e gotas de limão, Escorra bem antes de colocar na massa.

Esta receita rende 12 unidades.

muffin de maçã com canela

Outra receita que fizemos por lá com outras mães e crianças, e que o Pedro e a Cacá amaram, foi a receita de muffin bicolor. Esta contém glúten então, eu não experimentei mas, pela carinha deles tenho certeza que estava deliciosa!

Anota aí os ingredientes:

  • 1 xícara de chá de farinha de trigo
  • 1 xícara de chá e meia de amido de milho Maizena
  • 4 colheres de sopa de açucar
  • 1 colher de sopa de fermento em pó
  • 4 colheres de sopa de óleo
  • 2 ovos batidos
  • 1 xícara de chá de leite
  • 2 colheres de sopa de chocolate em pó
  • meia colher de canela em pó

Modo de fazer:

Pré- aqueça o forno em temperatura média (180°). Unte as forminhas para empada/bolinhos e reserve. Em uma tigela média, peneire juntos a farinha de trigo, o amido de milho, o açucar e o fermento. Junte o óleo, os ovos e o leite e misture até que a massa fique homogênea.

Divida a massa em duas partes. Em uma das partes adicione o chocolate e a canela, e misture. Disponha 1 colher de sopa da massa clara e 1 colher de sopa da massa de chocolate nas formas reservadas. Coloque as forminhas em uma assadeira grande e leve ao forno por 15 minutos, ou até que um palito, depois de espetado na massa, saia limpo. Está pronto!

Durante esta tarde gostosa que estivemos por lá com a chef e a nutricionista de Maizena, também conversamos sobre algumas dicas para lancheira e conservação de alimentos. Para mandar estes muffins na lancheira, a chef Natália deu uma dica muito boa: fazer vários bolinhos de sabores diferentes e congelar!

Isso mesmo! Dá pra congelar os bolinhos e assim, com uma fornada de vários sabores você já tem bolinhos diferentes para algumas semanas de escola! Para congelar basta enrolar cada bolinho individualmente em papel filme e colocar no congelador.

Algumas horas antes de colocar na lancheira da criança, tire os bolinhos do congelador e deixe na geladeira, o bolinho termina de descongelar dentro da lancheira e fica fresquinho para a hora do recreio!

Levar as crianças para a cozinha é sempre uma ótima idéia e se você, assim como eu, acredita que o melhor presente de Dia das Crianças é passar tempo juntos, taí uma idéia de atividade divertida e gostosa para este feriado: a família inteira com as mãos na massa!

Bjs! ;)

Categorias Cinema&Cultura

Parabéns pra você da Netflix!

Toda mãe que é como eu e ama fazer festinha de aniversário caseira, sabe bem a loucura que é, né?

A gente se apaixona pelo tema, tem mil idéias, resolve pôr a mão na massa, durante o processo quer se matar por ter tido esta idéia de girico, jura que não vai dar conta, quase enfarta no dia da festa, quase não experimenta nada das delícias que preparou, promete que nunca mais vai fazer isso e então, quando vê o sorriso do filhote, a alegria com a festinha, esquece tudo e faz tudo de novo no ano seguinte! hahaha

Se você se identificou com a odisséia, vai amar esta novidade da Netflix: os personagens mais amados das crianças, agora cantam parabéns para elas!

parabéns netflix

Desde a semana passada, a Netflix disponibilizou 14 vídeos feitos sob medida com os personagens mais amados das crianças cantando “parabéns pra você”. Tem Barbie, Ninjago, My Little Pony, Project MC2, Caçadores de Trolls, Beat Bugs…

Para achar o vídeo, basta procurar na lupa por “feliz aniversário” (coloque o acento porque isso faz diferença!) ou ir direto neste link aqui: www.netflix.com/birthdays

Aqui em casa os mais amados pelo Pedro e a Cacá foram My Little Pony e Ninjago! Mas tem para todos os gostos e idades e dá pra colocar pra rodar na hora da festinha no salão, um pouquinho antes do parabéns da galera ou, se você for fazer só uma coisinha em casa mesmo, você pode colocar o vídeo como uma surpresa para o pequeno! Adoro!! <3

Ainda pensando em dar uma ajudinha para a preparação da festinha, a Netflix criou um vídeo especial com dicas de DIY para festinhas com os temas Ninjago, Rei Julien e My Little Pony, olha só:

Por aqui, o aniversário do Pedro já foi e a Cacá ainda está meio indecisa com o tema de sua festinha para este ano. Tô fazendo ligeira pressão para que ela tope o tema My Little Pony e eu possa usar estas idéias de decor e este vídeo mega fofo! hehe

#ficadica

Bjs! ;)

Categorias Vida de Mãe

Celular para crianças: sim ou não?

Antes de começar a escrever este post, quero deixar claro que, quando eu digo celular para crianças eu estou querendo dizer, dar um celular MESMO para a criança!

Não aquela coisa de deixar o seu pequeno ver um filminho no SEU celular enquanto vocês estão no restaurante, na espera do pediatra ou em qualquer outra situação em que você precisa que ele fique quietinho. Também não quero dizer aqueles momentos em que você deixa ele jogar um joguinho, seja pelos mesmos motivos que citei anteriormente ou porque você não vê mal nisso.

Não!

Eu não quero levantar a discussão sobre deixar ou não deixar crianças PEQUENAS (leia-se menores de 5 anos) terem ou não terem acesso aos smartphones e toda sorte de aplicativos, filminhos e afins do entretenimento que estes aparelhos podem proporcionar.

Tô querendo dizer sobre dar MESMO um celular para a criança, um celular que seja dela, de responsabilidade dela, um que terá um número só dela, sabe?

Quando o Pedro me pediu um celular pela primeira vez, ele deveria ter cerca de 7 ou 8 anos. Alguns coleguinhas da escola tinham e ele também queria um. Perguntei para quê ele precisava de um celular, e ele disse que queria jogar os joguinhos que ele jogava no meu celular, em um celular que fosse só dele.

Expliquei, meio por cima, que um celular era uma responsabilidade. Que não servia apenas para jogar, que ele também servia (vejam só, que incrível!) para ligar e falar com as pessoas, e que ele não tinha idade AINDA para ter um celular.

Ele me perguntou quando é que ele teria idade, eu chutei uns 10 anos porque, na época, julguei que aos 10 anos ele já teria maturidade suficiente para encarar esta responsabilidade. Encerrei a questão dando para ele e a irmã, um antigo tablet (IPad) que tínhamos aqui, onde ele poderia jogar os joguinhos e ver os filminhos, sob supervisão, claro!

Quando completou 9 anos, ele veio me pedir o celular de novo! Desta vez, ele queria o aparelho porque queria ouvir músicas e tirar fotos! Eu disse que o tablet também fazia estas coisas, mas ele argumentou que era muito grande!

Perguntei, para onde ele achava que ele iria carregando um celular? Na escola em que eles estudam, celulares são proibidos! Ele nunca sai de casa sem o pai ou a mãe então, ele não precisava ser “localizado” por ninguém…

Que mãe chata, né?

Resolvi ceder (um pouco) aos apelos dele fazendo um “test drive” com um antigo celular que tínhamos por aqui e que chamávamos de “celular da casa”! Este aparelho ficava quase sempre desligado e somente quando eles iam para a casa da avó, ou em festinhas com os tios onde eu e o pai não estaríamos, eles podiam levar o celular para falar com a gente.

Mas este aparelho era “da casa”, e não dele!

Ele não ficou 100% satisfeito mas, gostou! Melhor que nada, né? Começou a descer para brincar com os amiguinhos aqui do condomínio com o celular e então, o test drive foi por água abaixo!

Querer descer para brincar levando junto um celular, implicava em estar usando roupas com bolso para que ele fosse acomodado ou, descer com alguma mochila ou bolsinha. O celular, que normalmente estava no bolso, caía sempre no chão e já estava funcionando mal de tantas quedas!

A solução encontrada por eles para o celular não cair mais no chão, foi levar a bolsinha! Mas a bolsinha acabava esquecida em algum canto e então, mesmo que eu ligasse para eles, eles nunca atendiam!

Resolveram deixar o celular sem bolsa, num canto! Para que pudessem ouvir ao tocar, e o que aconteceu? Esqueceram o celular e perderam!

Pra mim o test drive serviu para mostrar que não, eles não precisavam e não estavam maduros suficientes para ter um celular. Para eles, especialmente o Pedro, serviu para mostrar que a responsabilidade de “cuidar” de um celular era a maior chatice!

Caso encerrado!

Este ano, ás vésperas de completar 10 anos, ele me pediu de novo um celular! Desta vez, ele queria um celular que fosse só dele, do qual ele cuidaria, onde poderia ouvir música, tirar fotos, ver filminhos, trocar mensagens com os amigos, ligar pra gente…

Lembrei a ele toda a odisséia do test drive do celular, disse que não compraria um aparelho novo para ele deixar cair ou perder e então, depois deste papo, resolvi ceder ao presente de aniversário, com algumas regras!

Sim porque, é isso que eu disse lá em cima! Dar um celular para ELE, um que seja somente DELE, era dar na mão dele tudo o que a internet e a tecnologia têm para oferecer. E aí, será que ele estava preparado para isso? Será que EU estava preparada para isso?

Tenho pavor de pensar em pessoas estranhas entrando em contato com o meu filho, lhe tirando informações ou influenciando para alguma coisa. E sim, eu confio nele muito! Mas apesar de ele ficar bravo quando eu digo isso, ele ainda é apenas uma criança!

Suscetível a fantasias, mentiras, manipulações, bullying…

Desde que me tornei mãe, sempre acreditei que a melhor maneira de proteger os meus filhos deste mundo era orientando, informando, deixando tudo muito claro e criando regras!

E por mais que eu acredite que tenho feito um bom trabalho, quando chega este momento de colocar a prova tudo isso, dá um medinho! Mas os filhos crescem, graçadeus! E eles não ficarão no ninho para sempre então, o jeito é confiar! Em nós mesmas e principalmente, neles!

Discutimos as regras do celular e chegamos nestas aqui:

  • Não pode levar o celular para escola!
  • Não pode jogar joguinhos ou fazer maratona na Netflix durante os dias de semana!
  • Não pode jogar joguinhos online onde haja possibilidade de bate papo entre os jogadores (vai saber quem está do outro lado se passando por criança!)
  • Não pode assistir nada no YouTube sem supervisão! (vou fazer um post depois só pra falar desta praga do YouTube!)
  • Criança não tem redes sociais! Elas são para maiores de 18 anos!

Além das regras, ensinei pra ele como funciona o celular, as questões de WiFi e internet 3G, consumo de dados, custos de ligações e SMS, a necessidade de colocar ele para carregar a bateria e outras coisas básicas inerentes ao uso diário do aparelho.

Outra coisa que achei bem importante conversar com ele, foi o fator privacidade! Por causa do blog, eles já estão bem acostumados com as minhas “regras de fotos” onde nunca publicamos o uniforme/nome da escola, placa do carro, endereço de casa, documentos pessoais…

Somadas a esta noção de cuidado online, falei sobre o fato de ele precisar respeitar a privacidade das pessoas que ele desejava fotografar ou filmar. Agora que ele tem uma “câmera” na mão, precisava saber que tirar fotos de qualquer pessoa em situações constrangedoras ou de intimidade, não era legal!

Na dúvida sobre uma foto ou vídeo, ele deveria perguntar às pessoas retratadas se tudo bem fazer aquele registro!

Eu sei que pode parecer bem rígido, talvez alguns de vocês me achem uma louca chata mas, aqui em casa, as coisas sempre funcionaram deste jeitinho. Sempre procurei estabelecer regras claras e limites para qualquer coisa!

Isto me ajuda a manter a “ordem” e mais importante de tudo, o fato de estar sempre muito claro traz confiança para todos nós. Aquela coisa de “o combinado não sai caro”, sabe?

Claro que estamos sempre dialogando e uma ou outra “regra” pode mudar, e e isto é outra coisa que é muito importante por aqui: as regras não são nunca criadas apenas por mim e estabelecidas sem prévio diálogo e “debate”.

Todo mundo conversa e chega num acordo junto! Todo mundo sempre sabe os “porquês” de todos os sims e nãos, e isso tem facilitado muito a minha vida!

Não vou negar para vocês que esta nova fase das crianças está sendo muito desafiadora, ainda que pareça que o meu “sistema de regras” funcione perfeitamente. Claro que não é assim! Eles têm sim seus momentos de rebeldia, seus momentos de “que saco, mãe!” e eu tenho meus momentos de “porque sim!”e “você não é todo mundo!”, mas acho que faz parte!

Se eu tenho medo da adolescência? Morro!

Mas tô confiante que amor, compreensão e se colocar nos sapatos dos filhos de vez em quando, ainda são a melhor maneira de conseguir seguir em frente nesta tarefa mais difícil da humanidade que é criar outros seres humanos!

E por aí? O celular tá liberado?

Bjs! ;)

tweens

Meu aborrescente mais amado! <3 Moya dusha!

Categorias Passeios e Viagens

Passeios em SP: Japan House

Finalmente pegamos um final de semana para ir conhecer o mais novo espaço de cultura da cidade: a Japan House!

Iniciativa do governo japonês, a Japan House é um espaço de cultura e interação que promove o conhecimento e difusão da cultura milenar japonesa e também, das inovações. Além de mostras e exposições, a casa oferece experiências gastronômicas e sensoriais, workshops e espaços para reuniões. São Paulo é uma das 3 cidades do mundo escolhidas para abrigar esta iniciativa, as outras cidades são: Los Angeles e Londres.

japan house sp

foto: Amanda Perobell/Estadão

Em plena avenida Paulista, o prédio é lindo e cheio de facilidades! Pra quem prefere ir de carro, tem estacionamento no subsolo, pra quem prefere ir de metrô, fica próximo da estação brigadeiro. Dentro do prédio, você encontra 2 áreas de alimentação: o restaurante japonês Junji Sakamoto, comandado pelo chef Jun Sakamoto e que apresenta pratos clássicos da culinária japonesa e também, opções com carnes e vegetarianas para agradar todos os paladares e o Imi Café, onde é possível saborear chás e doces japoneses deliciosos!

Para quem vai com os pequenos, o prédio é todo acessível sendo possível visitar com carrinhos de bebê porém, nos espaços mais “delicados” de exposições, a circulação deve ser feita com muito cuidado!

É possível trocar fraldas no banheiro, que aliás, é super tecnológico! Com assento aquecido, auto limpadores e botões mil!

japan house

Disgurpa! Não dá pra evitar um banheiro tecnológico! hahaha

Quando estivemos lá, pudemos conferir 2 exposições que estavam em cartaz: a primeira era Kengo Kuma – Eterno Efêmero

japan house sp

Kengo Kuma é o arquiteto responsável pelo prédio da Japan House, sua arte inclui criar utilizando métodos que privilegiam o meio ambiente, integram técnicas artesanais e materiais sustentáveis.

japan house sp

A outra exposição que pudemos visitar foi Subtle – Sutilezas em papel

japan house sp

Parte da mostra Takeo Paper Show, que acontece no Japão, a mostra exibia os variados tipos de papéis e técnicas delicadas que podem ser aplicadas utilizando tesoura, dobraduras e cores!

Simplesmente incrível e delicada! as crianças piraram ao perceber que era tudo feito com um material tão simples: o papel!

japan house sp

Se você quiser levar um pedacinho do Japão pra casa, dentro da Japan House também tem 2 lojas: a Madoh, que vende utensílios para casa, de design e materiais inovadores e lindos e, a Furoshiki, que vende bolsas feitas com tecido e a técnica de amarração japonesa que leva o mesmo nome da loja.

furoshiki

Também dá pra relaxar por algumas horas viajando pelo Japão através da biblioteca multimídia que oferece desde livros com arte e cultura clássica, até literatura mais moderna como os mangás, amor dos adolescentes!

Pra quem se animou, anota aí:

Japan House

Avenida Paulista, 52

Horários:

terça a sábado das 10h ás 22h

domingos e feriados das 10h ás 18h

A entrada é gratuita e é proibido entrar com animais, alimentos, fumando, skates, patins e tênis de rodinhas, hein? O estacionamento que fica no subsolo oferece acesso direto ao prédio porém, é pago a parte e não é administrado pelo museu.

No final de semana que estivemos por lá, estava acontecendo um workshop da Nissin onde era possível conhecer a história da marca e depois, experimentar os sabores do macarrão instantâneo.

Vale a pena conferir o site da Japan House para ver o que estará acontecendo por lá na data da sua visita. Clica AQUI para ir lá!

#ficadica de passeio gostoso, com as crianças, em São Paulo! Se o dia estiver bonito, vale a pena emendar e ir visitar a Casa das Rosas, o Masp, o Parque Trianon…

Ai como eu amo a Avenida Paulista! <3

Categorias Vida de Mãe

Empreendedorismo para crianças

Antes de ser mãe, sempre que eu ouvia falar sobre cursos de liderança, especialização e coisas do tipo para crianças, torcia o nariz e dizia que nunca faria com os meus filhos este tipo de “pressão”. Acontece que, como quase tudo na vida de mãe, uma coisa é a teoria e outra coisa é a prática!

Desde o começo deste ano, Pedro e Cacá fazem o curso de empreendedorismo para crianças na escola, e não! Eu não coloquei eles no curso porque quero que sejam grandes empresários, ganhem muito dinheiro na vida, sejam bem sucedidos, socialites, youtubers famosos… (ops, péra!) kkkk

Quando chegou aqui em casa o convite para que as crianças participassem do curso, eu fui pesquisar com outras mães que já haviam passado pela experiência, e todas elogiaram!

Perguntei para as crianças se eles estavam interessados e, como tinham amiguinhos que já haviam feito antes e falaram bem, eles estavam empolgados para fazerem parte. Topei!

O curso de empreendedorismo desenvolve nas crianças habilidades essenciais que eles podem usufruir para futuros negócios, sim! Mas principalmente para a vida!

Autonomia, senso de coletividade e relações humanas, aprender a fazer, entender de onde vêm as coisas que consomem, como fazer, por que custa o que custa, ter noções financeiras e valorizar o trabalho são algumas das habilidades que o curso desperta e aprimora.

Na escola das crianças, o curso é desenvolvido em parceria com o SEBRAE, e qualquer escola (pública ou privada) pode oferecer este curso aos seus alunos. Basta acessar o site do SEBRAE neste link AQUI para entrar em contato e obter maiores informações.

A turma do Pedro elaborou do “zero” um plano de negócio para uma loja de bolos e sucos. Eles deram o nome da loja, criaram logotipo, decidiram que tipos de produtos venderiam, quanto custaria cada um, quem faria o que dentro do negócio…

Todos os alunos do curso são “sócios” do negócio, depois de definirem quanto custaria para colocar a “empresa” em operação, cada sócio contribuiu com um valor dividido igualmente entre todos. Os pais puderam ser os patrocinadores ou, no caso do Pedro e da Cacá, eles usaram o dinheiro da própria mesada para investir nos seus negócios.

A empresa da Cacá era uma lojinha de temperos naturais e, além do planejamento financeiro, estratégico e prático do negócio, eles precisaram plantar, cuidar e colher seus produtos para serem vendidos. Ou seja, também eram os produtores!

Cacá trabalhadora! <3

No final de semana, a escola cedeu seu espaço para que as “lojinhas” fossem montadas e todas as famílias foram prestigiar. Os “negócios” são divididos por ano escolar e assim, a escola se transformou numa espécie de “shopping” de pequenos (pequenos mesmo!) empreendedores.

O legal disso é que, as crianças acordaram cedo no sábado para irem “trabalhar”, cada um tomou o seu “posto” no negócio e, com as horas divididas entre os “sócios”, todos experimentaram todas as funções: atendente, caixa, panfletagem, vendedor, estoquista, embrulho…

Ao final de cada turno de trabalho na função, eles aproveitavam para prestigiar os negócios dos amigos e fazer compras! No final do mês, saberemos quanto cada empresa lucrou e os lucros serão divididos entre todos os sócios!

As crianças ficaram super felizes com a experiência, voltaram para casa orgulhosos de seus “trabalhos”, contando como seus estoques de produtos haviam esgotado tão rapidamente e fazendo planos com seus possíveis lucros.

Achei super válido e, pelo o que pude observar das crianças, o curso não foi cansativo, exigente e não gerou neles a automatização ou robotização dos processos. Este curso em parceria com o SEBRAE, é ministrado pelos próprios professores das crianças que foram capacitados previamente também pelo SEBRAE então, era tudo sempre muito familiar e aplicado ao dia a dia de sala de aula.

Se você também já torceu o nariz para cursos deste tipo, #ficadica: a gente pode sim, humanizar o capitalismo! hehehe ;)

Categorias Vida de Mãe

Medo da Morte

Há alguns anos eu contei neste post AQUI um papo que tive com as crianças sobre a morte! Com certeza não é dos papos mais simples, especialmente quando envolve sentimentos aflorados por acontecimentos na família mas, naquela época, nosso papo não estava em volto em medo ou dores…

Agora, com as crianças nesta fase tweens, os medos são mais “reais”, sabe? Eles não tem medo de monstros e fantasmas, começam a compreender melhor o mundo e fazem distinção entre fantasia e realidade e é aí, que um medo real toma forma: o medo da morte!

Antes, a morte era uma coisa que simplesmente fazia parte do ciclo da vida, das plantas, dos animais e das pessoas, mas não era uma coisa que eles conseguiam compreender que doía quando acontecia..

Nesta idade, já entendem conceitos de saudades, dor, solidão… E aí, estão ultimamente cheios de inseguranças e com medo de que eu ou o pai possamos morrer a qualquer momento.

E eles não estão errados, né?

Quer dizer, para morrer basta estar vivo! E a gente sabe que há milhões de maneiras de “prolongar” nossa vida ao máximo como, cuidar bem da saúde, levar a sério questões de segurança etc. mas, também sabemos que infortúnios podem acontecer, e aí? O que dizer para as crianças sobre tudo isso?

Aqui em casa o papo sempre tem começado com perguntas de questões práticas, sobre envelhecer, sobre doenças sérias, sobre situações como assaltos, acidentes e afins. Eu adotei como estratégia responder sempre de maneira objetiva, responder conforme eles perguntam, sem fomentar mais questionamentos desnecessários nesta fase e sem alimentar medos.

Sempre enfatizo que estamos bem de saúde, que a gente se cuida, que eles não precisam se preocupar, que estamos bem, que eles estão bem! Quando o tema é segurança fora de casa, falo sobre cuidados de segurança que sempre tomamos e tento colocar a realidade sem grandes “fantasmas” na vidinha deles.

Mas é difícil!

E a parte mais difícil deste tipo de conversa com as crianças não é explicar e fazer com que eles compreendam, porque o mais incrível de tudo é que eles compreendem perfeitamente. Talvez até melhor do que nós!

O difícil é olhar para a carinha deles e dizer que está tudo bem e que eles não precisam se preocupar quando lá no fundo, você também tem medo!

Porque se tem uma coisa que mudou definitivamente em mim desde que me tornei mãe, foi esta noção de como o nosso tempo é precioso e de como as nossas vidas são tão frágeis!

Ás vezes, mesmo com todas as explicações lógicas, diretas e objetivas que dou para eles, eles apenas me abraçam e dizem que não querem que eu morra nunca. Que as mães deveriam viver para sempre junto com os filhos!

Eu seguro o choro, né?

Falo pra eles que vai demorar muito para eu morrer (apesar de eu não ter nenhuma certeza disso) e que eu estarei sempre com eles, mesmo depois que morrer. Tento fazer com que aceitem que isso é o ciclo da vida, e que as pessoas que morrem continuam vivas nos nossos corações e pensamentos.

Mas este é um tipo de raciocínio lógico que eles não estão interessados, porque não me querem apenas no coração! Querem poder abraçar, tocar, pedir colo… e a única coisa que preenche os pensamentos deles quando pensam na morte, é a ausência física!

Complicado, né?

Quando eles vieram com este “tópico” aqui pra casa eu tentei identificar o que é que estava engatilhando este tipo de pensamento. Descobri que alguns filmes de órfãos e alguns temas estudados na escola estavam despertando esta consciência.

Como o assunto não é obsessão deles, e o medo da morte não os está privando de nada, acho que está tudo dentro da naturalidade. Estes dias, num desses papos difíceis, após um verdadeiro interrogatório sobre todos os aspectos biológicos, espirituais e cabalísticos da morte, Pedro virou pra mim e disse:

– Quando eu crescer, vou ser cientista e vou descobrir um jeito de criar um tipo de vacina que vai fazer as pessoas viverem mil anos, ou pra sempre! Se elas quiserem! Daí, você nunca vai morrer e vai ficar comigo!

– Boa idéia, filho! Mas precisa pensar que estas pessoas que vão viver pra sempre precisam estar com saúde, qualidade de vida, ter amigos, serem felizes… se não, não vale a pena viver pra sempre, né?

– Eu sei, mãe! Vou resolver tudo isso, pode deixar!

A gente faz o que quando escuta estas coisas? A gente chora pra gente, e reza pra todos os anjos, santos, entidades, energias e o que mais estiver por aí, para que o acaso não nos pregue peças e para que a gente tenha forças para se manter saudáveis e seguros para estar por aqui por eles por muito tempo!

Faz parte!

E ter que responder estas questões, ter que pensar sobre isso, revirar dentro da gente os medos que enterramos e as perguntas sem respostas, faz com que possamos crescer, amadurecer como seres humanos. Nestas perguntas simples, de coisas que a gente finge que esqueceu, as crianças nos ensinam o que é que importa de verdade!

Tenham filhos, tenham sim! <3

A vida é um sopro! Esteja aqui, AGORA! ;)